Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A menina que roubava livros - 2006 - Markus Zusak

A menina que roubava livros – Markus Susak

A morte narra, a gente lê. O narrador não é onisciente, mas é bem mais capaz que nós. Ele é a Morte. Sim essa que nos leva ou retira de nossos corpos. Agradável ler o que ela nos entrega, o que escolhe ser o importante. Essa história da menina... essa história!

Estamos fartos, exaustos e lotados até a última potência de nossos seres de retratos da Segunda Guerra. Há filmes, livros, documentários, revistas e demais publicações sobre o assunto e ele nunca se esgota, sempre se transborda. Não pela falta de assunto, mas por nossa óbvia canseira. Estamos cansados de ler, ouvir e saber de relatos, principalmente da Segunda Guerra.

Mas espere aí. É a Morte quem narra, a menina é abandonada pela mãe comunista, e o irmão morre em seus braços, isso para começar o livro. Enfim, sabemos que o livro não vai ser alegre. Lógico e é permeado por reflexões da própria ceifadora.

O livro é, no final, sobre a inocência humana, profunda na criança, superficial no adulto. Seja na hora de aprender a ler, seja na hora de ensinar, seja na hora de ter esperanças contra todas as possibilidades e seja na hora de tentar viver no meio do nada, do caos.

A ladra de livros se movia, entre um furto e outro, com o peso nas costas. Um peso muito grande, muitas coisas, muitos sofrimentos, e nada melhor que a inocência para livrá-la de definhar, de desistir de lutar, ela tinha uma razão. As palavras.

Inocência e as palavras, é tudo o que o livro é. Seja na presença delas, seja na falta. Vezes faltam palavras para se dizer o que se quer, vezes se diz demais. Vezes falta maturidade para não ser quem se é, e vezes sobra inocência para ser somente quem se é. Se isso foi compreendido, o livro é delicioso. Triste, mas delicioso, diria deliciosamente triste.

Somos eu e você ali no livro. No virar das páginas, uma carta de amor que você escreveu, que foi lida no silencio da solidão do outro. Uma vontade agarrada e jogada fora por falta de coragem. Pequenas ações, pequenas verdades que vão para o túmulo com a gente, esses momentos de puro humanismo... são os que importam, são os mais miúdos de todos. E o livro é permeado deles.

Ajuda muito a fluidez da escrita, a intermitência do tamanho das frases e parágrafos nos dá o ritmo que devemos ler e compreender o que está sendo dito. Uma frase simples para dizer algo simples. Uma explicação para algo que é simples por fora, mas complexo internamente. A Morte escolhe o que relatar e como, de seu ponto de vista, de seu olhar sobre aquela coisa toda, os seres humanos a tocam, ela toca os seres humanos, quando ela os toca, eles já não são mais seres e enquanto os seres são, ela não os consegue tocar.

Ela é simpática, guardou o livro da ladra e contou a história dela, não a história inteira, mas o pedaço crucial, o momento de maior dificuldade. Aprender a ler em meio a Guerra, guardar segredos perigosíssimos, conviver com pessoas tão díspares, roubar livros, a pequena Liesel é digna de nota, e a Morte sabia disso.

A vida é miserável, o clima é variado, as adversidades imensas, mas aquelas pessoas conseguem continuar vivendo, convivendo e sobrevivendo. São três coisas distintas, muito bem descritas ao longo da história.

Sobreviver. Tempos difíceis, judeus são escorraçados e o nível de vida cai muito, detalhe para que na rua Himmel o nível já não era bom antes. A comida era racionada, e cada um passava o tempo da melhor maneira possível, inclusive para disfarçar a fome. Alguns enrolavam cigarros, outros davam safanões em todos que viam, outros roubavam coisas.

Conviver. Ações e reações. Muitas das vezes são elas que nos enaltecem, muitas outras são elas que nos derrubam, dão-nos rasteiras e, além disso, temos que continuar a conviver com elas e com o mundo, e isso se torna principalmente difícil no ambiente proposto pela história.

Viver. Essa sim a mais difícil e complicada de todas. Nos breves momentos em que as pessoas conseguiam esquecer o que os rodeavam e quem as rodeava, em um momento elas conseguiam viver, seja tocando um acordeão, seja escrevendo páginas de presente a outrem, seja estimando a vida de outra, seja roubando livros. Essas pequenas coisinhas nos levam de um dia a outro.

O livro não nos faz apreciar mais àquelas pessoas por estarem na situação que estão. Cada situação é única e as pessoas se viram como podem para poder sobre e conviver, buscando os momentos da vida. Mas sim nos faz ver como cada universo humano, cada pessoinha, é um turbilhão de vetores de todas as naturezas e muitas vezes fazemos coisas, vivemos coisas, que são demais para nós mesmos, às vezes.

Mesclando formas de narrativa diversas, inserindo histórias na história, elementos figurativos e demais variáveis, nos dá uma visão toda particular da mutiplicidade de formas a que se pode expressar o que se quer dizer e se uma história dentro da história seria um elemento plausível ao longo da narrativa ela é usada para passar a mensagem desejada pela própria história inteira.

A certa altura a Morte, sim ela mesma, diz o seguinte “Os seres humanos me assombram”. Se a Morte diz isso, é porque a coisa realmente é mais estranha que parece. Geralmente a morte nos assombra de modo bizarro, e praticamente tudo que fazemos, fazemos para escapar da morte, mas como visto, como lido, a morte nunca nos escapa ela sempre vai nos encarar face a face e sempre perdemos, essa é a graça da vida e a desgraça dela mesma. Praticamente tudo não tem sentido, já que morremos. E por morrermos tudo têm que ter um sentido, afinal somos humanos, meros humanos tentando passar de um dia a outro da melhor maneira possível. Mas no fim, quer ver a morte? “Olhe no espelho”.


leandroDiniz
Enviado por leandroDiniz em 05/09/2007
Reeditado em 27/06/2008
Código do texto: T639439

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
leandroDiniz
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 35 anos
260 textos (275565 leituras)
3 e-livros (432 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/17 08:22)
leandroDiniz