Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Lenda do Pequi

       Quando o derradeiro quilombo foi encontrado, houve uma carnificina sem precedentes de crianças, jovens e velhos. Aqueles que conseguiram fugir, foram implacavelmente perseguidos e sumariamente executados. Naquela noite, somente uma jovem escrava grávida conseguiu furar o cerco, escapando da chacina, tomando rumo ignorado pelo cerrado. Ela andou dias e noites sem comer, sem beber e sem dormir, vindo a falecer sob à sombra de uma frondosa árvore de galhos fortes, fartos de folhas, porém estéril.
O corpo esquálido e jazido daquela mulher se decompôs, transformou-se em húmus e sal da terra, fazendo-se fertilidade àquela árvore. Desde então, flores da cor do sol brotavam naquele tronco robusto, transformando em frutos redondos e verdes, de segurar com as duas mãos. Frutos estes, quando partidos, revelava uma polpa amarelo ouro, em forma de embrião, com aroma indizível e inconfundível paladar. Assim, os nativos do cerrado deram o nome a este fruto de pequi.
Hoje, conhecidos por pequizeiros todas as árvores mães que geram estes frutos em abundância, garantido sustâncias a quem tem fome e sede, descanso a quem tanto labuta, restaurando a virilidade dos homens, e dando vida longa às mulheres, que um dia deram a luz.
Sergio Pacheco
Enviado por Sergio Pacheco em 06/11/2007
Reeditado em 10/12/2016
Código do texto: T726352
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Sergio Pacheco
Sabará - Minas Gerais - Brasil, 59 anos
105 textos (5856 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 06:46)
Sergio Pacheco