Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Desesperança


      Chove! Que temporal dos diabos! O dia morre. O cinza se faz negro.Chove tanto que eu fico indecisa entre ir, enfrentar este aguaceiro em busca de gente com quem repartir a solidão, ou ficar sentindo o tédio de ver os minutos passarem, um a um, sem nada, absolutamente nada que me ocupe a mente ou o coração.

     Chove. Meus olhos estão cansados,como se tivessem chorado...como chora o tempo. Pouco a pouco vou me convencendo de que é melhor ficar, porque seja onde for eu irei comigo levando o meu tédio, a minha amargura.

     A chuva continua caindo em uma triste e insípida cantilena, que vagarosamente vai adormecendo a minha alma, criança cansada que se sente feliz por finalmente desaparecer nas trevas da inconsciência.

     O negro aumenta no tempo, pois a tarde se faz noite.O negro aumenta em mim, pois o tédio se faz desesperança. 

   
Maria Olimpia Alves de Melo
Enviado por Maria Olimpia Alves de Melo em 05/11/2007
Reeditado em 05/11/2007
Código do texto: T724871

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para http://marilim.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Olimpia Alves de Melo
Lavras - Minas Gerais - Brasil
1107 textos (325237 leituras)
1 e-livros (258 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 14:48)
Maria Olimpia Alves de Melo