Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema sem nome e sem rosto



Imagino que ao olhar meus olhos
Ela o quer sem rosto.
Meu coração inventa mil máscaras
Para sua fantasia.
E eu me esforço para desenhar tantas imagens
Que meus dedos ficaram calejados e irregulares.
Ela, vestida com um vestido branco,
Como se envolta em nuvens
Eu continuo sendo o que sou e ela não retorna.
Fica na memória a forma e seus quadris
E o ritmo de seus passos ecoando em meus ouvidos.
Grito com minhas mil bocas, das mil faces que inventei
Mas ela fugiu e já na pode me ouvir.
De que me adiantaram disfarces?
Por sob o boné, meus cabelos ralos e brancos
E um sorriso desenhado nos lábios.
E meus olhos reticentes
Guardam na retina
Aquelas maças do rosto esculpidas em rosa
E guardam a jura de nunca mais sofrer.
Protegida das minhas vistas
Julga-se protegida do sofrimento.
Mas sofre em excesso
Por infortúnios apenas imaginários...

Fotografo este exato momento
De meus onze anos
Quando éramos um.
Meus onze anos de inocência sob seu manto branco.
Imaginávamo-nos sozinhos naquele tempo.

Meus onze anos e meu olhar de hoje

Já não vejo seu rosto
Mas eu não preciso
Você se tornou recordação
Tudo porque exigiu da memória um olhar por sob as máscaras
Das tuas antigas fantasias...
Mauro Gouvêa
Enviado por Mauro Gouvêa em 29/04/2010
Código do texto: T2227414

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Mauro Gouvêa - www.recantodasletras.uol.com.br/autores/maurogouvea). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Mauro Gouvêa
Alfenas - Minas Gerais - Brasil, 54 anos
432 textos (60425 leituras)
3 áudios (887 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/19 05:32)
Mauro Gouvêa