Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Coisa viva

                               


                                                         Eu gosto dos que têm fome
                                                         Dos que morrem de vontade
                                                         Dos que secam de desejo
                                                         Dos que ardem

                                                                  (Adriana Calcanhoto)






Eu me lembrei que provavelmente terei que conviver com pessoas que não me fazem arder. Odeio pessoas que não me fazem arder.  Garanto, então, minha vastidão deslizando pela distância que nos afasta. O olhar se converte em extensibilidade da alma e
eu num vazio inexpressivo pelo acúmulo de distância,
muito embora me latejam o corpo os gestos mínimos.
                Eu só queria umas palavras alcoólicas
              para o vento embriagar minha boca.
     E mais nada, que isso me basta:                 ardência e fluidez.
Odeio a insistência de algumas pessoas em transformar a vida em algo seguro, para que assim abordável, para que assim compreensível.
Faz falta que saibam que o inseguro, o móvel e
o incompreendido é toda sua fecundidade

                            Que no oco flutua a coisa viva:
               gaguejar abismos existenciais:
                    num silêncio único de nascer a música

Enquanto isso é uma linguagem com cintilações que tropeçam em argumentos vulgares, com pervertidos instantes dolorosos pela descoberta.
Demoro-me, sem saber o que faço, nos restos da noite que vão deixando pelo ar. E nesse obscuro ato, jamais formulado,
                                                  formulo minha tristeza
E eu escrevo à luz de vela, e com um prego enferrujado fixando em moldura a linguagem:
                  Fixação. Escrever quer fixar. Quer o seguro, o abordável,
mas quer o incompreendido, ou ainda, quer compreender.
   Eu que não compreendo nada,
     escrevo:
        com dedos de água e os olhos guiando pássaros,
          escrevo:

               sou a minha incompreensão






Carla Carbatti
Enviado por Carla Carbatti em 28/06/2009
Reeditado em 29/06/2009
Código do texto: T1671212
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Carla Carbatti
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
90 textos (8729 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/09/20 21:34)
Carla Carbatti