Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Beowulf X Leonidas - Quem berra mais?

Depois ficam perguntando por que costumo passar longe de certas superproduções hollywoodianas de sucesso. Como se não bastasse a modinha "pós-senhor dos anéis e gladiador" de reproduzir infinitamente os mesmos dilemas, personagens, seqüências, situações, adicionando técnicas pseudo-inovadoras para criar uma impressão de upgrade de um mesmo filme que, pelo sucesso original, merece ser repetido "ad eternum" em novas versões à públicos indiferentes ao fenômeno, compulsivos, ávidos em "sentir aquilo de novo", reviver a batalha dos campos de Pellenor quantas vezes for imaginável, em formas, ângulos, "épocas" diferentes, desde que evoquem o mesmo conjunto mítico de espadas, flechas, guerreiros sarados e destemidos, mulheres exuberantes e muito sangue, não bastassem estas reproduções preguiçosas e vazias que mais parecem videogames onde nossos sensos cognitivos internos estão sendo "jogados" pelos personagens da tela, a "sétima arte hollywoodiana" deseja ir além, e de modo mais bizonho. Vem aí a nova versão "Gladiador-Senhor dos Anéis-Tróia-Alexandre-Cruzada-300" do mercado.

O nome é Beowulf, e pouco importa em que lenda ou mito nórdico, grego ou germânico esse filme se baseie. O mito do enredo é irrelevante quando a questão maior está em rebatizá-lo para novos padrões high tech, corporocratas, republicanos, repetiticionistas, insosos de frases prontas e personagens unidimensionais que sonham em tornar a complexidade daquilo que um dia chamamos de mundo real tão simples, manipulável e desprovida de "periféricos complicados, insolúveis e indecifráveis" quanto um The Sims II ou Ultima Online (na verdade, bem pior). Antes de criticar este filme como obra, até porque por mais que um filme pareça horroroso, é sempre injusto criticá-lo antes de assistí-lo, prefiro me ater no produto, àquilo que as redes de associações evocadas pelos trailers me suscitam. Ora essa! Mesmo o espectador mais "blockbusterizado" da existência não consegue evitar uma pontinha de riso ao ouvir o protagonista Beowulf mimetizando o Role Model "herói macho" da moda estadunidense em seus berros "pit bichais". Aguentar os ataques histéricos de Leônidas em 300 já "dava no saco". Encarar um clone daquele troço é o fim do mundo! De que adianta pesquisarem um calhamaço de referências mitológicas, históricas, indumentária, arquitetura, costumes, se, no fim, tudo se reduz a um "This is Sparta"? E não é só! O filme faz claras alusões a personagens e situações de "Senhor dos Anéis" e seus filhos bastardos, trazendo de volta a "sempre igual" Angelina Jolie, mulher fatal de uma cara só, de um personagem só, de uma boca só (salvo raras exceções, e esta provavelmente não é uma delas). A mensagem subliminar "não tão subliminar" do produto é clara: "Se você gosta deste joguinho conhecido, compre a versão 2008! Tem Leônidas e Angelina com novas habilidades, "skins", apetrechos e opções, tem versão aprimorada do Gollum e outros monstrinhos digitais, animação computadorizada, guerra na chuva em câmera lenta com flechas voando, grandes exércitos, brados épicos despropozitados e tudo aquilo que você aprendeu a curtir repetidamente. Pelos trailers, Beowulf mais parece um FIFA 2008 dos épicos, ou pior, um joguinho concorrente tentando imitar a imitação que a "bola da vez" anterior fez da "bola da vez" anterior. Chega desses épicos high tech de fachada! Outro Leônidas já é sacanagem!!!

De positivo... certos nomes do elenco, talvez chamados para conceder auras de legitimidade, qualidade e talento a algo tão descaradamente imitativo. John Malcovich, Anthony Hopkins e o diretor Robert Zemeckis têm um currículo invejável nas costas, mas também tinham Ridley Scott e Oliver Stone antes de Cruzada e Alexandre (tudo bem que com alguns tropeços pelo caminho). Não lembro de um longa de Zemeckis que tenha me desagradado. Curti Náufrago, Forrest Gump, a franquia "De Volta Para o Futuro" e outros filmes do sujeito. Seria esse o primeiro abacaxi em que ele resolveu se meter? Bom... esperemos para ver!

E se você acha que não gostei de Senhor dos Anéis, enganou-se, pois, apesar de visivelmente comercial e hollywoodianamente engajado, este filme funcionou mais como um referencial de modismos do que como um seguidor decerebrado, como foram seus filhos bastardos Tróia, Alexandre, Cruzada, 300 (derivado da obra de Frank miller), e, muito provavelmente, Beowulf. "Lord of the Rings" pode ter lá seus defeitos, mas dá chocolate em todos estes filmes juntos.


(Luiz Mendes Junior também escreve no blog http://www.noticiasdofront3.blogspot.com e no site http://www.dominiocultural.com)
Luiz Mendes Junior
Enviado por Luiz Mendes Junior em 01/12/2007
Reeditado em 23/02/2008
Código do texto: T760144

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luiz Mendes Junior
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
19 textos (6749 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 09:37)
Luiz Mendes Junior