Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Das senzalas aos quartos de empregada

A mudança do cenário embala, irônicamente, a dura realidade que ainda perdura depois de tantos anos.
A madeira e o barro deram lugar às paredes pintadas, camas macias sustituíram o chão de terra batida e a palha sobre os quais longas e sombrias noites eram passadas. Porém, as dolorosas correntes do preconceito ainda não foram quebradas. Ainda aprisionam os "alforriados" na "senzala" chamada  segregação.
O diploma legal sancionado e assinado com alegria por dona Isabel a mais de um século atrás, alforriou "corpos negros" mas não conseguiu libertar as "mentes brancas" do preconceito que ainda as domina nos dias atuais.
A princesa nem imaginava que a mais necessária alforria não estava ao seu alcance... a verdadeira libertação teria que alcançar a mente humana, aprisionada nas correntes da hostilidade.
A tinta e a pena jamais poderiam alforriar as almas doentias de pessoas que ainda hoje, não ententem verdadeiro significado da liberdade.
Triste realidade de uma pseudoabolição que trouxe com ela a falsa idéia de justiça social.
Falsa liberdade...falso senso de humanidade que, nos dias atuais, se desmascaram e descortinam nos quartos, entradas e elevadores de serviço.
Elaine Neves
Enviado por Elaine Neves em 14/03/2019
Reeditado em 14/03/2019
Código do texto: T6597844
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Elaine Neves
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 44 anos
56 textos (15902 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/05/21 21:15)
Elaine Neves