Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
                              
                                    A cor da ternura 
                                
(memórias - Geni Guimarães)
 
 
        No Dicionário Aurélio Júnior, temos: 
        "Romance – Descrição longa das ações e sentimentos de personagens fictícios, numa transposição da vida para um plano artístico."
(pág. 773) 
       "Novela – Narração, usualmente curta, ordenada e completa, de fatos humanos fictícios, mas, em regra, verossímeis." (pág. 618) 
       Observação nossa: o livro conta a vida da personagem, da infância à juventude – romance, portanto; todavia, fá-lo sem aprofundamentos psicológicos ou longas descrições – logo, novela. 
       Entendemo-lo como uma novela. 
 
       Por quê? 
       Porque a autora sintetizou fatos e situações, expondo apenas a sua essência, destacando os pontos altos da narrativa. Chamamos a isso resumo, síntese, brevidade, sinopse, sumário, concisão (graças à precisão seletiva das palavras). 
      Toda abordagem crítica, da exegese solene à mais humilde resenha, parte de reflexões e, se boa tal abordagem, nelas se perde: é o seu melhor, mais legítimo e superior destino.
      Narrado em primeira pessoa, em linguagem despretensiosa, focando cenas cotidianas de um ambiente rural, o livro encanta pelas passagens que conduzem uma criança negra da inocência infantil ao entendimento juvenil. Seu amadurecimento, experiência, surpresas, suas enfim conclusões sobre as pessoas e o mundo ocorrem de maneira delicada, porém constante e contundente. Expõem inequivocamente a discriminação explícita, o preconceito velado, as ilusões da menininha e os sonhos da mocinha. Sonhos simples e que, afinal, se realizam. 
     Destaque para a impressão de que estamos vivendo sua vida, e não apenas lendo sobre ela – tal a naturalidade do estilo e a construção pé-no-chão dos personagens. 
    A narrativa reflete uma ambiente religioso, notadamente católico: "Foi por isso que me botaram uma correntinha com um crucifixo no pescoço, aconselhado pelo padre da igrejinha local." (35) 
    A linguagem, posto que comum, coloquial, possui requintes de poesia e sensibilidade artística óbvios, como à página 60, após o elogio da professora e do diretor à sua poesia: "Fui para casa feliz. Sabiás empoleirados na cabeça da alma." 
    Ou à página 67, após manifestação velada de preconceito coletivo, em sala de aula: "Que se enxugasse o fino rio a correr mansamente. Mas como estancá-lo lá dentro, onde a ferida aberta era um silêncio todo meu, dor sem parceria?' 
    Ou ainda, à página 69, evocando a mãe: "Eu ouvia sua voz distante, bravadoce. Bálsamo." 
     ...Achamo-nos então na cândida encruzilhada "Macados me mordam!" e "Raios me partam!", ao concluirmos a leitura.  O veículo: espanto.  O livro é a história de todas as infâncias. 
     Impressionam a comunicação tão fácil, a singeleza de uma criança se narrando ao narrar fatos de sua modesta, rica, humilde, esplendorosa (porque ímpar) vida. 
     Impressionam ainda a excelência de seus dez capítulos, a leveza de veludo do estilo e o efeito catalisador do conjunto. 
     Novela ou poema em prosa? --- Ambos.  Por que não? 
     Com competência e sensibilidade, a narradora-protagonista nos conduz a recantos secretos e repletos de emoções, através de reflexões líricas e delicadas evocações. 
     Expressando-nos mais objetivamente, verificamos que o enredo se passa num ambiente rural, de plantações e lavouras, onde vivem a jovem e seus familiares.  Seu pai e irmãos trabalham na roça, sem muita clareza se são colonos ou proprietários.  A pacatez da trama, sem grandes complicações ou maior complexidade, demonstra tratar-se de uma história destinada ao público infanto-juvenil.  O que não significa ausência de densidade dramática. 
   Poderíamos aqui reproduzir "verdades vazias e perfeitas" (verso pessoano), como: 
             
