Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UMA HISTÓRIA DA LEITURA – Alberto Manguel - comentário de J B Pereira - Interessante leitura!

Recomendo:
- Os leitores silenciosos;
- O Livro da Memória;
- O aprendizado da leitura;
- Leitura intramundo;
- roubo de livros;
- O autor como escritor;
-O louco dos livros;

O livro é divido em Atos de leitura e Os poderes do Leitor.

As várias interleituras e provocações sutis e explícitas dão ao leitor uma sensação de curiosidade constante. O universo da leitura instiga ao leitor para entender-se e apreender pouco a pouco o espírito que habita os livros e seduzem os seres humanos.
A história da leitura é retrospectiva e perspectiva. Retro por tentativa de sondagem das bases da leitura e da aprendizagem e a formatação de livros e códigos de leituras desde a antiguidade.
Perspectiva se dá na recepção do leitor à medida que apropria a leitura do mundo para a leitura de si.
Interpretar e recepcionar a leitura se complementam a favor da vida e da cultura quando o leitor é um bom e eficiente leitor rumo ao ser escritor. Ambos existem na mesma pessoa desde que fatores agregam na formação de gente que gosta do ler e escrever. Não meros copistas e nem caligrafistas.

A primeira leitura que me desafiou foi Os leitores silenciosos. O título e me vi nele. Outro o título do roubo, outro ainda a memória...
o interesse me ousou ao cenário imaginativo dos leitores e escritores ou seus servos do passado ou cortes para leitura de textos e poemas em voz alta.
Ah! Os rolos antigos em voz alta e em silencio. Roma, Alexandria e outros lugares dilataram as leituras e confecções de rolos e depois o livro com Gutemberg no século XV.
As grande bibliotecas - isso é incrível: paris, Ambrosiana de Milão, Pérgamo, Atenas, etc. Aí estava os registros em papiros e outros meios como tabuinhas de argilas.
"Tolle, lege" = "Pega e Lê", aparecem em Confissões de Agostinho como um climatério de espiritualização da leitura sagrada.
Mihnah ou inquisição islâmica, depois outras tantas da idade média e a nazista, ainda hoje: queima-se livros como perversos cuidados contra a inteligência dos caudílhos e intelectuais contra sistemas fanáticos. Isso implica queimar homens e mulheres. Que pena!
A dinâmica de ler varia de cultura e modos de ler de cada uma delas.
Chines, japonês, judeu, etc. Ocidentalmente, errática, 200 a. C., Bizância já desenvolvia outros eruditos em Alexandria na leitura de Aristófanes. Depois vieram Cícero e Agostinho; Sérvio do séc. IV contra Donato no modo de ler Eneida de Virgílio; o códice foi invenção não cristã, Paulo de Tarso seguiu o método de dobrar os códices em rolos como o costume antigo para viagens - o que era prático. Idem Jerônimo.
A fama de leitura individual como perigo para as autoridades advém de autonomia do leitor e seu esconderijo. Agostinho, Jerônimo, místicos, heresiarcas, heréticos, Lutero, Pascal etc. são as testemunhas da força mobilizadora da alma vinda de livros.
As instituições religiosas fizeram listas de livros proibidos desde o século VII contra muçulmanos, judeus, pagãos, maniqueus, nestorianos, eutiquianos, apolinarienses, montanistas, ortodoxos dissidentes, luteranos, calvinistas, etc.

Hoje a Igreja Católica com o Papa Franciscos e outros papas depois de João XXIII faz a diferença porque está mais próxima do povo de Deus e há incentivos à leitura da Bíblia e dos trabalhos pastorais com comunidades e a busca do diálogo inter-religioso e ecumênico. A Igreja precisou de 5 séculos para mudar de visão e hoje é mais humana e ética. Ainda há muito porque se fazer como vencer a pedofilia e outros erros históricos. Contudo, os papas e alguns bispos e padres e diáconos e leigos engajados estão vivendo o Evangelho em suas comunidades e abrindo ao mundo das ciências e por uma tecnologia mais próxima ao povo e uma crítica ao mundo político mais firme e ética.
Domina ainda ideologias de racismos e intolerância de gênero e de religião, perseguição e morte no mundo - por causa da incapacidade de dialogiar e de nos aceitarmos como irmãos e pertencentes à mesma humanidade - independente de cor, etnia, credo etc.

J B Pereira e org/book/baixar-livro-uma-historia-da-leitura-alberto-manguel-em-pdf-epub-e-mobi-ou-ler-online/
Enviado por J B Pereira em 30/11/2017
Reeditado em 09/12/2017
Código do texto: T6186474
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
J B Pereira
Piracicaba - São Paulo - Brasil
1470 textos (721001 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/17 07:13)