Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

As bandidas

AS BANDIDAS
Miguel Carqueija

Resenha do filme “Bandidas” (França/EUA/México, 2006). Europacorp TF1 Filme Production, Canal+TPS Star. Distribuição: 20th Century Fox. Produção: Luc Besson e Ariel Zeitoun. Direção: Joachim Roenning e Espen Sandberg. Roteiro: Luc Besson e Robert Mark Kamen. Música: Eric Sena. Ideia original de Penélope Cruz e Salma Hayek.

Elenco:
Maria Álvarez...................................Penélope Cruz
Sara Sandoval...................................Salma Hayek
Quentin............................................Steve Zahn
Jackson.............................................Dwight Yoakam Tyler
Ashe.................................................Denis Arndt
Clarissa.............................................Audra Blaser
Bill Buck............................................Sam Shepard
Don Diego.........................................Ismall “East” Carlo
Pedro................................................Carlos Cervantes
Padre Pablo......................................José Maria Neeri
Bernardo..........................................Lenny Zundel

Faroeste cômico e bastante escrachado, passado no México, mostra duas foras-da-lei que na verdade são justiceiras, Maria e Sara, cujas respectivas intérpretes pouco se distinguem fisicamente uma da outra. Elas vivem em níveis diferentes, Sara é filha de banqueiro e Maria de fazendeiro, ambas órfãs de mãe. Nem se conheciam, pois Sara estudara dez anos na Europa.
O mundo de ambas desaba quando um vilão norte-americano, o banqueiro de New York, Jackson, enrola Don Diego (o pai de Sara) e obtém o controle do banco mexicano, partindo daí a oprimir os moradores locais com extorsivos juros de empréstimos. A coisa é mal explicada, mas basta dizer que os pais de Sara e de Maria acabam sendo assassinados e daí as duas mulheres se aliam com o apoio do Padre Pablo e se tornam foras-da-lei, as “bandidas” do título, e iniciam uma carreira da assaltantes de banco. Por métodos heterodoxos conseguem o apoio de Quentin, o detetive científico que a princípio representa uma ameaça contra elas.
Há cenas picantes quando Sara e Maria capturam Quentin e o colocam em situações embaraçosas e até disputam entre si qual das duas beija melhor. É uma cena sem-vergonha e imprópria para menores, mas sem sexo e teoricamente justificada por estarem ambas agindo em defesa própria e de uma causa justa. É o que se chamaria uma “pornografia leve”. A bem da verdade o filme não é pornográfico; é só uma comédia escrachada, felizmente sem palavrões e conversas sujas.
A trama acaba envolvendo quando esquenta a briga com o vilão, culminando numa luta em câmara lenta dentro de um trem. A cena final é ótima. Em suma, com ressalva para as cenas eróticas e certas pontas soltas, é uma película que acaba sendo interessante.
No bônus que acompanha, Penélope Cruz e Salma Hayek revelam que tinham a intenção de filmar juntas e levaram a ideia ao produtor Luc Besson, que é também o co-roteirista.
Ah, sim: depois que abandonam as pesadas roupas femininas do século 19 por calças compridas de pistoleiras, as duas protagonistas ficam ótimas para a trama.

Rio de Janeiro, 18 a 20 de setembro de 2019.

 
Miguel Carqueija
Enviado por Miguel Carqueija em 08/10/2019
Código do texto: T6764292
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Carqueija
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 71 anos
2973 textos (184823 leituras)
56 e-livros (5030 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/19 06:21)
Miguel Carqueija