Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Desabafo

Entretanto, meu amigo, e sem irromper em demasiada e desnecessária contenda, não posso me calar quando os fatos sobejam
às pencas. Não se nega a desfaçatez com que o magno dirigente, debitario de um mínimo civilizatório, se digne a expressar tantas vilanias. Não há como concordar - mesmo com amparo do mais benevolente dos deuses, como, talvez, diria um grego na Ágora - que as palavras do excelso dirigente represente o império da razão. Nesse sentido, não se pode negar: as palavras, quando pronunciadas, como Hermes, percorrem o espaço numa velocidade divina. Assim, uma vez dita, a palavra se registra e adquire efeitos sentenciosos. Por isso, não há salvaguarda a nenhum Homem, por mais poderoso que seja, a permissão de pronunciamentos em conflito direto com a vida. Quem assim procede, - sob pena de negar o marco civilizatório a que nos submetemos em oposição ao restante dos outros animais- deve responder pelos seus atos. Responsabilizar quem se desvia desse limite, com falsos argumentos de "minha liberdade de expressão" , primeiro, ignora que o direito de um só se valida com o direito do outro. Liberdade de expressão não é ter o direito de aniquilar o Outro. Isso é autoritarismo. Segundo, liberdade de expressão se qualifica num marco pautado pela tolerância, respeito e compreensão das opiniões opostas.  Um discurso isento de contraponto, por sua próprio natureza, ou seja, que desconsidera o contrário, é dogma. Enfim, a vida só se justifica se, e só assim, considerar os opostos. Somos humanos, demasiados humanos, sujeitos a erros, sim, mas capacitados para corrigi-los.
silvio lima
Enviado por silvio lima em 21/02/2021
Reeditado em 21/02/2021
Código do texto: T7189724
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
silvio lima
São Paulo - São Paulo - Brasil, 55 anos
2183 textos (38035 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/02/21 22:55)