Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Rosais de outono

Muitas das rosas que morreram em botão
espargiram suavidade e inocência
na fímbria larga de imensas nuas névoas úmidas
e fê-las enovelarem um dulcíssimo luar amávico,
que ora chega aos meus pés,
com a fogueira ardente de estrelas d’arte,
lâmpada etérea acendendo meus sonhos,
que tantos caminhos na distância penetraram,
roubando a alegria perfumada das rosas!

Os rosais que ansiavam mas não puderam florir,
hoje perfumam minha alegria de sonhá-los gestando
botões virgens de vida e morte,
rubros na essência flórea
cujos músculos de sangue persistem
subindo à copa da roseira mater,
ao âmago de seu coração frugal!

Se porventura trago mãos vazias de flores,
é que encubadas no ventre da vida parideira
esculpem-se e ensaiam o êxodo das grilhetas
e dos frascos de barro velho,
para depois, imediatamente depois,
de vergel em vergel, brincarem de sorrir,
molhando-se na mádida chuva outonal!

Santos-SP-02/12/2006
Inês Marucci
Enviado por Inês Marucci em 02/12/2006
Código do texto: T307594
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Inês Marucci
Santos - São Paulo - Brasil, 55 anos
584 textos (23698 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 03:06)
Inês Marucci