Asa delta

Pulei de asa delta na vida,

Porém não procurei fazer história,

A história é que me fez com capa dura

E enredo dramático.

Fui driblando infortúnios,

Correndo na contramão do destino

Quando esse me devorava os neurônios.

Massifiquei a razão a tempo,

Patenteei os segredos,

Desviei dos becos sem saída.

Muitas vezes calei diante do sujeito,

Por certo o adjetivo condenaria o dialeto.

Não fiquei em cima do muro e nem

Evitei a corda bamba.

Não quebrei o salto do sapato e nem

Desviei-me da passarela.

Aceitei o contexto de Polliana Menina

Mas não desprezei o Auto da Barca do Inferno

De Gil Vicente.

Não decepcionarei a morte. Estarei pronta.

Como pássaro viajarei sem fronteiras

Na busca incessante da evolução do espírito.