Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Invasores


Já faz alguns meses que eu venho sendo perturbado por uma grande população de pombos aqui na minha residência. Estive observando e a Sede deles é aqui mesmo na casa ao lado, que agora está desocupada, antes o antigo morador, talvez ele alimentasse e desse guarida a estes pombos, mas ele se mudou e não levou os pombos que agora estão me perturbando com sujeira e barulho. Isso me levou a colocar uma grande quantidade de metros de tela para impedir que esses pombos entrassem em minha casa. Um dia, porém quando voltava de um trajeto observei que haviam dois pombos embaixo de minha cobertura, porém ao me verem eles voaram e fui impedido de afugentá-los. Entrei em casa e fiquei bem quietinho e ouvi quando voltaram pelo barulho de asas batendo embaixo de minha cobertura ví eram eles os dois que pousaram embaixo da cobertura em cima de uma escada que eu uso. Fiquei em silêncio escutando o arrolar deles, porém eles não me viam, então começaram a falar, neste momento um dizia: É aqui mesmo companheiro está tudo dominado o local é perfeito vamos invadir ficamos uns dias e depois vamos trazer todos os outros companheiros. Percebi que eles tinham uma organização de invasões de casas e eram também filiados a um partido politico que apoiava invasões de casas. Quando conversavam escutei seus nomes um se chama Luves e o outro handavi.
Estando em silêncio liguei o ventilador de teto no máximo e abri a porta e batia a mesma assustando-os eles em desespero voaram em direção ao ventilador de teto e ouvi umas grandes pancadas e um deles caiu embaixo da churrasqueira e o outro foi jogado no chão um deles ficou ferido e o outro meio atordoado conseguiu voar para dentro de casa foi quando fechei a porta. Temendo que eles escapassem chamei meu filho peguei um porrete entreguei em sua mão e disse-lhe bata na cabeça e eu com outro saímos à procura de onde tinha se escondido. O que entrou em casa parou em cima do guarda roupas e eu dizia pro meu filho bata na cabeça e ele com medo cutucava o pombo como se quisesse que ele fosse embora, porém ele voou e foi embora. O outro foi se arrastando e estava embaixo quietinho peguei uma madeira de lei e arremessei-lhe sobre a carne macia. Depois peguei a pá de lixo recolhi o que restará fui lá fora onde estavam mais de tantos pombos me observando e levantei a pá para cima para que eles vissem o risco de invadir a propriedade alheia.
Depois disso, ainda estou esperando, talvez venham mais alguns, mas, até agora não vieram nenhum será que estão ressentidos...


Comendador Carlos Donizeti
Enviado por Comendador Carlos Donizeti em 26/06/2020
Reeditado em 27/06/2020
Código do texto: T6988857
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Comendador Carlos Donizeti
Hortolândia - São Paulo - Brasil, 62 anos
148 textos (4788 leituras)
10 áudios (477 audições)
6 e-livros (590 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/07/20 17:40)
Comendador Carlos Donizeti