Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Amor eterno, eternos amantes.

Seu olhar era fixo, era um olha de piedade, de clemência, olhar de uma pessoa que daquele lugar não queria partir.
Sua amada ali estava, o desespero já tomava conta, a despedida era em lagrimas e suspiros, longos suspiros.
Não existia mais saída, era uma densa contagem regressiva para o fim e ali estava os dois, mudos naquele quarto de hospital.
Ele tocava sua face em um dos mais delicados gestos feito por dois eternos amantes. Não conseguia segurar as lagrimas que insistiam em manchar o lençol de sua cama. Seus lábios já secos e quase sem vida tentavam expressar uma frase.
Assim, ela pode ouvir, muito baixo como um sussurro à frase:
“Te Amo!”.
Logo depois seus olhos apagaram e sua mão que estava sobre a face de sua amada caiu bruscamente, pousando na cama, já sem vida.
O Silêncio ali permanecia e minutos depois dele ter dito aquela frase, ela então respondeu:
“Me espere”
Como de uma forma súbita ela ali caiu, sobre peito dele, inconsciente.
Tinha ido encontrá-lo na eternidade.
Samuel Ramos
Enviado por Samuel Ramos em 20/10/2007
Reeditado em 04/10/2008
Código do texto: T702991

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Samuel Ramos
São Paulo - São Paulo - Brasil, 25 anos
9 textos (864 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/17 10:48)
Samuel Ramos