Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A NOVA UTOPIA

RESENHA DA OBRA

A NOVA UTOPIA, de Jerome K. Jerome

Por Ana Paula de Oliveira Gomes
Fortaleza/CE
@engenhodeletras

A NOVA UTOPIA, do escritor e humorista inglês Jerome K. Jerome, foi lançada em 1891 (mesmo ano da primeira Constituição republicana brasileira). Jerome, metaforicamente, retrata as antíteses dos defensores do suposto coletivismo, suas suas falácias e absurdos.

O autor demonstra que, sob o mantra da igualdade (que nem formal chega a ser), aniquilam a liberdade humana, consecutivamente, a dignidade do ator social. Quaisquer regimes totalitários, de esquerda ou de direita, ilustram historicamente o fenômeno. A obra de Jerome nunca foi tão atual e necessária.

O livro expressa criação ficcional. Representa uma sociedade construída para determinar o paraíso na Terra: sistema “perfeito” via hipertrofia estatal considerada ideal, “defensora” da máxima felicidade e da total concórdia entre os apáticos sujeitos.

Em vinte sete (27) lúcidas páginas, a literatura distópica de Jerome, evidencia o paradoxo entre teoria e prática, sobretudo, o exercício do poder ditatorial mediante domínio ilimitado do grupo social – tratado como mero agrupamento humano, tratado como criatura a lembrar (vagamente) o humano.

O autor contesta a doutrinação-delegação da própria vida ao Estado. Refuta  mensuração humana por curta régua. A partir do sentido próprio das colocações, abre portas a figurações. Clama ao leitor para pensar com a própria cabeça e escapar do efeito-rebanho. Será se a maioria não pode fazer errado? Visionariamente, anteviu os horrores a serem cometidos por quaisquer defensores de regimes totalitários.

Trata-se de livro comprometido com o ideal libertário. Sim, a minoria pode e deve participar dos processos deliberativos com vez e voz! Eis a leitura tecida do conjunto da obra: igualdade de oportunidades no ponto de partida, cabendo o ponto de chegada ao livre arbítrio do ser pensante.

Finalmente, é preciso estar atento (a) ao sofismático discurso de que o Estado faz melhor. Legitimar hipertrofia estatal significa olvidar o protagonismo histórico do sujeito. Nas palavras do próprio Jerome, p.27:

"Através da janela aberta, ouço a pressa e rugido da batalha da vida. Homens estão lutando, lutando, conquistando cada um sua própria vida com a espada da força de vontade. Os homens estão rindo, sofrendo, amando, fazendo coisas erradas, fazendos grandes obras - caindo, lutando, ajudando uns aos outros - vivendo!"

Professora Ana Paula
Enviado por Professora Ana Paula em 23/02/2021
Código do texto: T7191260
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Professora Ana Paula
Fortaleza - Ceará - Brasil, 48 anos
632 textos (13671 leituras)
38 áudios (1258 audições)
3 e-livros (210 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/02/21 04:32)
Professora Ana Paula