Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
EM UMA 'ESTRELA QUE O VENTO SOPROU'  
Com o amigo 
Adalberto Antonio de Lima

Por Solange Gomes


A imagem pode conter: Solange Gomes Gomes
 
Como criação das faces vividas de cada personagem “Estrela que o vento soprou,” descreve um passado que tangencia a fronteira tênue entre realidade e ficção, morte e vida acerca das possibilidades e impossibilidades. É sem submeter aos significados manifestos entre o Amor e a Felicidade que a dor e a subjetividade definem nas imagens contadas em diálogos por seus personagens, que trazem na alma o espetáculo do tempo e do mundo: um espetáculo de vida guardado nas faces de seus personagens. Enfim, a felicidade, a beleza, as turbulências, as criaturas, o sagrado e o profano, a angústia e a tristeza são menções iniciais que nos dão um perfil que, ao longo das narrativas, vão se trançando num sentido homogêneo da leitura. A integridade da obra está na veracidade das palavras, na transparência das atitudes, no compromisso com a verdade e nas reflexões fundamentadas, em que a força transformadora dessa está na lateralidade da vida como conjugação mirabolante de mundos possíveis. 
A fortuna da riqueza em suas poesias, poemas, e contos, só favorecem para que, o meu conhecimento linguístico diacrônico, ao propor uma visão, que estuda, não as relações entre os termos coexistentes de um estado da língua, mas entre os termos sucessivos que se forma, sendo substituído uns aos outros, ao longo do tempo do seu desempenho e do aperfeiçoamento nas suas criações literárias e poéticas. Eis, aqui a linguística evoluída, tendo como alicerce e viés da leitura, a história dos termos empregados pelo autor: “Os gêneros literários não morrem,” Ao longo do tempo e da história passaram por controvérsias, que foi difícil um consenso no que tange a uma classificação mais flexível, capaz de abranger a Agnemicidade do que leio nessa construção de almas. Até o cruzamento literário faz parte de sua criação de escritor. A construção das identidades e as representações de mundo são retratadas com um olhar sistêmico—funcional. Com uma magnífica literatura de raiz, através da sua composição lírica, usa e abusa das metáforas, das frases diretas e comparações. A obra estrutura-se tendo em vista a teorização, aplicação e encontro de alternativas aos problemas suscitados pela análise dos fenômenos de linguagem em torno das intenções (individuais e coletivas) comunicativas na conversação do dia-a-dia; chistes, sonhos, controvérsias, das metáforas, da arte, da cultura regional, bem como discutem modelos de interpretação e compreensão em diferentes campos de ideias, questões teóricas e práticas que, contemplamos e observamos nas dimensões sintática, semântica e retórica da linguagem, que o escritor de diversos gêneros literários, utiliza com perfeição em suas construções. Sua ideologia como função estética é implícita. A construção morfossintática, que relaciona ideologia de um tempo passado com a arte aplicada, cumpre uma função estética no seu texto literário de coesão e coerência, estruturando-se como uma realidade formal e prendendo a atenção do leitor, até o término da narrativa; o componente semiótico na discussão social e familiar, busca em sua estrutura a presença de um discurso ideológico subjacente: o protesto da mãe quanto ao registro do filho com o nome Gagarin: ‘Não quero mais um ateu dentro de casa!’, revelando-nos o próprio discurso literário ao sopesar os modos, os focos narrativos do ideal de fé. Se é verdade que aí podemos descortinar o reflexo do real, através da duplicação de desejos, costumes, também nos é facultado apontar o fio condutor da narrativa, como estrutura: o que é — quando pode ser; localizado num bloco que se isola de ensejos financeiros e nos permite , como leitores, apreciar, avaliar e aplaudir uma construção semântica no seu romance. Suas palavras têm uma forte ligação, observando a composição poética "Anjo Negro", com a classificação dos estilos e dos gêneros da retórica (ou eloquência), que percebo e avalio na distribuição das palavras no texto. Adalberto Lima tem um estilo próprio, na sua forma humorística e ao mesmo tempo séria de descrever suas histórias. Com uma linguagem 'trivial' ele vai prendendo a atenção do leitor do inicio ao fim. E, é esse o principal papel de um escritor: despertar no leitor a curiosidade do final da história. Os pensamentos diversos, em sua maior parte, espelham momentos de sabedoria, entusiasmo, fé, esperança e grande olhar para um futuro, refletindo circunstâncias marcadas de paixão, amor, decepção, encontros e desencontros. Os textos simbolizam um pouco da vida de cada um de nós; a maneira peculiar de recriar a vida e o universo humano, conforme a própria realidade vivida pelos seus personagens são inquietudes e sonhos que compõem os tantos mistérios da vida real. A teoria do guarda-chuva aplicada, expressa a insegurança e o medo que o poeta sente, seja de ordem biológica ou criada socialmente, em não atingir a total aceitação do leitor à sua obra. Todavia, encontro na recepção do texto "ecos" na filosofia da lógica, na filosofia da linguagem e na interrogação que fica sobre o uso do ‘guarda-chuva’, que se aproxima de uma ideia de ficção e de artifício, confortável com a imaginação conceitual do poeta. Mas, que em nosso delírio de leitor, o guarda-chuva é peça fundamental. Não há meteorologia que nos permita sair e nem tirar férias da chuva, muito menos de nossos guarda-chuvas. Um guarda-chuva de regras a prevenir a presença marcante da Estrela e do Poeta, onde não existe regra a precipitação nos atinge. Percebo nesta obra a presença da linguagem em diversos níveis semânticos, sintáticos, morfológicos, lexicais e até mesmo, por que não, pragmático. Este último, minha espinha dorsal na linguística. Enfim, um escritor que vira com facilidade as páginas de sua criação e, que se adapta às várias formas de estilos para escrever suas ideias, inconstantes, volúvel, práticas e muitas vezes, humorísticas tem a qualidade variada e numerosa em sua atividade humana, com o conjunto de suas ideias e ideais comuns, executando com praticidade, simplicidade, e beleza seu ACERVO CLTURAL!!!

Solange Gomes Fonseca.
Formação Acadêmica em Letras Português/Literatura,
e Psicologia do Comportamento Humano (na linha de Skinner).

 
Solange Gomes
Enviado por Adalberto Lima em 14/05/2018
Código do texto: T6336579
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Adalberto Lima
Montes Claros - Minas Gerais - Brasil, 66 anos
3415 textos (398857 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/18 20:09)
Adalberto Lima