Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pelos inícios das manhãs

Ah, se não fosse você, sono bom...
O que seriam dos meus inícios de manhãs...
Sempre quando eu consegui vencê-lo,
Despertei fundo, doce,
Os céus nunca me desapontaram,
Mesmo as nuvens mais cinzas,
E quando o sol, tímido, se esconde entre elas...
O cheiro mais puro do dia,
Cheirinho, aquele..
Aquele perfume divino,
Dos deuses!
Aquela preguiça, ao ver a cidade dormindo...
E eu também, dormindo e acordando...
Durante as férias, mais ainda,
Preguiça de cidadezinha,
Com as suas ruas de pedra, com o cantar dos passarinhos...
A vida suave, zinha,
Pequenininha, aos passinhos,
Com o seu casco,
Somos tartarugas,
Temos com o quê carregar,
Os nossos fardos, fados, chatos, tristes,
Complicados,
Que "adoramos" complicar,
Especialmente .. vocês sabem quem...
Deveríamos caminhar devagarinho pelo tempo, que o espaço da vida nos dá,
Mas vivemos explorados,
Muitas vezes jogamos esse jogo, e exploramos os outros,
Mas todos nós, no fim, somos enganados,
Sabemos que podemos superar isso,
Que não precisamos tanto assim,
Que nenhum sacrifício é necessário, quando é muito árduo,
Quando sacrifica demais, e nos faz de pobres coitados,
Nós, que já somos pobres mortais,
Que a cadeia alimentar, nós já podemos superar,
Que este, é o princípio e o fim da filosofia,
Temos cascos, e corremos dos chicotes,
Que estalam nas costas, [mesmo] quando obedecemos,
O berço das manhãs, dos dias, de mais um ciclo fechando, arrumando seus ponteiros,
O tempo urge o tempo inteiro,
A vida humana só evolui de verdade, se for na lentidão,
Mais percebemos a vida, mais queremos conter, retardar o tempo,
Maior a consciência, mais lentos,
Mais cuidados apregoamos,
Dias como semanas,
Vendo os inícios das manhãs...
Como seria se fluíssemos tal como os seus inícios, muito mais perto, da chama que inflama o coração,
Com muito mais zelo, os prazeres da vida, durando mais tempo, mesmo ele, sempre um ratinho, roendo, e cor roendo, acinzentando, nos forçando à melancolia,
Que sempre confundimos com a sabedoria,
Já no fim dos nossos dias, perto do entardecer,,
Ai daqueles, que já nascem entardecidos,
E estão sempre em busca das manhãs,
Mais perdidos,
E sabendo como estão, sentir
E pra onde deverão, partir
E nas noites se banham na escuridão,
Fitando estrelas, galáxias, pensamentos,
Estão sempre comendo as maçãs,
Olhando cara a cara com Deus, mostrando a ele, seu lamento,
Reclamando,
Tentando negociar,
Tentando apaziguar sua brutalidade,
Sobram-nos essas manhãs,
Quando o sono acorda cedo,
Em mais uma, e única sinfonia...
Thiago Fávero
Enviado por Thiago Fávero em 29/12/2017
Reeditado em 20/02/2019
Código do texto: T6211400
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Thiago Fávero
Bicas - Minas Gerais - Brasil, 32 anos
700 textos (9182 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/09/20 17:08)
Thiago Fávero