Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
torres supressas 


Calado fica, como deveria ser naquela ocasião;
o pensamento trava, a memória cessa;
Mesmo depois de alguns goles de cachaça;
o vento sopra por entre as frestas do portão;
Lá dentro silêncio funesto;
maresia oxida teto de zinco;,
sentinela vela a madrugada;
a imensa chaminé da fábrica onde um dia trabalhou, lança fumaça negra na lona breu do céu ;
o corpo do desempregado jaz no ataúde;
a espera da última reza;
as beatas seguram o rosário;
fumo de tabaco suspenso;
de que morreu este pobre defunto?
"de desgosto, de coléra, de ódio, amargura"
" Não aguentou a pressão!" Do que?
" Da vida amarga que levava, das incertezas que em si carregava, dos desgostos que aos poucos foram lhe tomando, do desespero por ter desempenhado tão mal seu papel de homem, pela cachaça que engolia feito água, pela fuligem do cigarro que se alojou em suas reentrâncias, pelo desejo de um dia voltar a ser a criança que nunca foi"
Falência múltipla da vida - suicídio!
Agora nos dê liçença, Pai Nosso que está no céu, santificado seja....Ave Maria cheia de graça...
sai dali embebido do ar funesto;
jasmins penetram em suas narinas;
um leve brisa lhe leva não sabe aonde;
lembra de um trecho de um poema russo que sussura ao vento :
" A infância dos tempos cessa.
verás. E o vento radiante,
O pó das torres supressas;
por tiros de longo alcance"

 
FOKER
Enviado por FOKER em 05/12/2007
Reeditado em 03/01/2017
Código do texto: T765605
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
FOKER
Palmas - Tocantins - Brasil
691 textos (25273 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/17 15:22)
FOKER