Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AUTÓPSIA

Quando tu achares que eu tenha morrido,
que meu peito é morada do silêncio,
a pena reste seca sobre o estêncil
e que tenha, por certo, desta ido...

Tolice que acorras aos comprimidos.
Lágrimas... rega vã para esse incêndio!
Para dar propósito a tal dispêndio:
-Beth! Grites, exortando teus sentidos.

É a única autópsia em que confio.
Que ela se achegue feito calafrio
e roce sua pele no meu tédio.

Se, súbito, notares algo vivo.
No que em outrora tombara passivo...
Salve-me! Pois, é ela meu remédio!

Fonseca da Rocha
Enviado por Fonseca da Rocha em 16/05/2018
Reeditado em 19/05/2018
Código do texto: T6337821
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fonseca da Rocha
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
54 textos (2603 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/05/18 08:25)
Fonseca da Rocha