Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Amor X Paixão - A Eterna Contradição dos Sentimentos Humanos

Eu tenho percebido ao longo do tempo que raras são as flores que se abrem na primavera. Poucas são aquelas que exalam seu perfume durante o outono e raríssimas são as exceções às quais trazem consigo o espírito de uma nova estação.
A Intensidade dos raios solares incidentes sobre este corpo inerte, fazem com seu calor principiar ondas de pensamentos diversificados aos quais são verdadeiramente analisados e considerados como fatores inerentes ao comportamento dos seres humanos.
No ápice deste pensamento cognitivo, surgem indagações sem o mínimo de lógica mas em contra-partida com o máximo de relevância. Questionamentos sem nenhuma resposta aparente e, como se não bastasse, dúvida à integridade dos sentimentos humanos aos quais sorrateiramente mudam pela inconstância deliberada dos verbos que os acompanham em seus diferentes níveis.
Torna-se perceptível as mudanças comportamentais momentâneas. Gestos, ações, pensamentos, ultrapassam as utópicas fronteiras da realidade efetiva e incidem em uma realidade aventureira que dá margens à sofrimentos, mágoas teoricamente involuntárias que degradam e desiludem gradativamente o ser humano.
Do ponto de vista filosófico, os verbos referidos representam em sua inconstância a essência dos sentimentos humanos. Aqueles aos quais muitos confundem e poucos os compreendem. Aqueles que fazem florir do intimo e despertar do sono do ócio ignoro as mais belas ações ao ser congratulado.
Amor - aquele ao qual já definia o grande Camões em suas obras literárias como "um fogo que arde sem se ver, como ferida que dói e não se sente, como um contentamento desconte, como dor que desatina sem doer...".
Paixão - Aquele que por experiência defino como o mais traiçoeiro dos sentimentos que desperta no ser a ânsia e o desejo de amar. Quando bem cuidado, transforma-se em Amor. Quando desprezado ou mal cuidado, transforma-se em dor.
E em fim, estas duas espécies que transfiguram-se e transformam-se constantemente pela inconstância, obedecem às leis naturais evidenciadas pelo Francês Lavousier em que a máxima "Na natureza nada se cria, nada se destrói, tudo se transforma", aplica-se em síntese fortalecendo um ciclo dual harmonioso.
ELVIS NEVES
Enviado por ELVIS NEVES em 08/11/2007
Código do texto: T729024

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Contato pelo e-mail: super-sombra@ig.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ELVIS NEVES
Salvador - Bahia - Brasil
3 textos (178 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 12:41)
ELVIS NEVES