Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Noite no Mato

      Finalzinho de tarde, no mato o som dos grilos, dos sapos, dos besouros e a respiração dos pequenos roedores parece visível aos olhos humanos, um som quase homogêneo que se dissipa e retorna como o ritmo melódico das notas musicais, um som que não tem lado, não tem dono, não pertence ao vento, não parte de cima, muito menos de baixo.
 
    Nesse matagal denso e já quase escuro o som que se propaga pertence ao próprio mato e disso ninguém discorda.

    Nesse momento, nem mesmo o sol tem forças para reagir e argumentar do contrário, alias, falando nele, olha ele indo embora, vejo seus últimos raios dando tchau, fugindo da noite como um covarde que foge na hora do apuro e volta no outro dia, após o perigo passar como se nada tivesse acontecido.

    Sobre esse covarde, esse medroso e dissimulado intitulado de sol, uma coisa tenhamos que concordar, que aqui no mato o danado sabe bem a hora de ir embora, sabe bem o momento certo que o perigo se aproxima. Se posso dar um único conselho, seja a você ou a qualquer outro que venha passear por essas bandas e matagais, digo, quando ver o sol fugindo, prepare suas armas, convoque seus deuses e levante sua guarda que a guerra vai começar.

    E se por ventura, por sorte ou talvez até mesmo por bravura, conseguir sobreviver por aqui mais essa noite, o prêmio da batalha é mais um dia pra viver.

INSTAGRAM @POETA.LÉO.QUEIRÓZ
Léo Queiróz
Enviado por Léo Queiróz em 14/01/2020
Código do texto: T6841962
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Léo Queiróz ). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Léo Queiróz
São Paulo - São Paulo - Brasil, 23 anos
180 textos (3612 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/01/20 09:04)
Léo Queiróz