Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Simples monólogo sobre o tempo

Pessoa ainda menino, infante
aproveita a eternidade de teu tempo
para sedimentar as brincadeiras nas lembranças
e aguçar a curiosidade acerca da esperança
e ouvir o pulsar de tudo que habita o universo,
pois chegará um dia em que não terás tempo
para essas coisas tolas, pequenas e sem graça
na tua concepção multifacetada de gente
supostamente grande e importante.

Pessoa jovial e ainda adolescente
aproveita a efervescência de teus sonhos
que, por ora, são todos possíveis e magníficos,
para inventar as paixões mais desmedidas
para viver as histórias mais inenarráveis
e descobrir terras, planetas e mares intocáveis,
pois não tardará chegar um tempo doravante
em que na tua visão de mundo, o mais importante
será o acúmulo de posses e títulos
em detrimento do humano, esse ser ridículo.

Pessoa jovem, moço ainda na fase das escolhas
opta pela beleza insaciável da juventude
e aproveita os momentos de amor plural
e se necessário troca a noite pelo dia,
pois aproxima a época em que aos teus olhos
os dias serão apenas intervalos exíguos
e sequer terás espaço para o beijo colorido.

Pessoa já na meia idade, tempos ditos da maturidade,
decide virar corpo e mente para os tempos pretéritos
e observa que, embora já passados alguns anos,
tua vida ainda é repleta de tempo e há mistérios
tantos a serem desvendados, por isso aproveita tua experiência
para colocar na balança  e nortear tua vivência
entre os afazeres e os prazeres do contato humano,
para que na senilidade não pareça tudo um ledo engano.

Pessoa na melhor idade abre a janela de tua história
e se a retina de teus olhos não colabora
vê pelas lentes lúdicas da tua memória
que todavia o tempo tenha passado repentinamente
ainda há, na tua dádiva de vida, tempo suficiente
para perceber que, na verdade, a sobra e falta
de tempo estão ligadas exponencialmente
à essência e interesse e foco e relevância
que a pessoa sente, percebe e tem por outra pessoa.

Observa como as águas do rio sempre
têm tempo e força e direção ao mar;
é que pro rio, a direção do mar é que é essencial.
Olha como os raios de sol rompem
o firmamento, atravessam nuvens de tempestade;
é que pro sol, brilhar no universo é o que interessa.
Admira como as estrelas se ofuscam pacientemente
com a luz dos dias longos aqui nos trópicos,
só para à noite cintilar alvissareiras na escuridão;
é que para elas, enfeitar o céu é mais relevante.

Dito isso, se em vinte e quatro horas de interstício
alguma pessoa se vê desprovida de fração milesimal
de tempo para lhe pronunciar um vocábulo sequer
é patente aceitar que à essa pessoa tornaste-te um ser
irrelevante, desinteressante e não essencial,
pois tempo - sua sobra ou falta - é fato fictício;
não vês que pro amor o tempo é uma eternidade?
Cid Rodrigues Rubelita
Enviado por Cid Rodrigues Rubelita em 09/08/2013
Código do texto: T4426872
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cid Rodrigues Rubelita
Curitiba - Paraná - Brasil
147 textos (4947 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/19 07:50)