Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

BOLOLÔ

Foi tudo que restou daquele casal bisonho e claudicante? Silêncio... Sem mais segredos desvendantes e adivinhações considerantes, findaram. Barafundas! Nem mais prestavam atenção. Nem mais novidadeavam. Mas o olhar marasmático era de uma só dorinfinda: não negavam. De Dora, o marido notou que tristeandava pelos cantos...

Chamou Bené às agulhas... Este, o outro, que nem marido era, mas disso bem que se servia. Tremeu conversa adentro caminhando rumo à fora. Não duvidou que morreria ali. Dora, que andava desdesejando tudo, sofreu de longe... Pelos dois. Clichê.

Bené gostou-se dela de bem antes... De menina. Tecera-lhe as tranças e acompanhara as formaturas. Longas e emaranhadas: ambas. E não findara de gostar. Ela, demorou-se a pegar gosto e, quando o fez, se anunciou casada... Parentela distante e calamidade. Desandança. Bené tomou-lhe as dores: marido tetro e vagarento que não acudia? Deu no que deu...

Xumburgaram de vez... Feito gatos no cio vadiavam loucos varridos dançando em boates da noite e nas ruas da manhã numa alegria radioativa... Contaminaram transeuntes e comadres de plantão. E não arrefeceram nem a veneníparos: eram um casal e, como tal, ponto final. Casados, à maneira deles, cada qual com sua parelha... E por que não dizer felizes em doses graúdas de claros arrebóis. Amavam-se sem culpa ou destinação. Faltava em Bené tudo o que sobejava em Dora. E eles se matematizavam: tempo e espaço conspiraram ao redor. Os parceiros nunca souberam e nunca, talvez, saberão.

Qual o sentido do arrependimento quando não se tem escolha? Cura-se da vida fugindo-se dela? Perguntaram-se sós uma única vez. E então, retiraram-se de todas as cascas de inverdades e foram-se chegando cada vez mais perto do que era possível definir... Já antigos um do outro, não faziam mais sentido ao contrário. Bololô... Foi tudo o que restou daquele casal?

E se tudo isto não for tão-somente a Verdade - alternativa descoberta pelos que, livres e versutos, dão sentido as nossas muitas adivinhações? Bololô...

LILLY
Enviado por LILLY em 29/01/2007
Código do texto: T362119

Comentários

Sobre a autora
LILLY
Recife - Pernambuco - Brasil
9 textos (275 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/09/20 19:47)
LILLY