"um permanente nó na garganta" 
              "história levíssima" 
              "flores de perpétua emoção" 
              "reminiscências inolvidáveis" 
              "vales floridos da adolescência" 

 
e outras tolices, mas humildemente ficamos com João Ribeiro e Rainer Maria Rilke; do primeiro, indicamos um artigo das "Páginas de Estética": 'Acerca da difícil simplicidade' e, do segundo, rememoramos versos das "Elegias de Duíno", que falam em sentimentos de "uma ternura imensa" diante das coisas "para sempre felizes" --- como livros bem escritos, primaveras, estrelas, anjos e Deus. 
       Impressão gráfica nítida e letras grandes. 
       Horrível a capa, ou melhor, o rosto da menina.  Negro é lindo, e não esse esboço disforme.  Choca.  Só o rosto, porém. 
       Pareceram-nos as gravuras bem abaixo da qualidade do texto.  Aconselhamos portanto à novelista que convide outro ilustrador, ou exija o melhor da atual --- tal como ela mesma se exige. 

                                            
***  ***
 
       
Geni nasceu em 1947, numa fazenda, em São Manuel, interior paulista.  Ainda infante, mudou-se para outra fazenda, em Barra Bonita, onde ainda mora e leciona. 
       Na adolescência, colaborou em jornais locais, publicando poesias, crônicas e contos. 


            Obras: 
     
"Terceiro filho" (poemas) - 1979 
     "Da flor o afeto" (poemas) - 1981 
     "Leite do peito" (contos)
     "A cor da ternura" (novela) - 1998. 


     Já participou de várias antologias poéticas. 
     Recebeu o Prêmio Jabuti (Autor-revelação), em 1990, e uma Menção Especial da UBE/RJ, em 1991. 

 
                                      
***   ***
  
  
Sobre a ilustradora Saritah Barboza, em suas próprias palavras: "Venho de uma família de músicos, e meu pai é também artista plástico. Já participei de mais de dez exposições de arte. Acabei finalmente chegando até "A cor da ternura", que me traduz com a simplicidade e a negritude mais plenas." 
 
 
          Referências Livrográficas:

A cor da ternura, de Geni Guimarães. 96 pp.
12ª edição.  Editora FTD, SP, 1998. 
 
Leite do Peito (contos), de Geni Guimarães. 
104 pp. 3ª ed. Ilustrações e Projeto Gráfico
de Regina Miranda. Mazza Edições, Belo
Horizonte, MG, 2001.
 
Dicionário Aurélio Júnior

 
 
Referências Webgráficas: (1)

A cor da ousadia - ET205 Notícias   

(Jornal ET205)
 
http://www.palmares.gov.br/005/00502001.jsp?ttCD_CHAVE=710&btImprimir=SIM

(Perfil e obras de vários escritores negros da Literatura Brasileira)
 
www.letras.ufmg.br/literafro/

(UFMG – Literatura Afro-Brasileira)
 
http://www.ceao.ufba.br/livrosevideos/pdf/literatura%20afrobrasileira_cV.pdf   

(“Literatura Infanto-Juvenil com Personagens Negros no Brasil”, de Ione da Silva Jovino
 
http://www.palmares.gov.br/005/00502001.jsp?ttCD_CHAVE=710&btImprimir=SIM

(Perfil e obras de vários escritores negros da Literatura Brasileira)
  
 
                   Notas:
1 –
"Referências Webgráficas": termo adotado no ensaio de Maria Aparecida Salgueiro (UERJ – CNPq): “Diálogos com a Cultura Afro-Brasileira”. 
2  Escrito em 18/12/2007. 
      Modificado 22 vezes, até 14/11/2012.
     


 
Enviado por Jô do Recanto das Letras em 24/01/2008
Reeditado em 14/11/2012
Código do texto: T831536
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jô do Recanto das Letras
Cabo Frio - Rio de Janeiro - Brasil, 71 anos
556 textos (2051628 leituras)
133 e-livros (76086 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/18 03:25)
Jô do Recanto das Letras