Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ESTRANGEIRA DE MIM

Ah, esta sensação louca e ao mesmo tempo branda de não pertencer, este estrangeirismo duro que persegue meu corpo como quem gruda e não é bom, como quem ama e não chega perto, como quem fala e não diz palavra. E palavras me sobram como me faltam as coisas que ocupam as outras almas deste mundo e as de outro – quem sabe? Eu que sempre vivi neste exato mundo -que hoje habitas comigo-  e em outro ao mesmo tempo, querendo sempre ter os pés no chão, querendo ter as glórias mundanas não permitidas aos portadores da eterna epifania, incessante epifania, enquanto tantos imploravam ao Pai por um só momentinho que fosse, voando. Mal sabem eles o quão dolorido é não ter onde pisar, o quanto falta este odor impregnado da terra, o quanto custa cada segundo deste planar. Palavras não me faltam, eu sei, elas "desabrotam" como quem cospe fogo, como se não houvesse outro destino possível. E não há. Entre as muitas tentativas de calar, as vozes esbarram na sua sina, embora não confirmada , mas presente. Pouco há o que fazer. Elas dançam doidas como o vento pobre do ventilador nas persianas da casa, artificiais ao mesmo tempo que espontâneas, só. Há pouco o que fazer. Os dedos correm o teclado, a tinta mancha o caderno, o lápis roça o guardanapo. E só.
Fabiana Esteves
Enviado por Fabiana Esteves em 18/09/2007
Código do texto: T658508

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Fabiana Esteves). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Fabiana Esteves
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 41 anos
9 textos (157 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/17 00:54)
Fabiana Esteves