Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

De algum louco poeta...

Faz tempo que não faço um bom poema
Mas as áves voam constantemente em minha mente
E às vezes eu rabisco o papel
Tentando descrever o que há de lindo nesse céu...
Mas minhas últimas tentativas foram em vão,
Parece que a poesia quer mesmo só brincar,
Elas não desejam que ninguém as mostre,
Permitem apenas que as vejam,
Mas, é o que parece, não se deixam desenhar.

Então eu ando em silêncio
E nesse mundo minha alegria é observá-las.
São minhas companheiras fiéis
E sei que nunca vão me deixar,
É por isso que sigo,
Mesmo quando é grande a vontade de parar.

Não há hora para elas,
Para elas não há dias, nem noites
E o seu mundo é sempre o mesmo,
O de sempre,
O mundo que foi criado no momento
Exato em que eu nascia,

Neste momento de que não me lembro,
Nasceu também toda minha poesia,
Essa que às vezes sinto tão fortemente,
Com se fosse um Ser etéreo a me acompanhar,
A me guiar pelo escuro do mundo,
Dando-me a força necessária para continuar,
E adiando sempre o momento de desistir...

Mas sem perceber,
Andando, pensando sozinho,
Vejo-me a me perguntar,
Desistir de quê?
E outras perguntas me vem,
Andar para quê?
Ir para onde?
Por que tenho que ser?
E são tantas as perguntas
Tantas agonias se acumulando em meu coração...

Porém, no momendo de maior angústia,
Assim de repente,
Seja qual for a hora e o lugar,
Ouço graças e risos,
Como se crianças estivessem a brincar...
Mas onde?
Olho para os lados
Para o alto
Para baixo...
De onde vem essa Alegria?

E como mágica, assim eu vejo
Que é uma brincadeira de poesias,
Poesias a escorregar e cantar,
Se enroscando letra por letra
Sempre um verso a transmudar,
E nelas há coisas alheias a qualquer idioma,
Coisas que só o coração humano pode aguentar...

Alumbrado...

Elas ficam olhando para mim
Quando paro para vê-las
E então não me sinto mais assim,
Tão cheio de dúvidas,
Tão carregado de peso,
E lentamente algo vai acontecendo,
Sinto-me cada vez mais transparente,
Tão mais leve que uma bolha de sabão,
Acontece entao que
Eu me transformo numa delas,
Como se esse fosse o meu obscuro segredo,
E a vida para mim,
A minha vida,
Não existe mais,
Sou agora aquilo que vaga
Na mente, e o que ás vezes sai
Da ponta de um lápis,
Da cabeça de algum louco poeta...
Sebastião Alves da Silva
Enviado por Sebastião Alves da Silva em 23/09/2007
Reeditado em 23/09/2007
Código do texto: T665094
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Sebastião Alves da Silva
Imperatriz - Maranhão - Brasil
702 textos (28062 leituras)
2 áudios (87 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/17 23:12)
Sebastião Alves da Silva