Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ÀS CORONÁRIAS

Às cáusticas rosas a me ladear
Aos louros encarquilhados e tais
Às vestes de um arcabouço nobre, ora apedrejado.

Só quimera na tola vida mundana!
Réstia de palavras, doces como fel
Onde está o rei e seu castelo?

Hão de esporular e de atingir o fleimão
No rancho de luz, na pouca capacidade de amar
Ao intolerante jeito de se ferir sem sangrar
E de emanar na falsa pútrida certeza.

Um ósculo de sobremesa por esta nigérrima capa
Apoquentando.

Houvera vezes dum café da tarde glorioso
Um semi vasto e claudicante deserto
De fome, de piano, de nódoa, despido.

Em toda ojeriza que se preza
Ânimo a me julgar
E me matar mansinho, com odes no inverno
Como cisnes no mais encorajado relinchar.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 10/05/2019
Código do texto: T6643695
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
740 textos (34720 leituras)
1 e-livros (256 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/06/19 05:49)
Cesar Poletto

Site do Escritor