Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Náldica tragédia.

Acaso, devo seguir a Delfos para consultar o Oráculo?
Que dirá da minha maluquice? Que dirá de mim?
Quando o Cavalo de Tróia me encantava, cantava.
E no meu canto, a flauta, a falta, a faustica, casuística,
Causou-me atração.
Cavalo de Tróia, e eis que incendeia a paixão.
Amo duas, ou uma em duas?
Ou três em mim?
Ou todas e nenhuma?
Ou mim em todas?
Ou apenas mim?
Vem uma e me rasga o peito ao meio,
Chuta o esteio, desestabelece, desestabiliza,
Alisa minha alma. Leio-a. Lei não há.
Torna-se presente. Impõe-se. Rasga. Leva a sua parte.
E me deixa sangrando.
Vem a outra, simplesmente amando. De mansinho,
Cuida direitinho. Alisa de sua parte. Cura as feridas.
Estanca o sangue. Tranqüiliza. Aviva. Vive-a. Viva.
Vi, via, vendo, viviará?
Cobra e é reatribuída.
Anestesia-me e dá-me o golpe.
Arranca o outro lado. Sai de mansinho e estou sangrando.
Ferido.
Sem saber o que fazer.
Tragédia grega?
Oráculo, dizei-me!
Procuro as ninfas do Parnaso e elas, com seu bailado aos gases,
Também me encantam!
Todas as ninfas, do Parnaso ou da planície,
documental, livresco, virtual ou real,
Me encantam.
Ninfas todas do universo, entrai em transe para mim.
Mas, há duas. Há duas que me despedaçaram!
Não tenho mais coração a oferecer.
Ofereço outras partes. Ofereço o meu espetáculo.
E nem mesmo o Oráculo entende.
Que seja o que tende!
Tenho pernas, braços, ombros, rosto, sorriso, boca, frente, verso,
Versos, reversos, sons, acalanto, canto, pranto, meus encantos,
Mantos para o frio, corpo quente, saliente, mente, minto, sinto, tinto,
Branco, atento, tento, tento, e eis-me aqui, cantando,
Passando só de passagem, bagagem, aprendizagem, margem, mar,
Porta aberta do teatro mágico não só para raros, para todas as raras,
Caras, risos, almas, cantigas de ninar, cantigas antigas, novas...
Quero me espraiar, me derramar, me insinuar, quero viver,
Brilhar? Espero o amanhecer. Que venha auroras sobre as águas,
Sobre as terras, sobre as casas, sobre mim, sobre elas.
Que venha...
Arpejo
Enviado por Arpejo em 11/11/2007
Reeditado em 11/11/2007
Código do texto: T732894


Comentários

Sobre o autor
Arpejo
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 43 anos
83 textos (3957 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/05/21 15:36)
Arpejo