Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
 Texto participativo da Ciranda Poética MÃOS
 
 
Olho hoje para minhas mãos e tristemente vejo, as marcas
que o tempo, impiedoso deixou.
Elas que foram lindas, alvas, macias, dedos finos, alongados,
gostavam de lhe dar carinho, percorrendo no seu corpo todos
os caminhos. Ora o fazia carinhosamente, logo após, dedos
desobedientes apertavam suas, bochechas, orelhas.
Em outros momentos serviram de lenitivo ao amenizar suas dores massagearam, com amor o dorso nu. Mãos que foram, ágeis, em alguns momentos, calmas, serenas. Quisera ter contabilizado as vezes que, carinhosamente o rosto másculo afagou!
O prazer que sentiram, quando emanava de tua pele o calor, afogueado, isso, era só o começo, não demorava para que ficassem, agitadas, apertando, pressionando, num misto eufórico de amor, paixão. Quantas, vezes, quase o machucou!
Saudade quando nossas mãos enlaçadas, as minhas tensas, crispadas como que em agonia total, de repente  esmoreciam no ato final!
 
Nadir A. D’Onofrio
12/04/2005
Santos/ SP



 


 
Nadir DOnofrio
Enviado por Nadir DOnofrio em 15/04/2005
Reeditado em 28/08/2020
Código do texto: T11368
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre a autora
Nadir DOnofrio
Serra Negra - São Paulo - Brasil
947 textos (103150 leituras)
147 áudios (14205 audições)
12 e-livros (3173 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 31/10/20 01:42)
Nadir DOnofrio

Site do Escritor