Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

lirio branco

meu nome e jacinto batalhei,muito nesta vida para ter oque e meu
confesso que muitos espinhos eu encontrei,mas posso dizer  que fui
um homem feliz e realizado,tive uma esposa maravilhosa e duas filha a coisa mas linda,mas como a vida nus traz alegria,e tambem muitas tristezas um certo dia vianjando para uma cidadezinha do interior para minha infelicidade o meu carro desgovernou,na quela hora eu nao vi mas nada minhas vista escureceram,quando  mi despertei  dentro dum hospital eu estava ,avistei  uma enfermeira perguntei pela minha familia
e ela nada me respondeu logo chegou o doutor  com uma triste noticia que minha familia tinha,morrido eu nao pudi  acreditar um grito eu dei na quela hora meu coracao parecia que ia explodir ,de tanta dor.eu nao pudi acreditar,que meus  amores tinha morrido,passada algumas horas pedi ao doutor,que  deixasse  eu velas chegando la naquele lugar frio, la estava  meus amores pareciam que estava dormindo,mas uma coisa eu nao pude entender la so estava uma menina entao perguntei ao,doutou a honde estava  a outra menina,a mim ele respondeu seu ,jacinto mas nao  a outra menina,a ele eu disse doutor como nao a outra menina eu tenho duas filha e estava  as duas dentro do carro ,ele me respondeu sinto muito seu jacinto mas no local do acidente so estavam voces tres,enterrei meus amores e fui a procura ,da minha outra filha procurei por muitos anos,mas nem um sinal avia eu velho e acabado de tanto sofrimento por nao poder mi conforma ,a dor por ter perdido minha esposa e minha filha ea tristeza por nao encontrar a outra,as lagrimas rolavam sem nem eu mesmo esperar um sentimento de culpa ,que me coroia por dentro.mas um certo dia mi deu uma vontade  enorme de voltar no local do acidente,chegando la  avistei uma moca  e um rapaz,a eles eu perguntei oque faziam ali o moco mi respondeu.aki a muitos anos morreram os pais de minha esposa nunca soubemos a honde eles foram enterrados por isso viemos todo ano qui rezar,dali eles foram saindo ,ai eu perguntei moco como se chamava os pais de sua esposa,a moca olhou para mim e respondeu  meu pai chamava  jacinto e minha mae eonice,meu deus eu nao pude acreditar de joelho cai no chao e comesei a chorar,aquela moca se aproximou  pegou em minha mao e disse,poque choras desta maneira senhor ,eu olhei para ela  e disse tu nao mi reconhece sou jacinto seu pai  ,ela soltou de minhas mao e se afastou para traz,com os olhos cheio de lagrimas e meia desconfiada ,eu olhei para ela e disse tu duvidas de mim lirio branco,derepente ela comecou  chorar e gritar.o moco perguntou oque foi lilian  ,ela disse e meu pai e meu pai,o moco respondeu como pode saber se e seu pai,ela disse pq somente ele me chamava de lirio branco,esta foi minha vida sofrida mas em  meio de tanto sofrimento uma alegria eu encontrei meu lirio branco fim

dulce ribeiro da silva
Enviado por dulce ribeiro da silva em 03/12/2007
Código do texto: T762614

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (duda) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
dulce ribeiro da silva
Bauru - São Paulo - Brasil, 40 anos
4 textos (113 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 20:57)
dulce ribeiro da silva