Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CURIOSIDADES SOBRE CLONIX>>>>>>>>>(RETIRADO DE INTERNET)



SOU UMA PESSOA CURIOSA POR NATUREZA(CULPA DO MEU  PAI E DE MINHA AVÓ QUE VIVIAM A INCENTIVAR À PESQUISA QUANDO EUERA MENINA).
HOJE me DEPAREI COM UM TERMO QUE DESCONHECIA _ CLONIX.

DE PRONTO PERCEBI O QUE ERA E ATÉ PARTICIPEI DE UMA COMPOSIÇÃO POÉTICA COM DOIS COLEGAS.

A CURIOSIDADE FEZ-ME IR ATRAS DE MAIS CONHECIMENTOS E O QUE AQUI PUBLICO SÃO PARTES DA MINHA PESQUISA COM A DEVIDA FONTE .

DESTINA-SE A CURIOSOS COM EU. BEIJOS DA DENISE

Poetrix é uma linguagem criada por Goulart Gomes, poeta baiano. Pode ser considerado um haicai moderno, porém com regras mais soltas que este. P. ex. O Poetrix possui regras que devem ser seguidas em sua criação, quais sejam: - deve ter, no máxino, trinta sílabas gramaticais. - deve ,sempre, ter, um título. De preferência não repetindo termos usados no corpo do texto. -deve versar sobre temas contemporâneos ou urbanos, sob uma ótica nova - deve conter figuras de linguagem como : metáforas,metonímias, prosopopéias, hipérboles, etc... - deve buscar a concisão e a facilidade de leitura, além da interação entre autor e leitor -neste tipo de poema são permitidos : clonix, duplix, triplix,multiplix, que são formas de parodiar e complementar o poema, sem caracterizar o plágio ou cópia.
http://jardimdepoesia.blogs.sapo.pt/arquivo/138182.html

Lunar (Poetrix)
Espelhando
luzes
lua se dissolve
na noite.
 
Como
um Sonrisal.

Ricardo Mainieri
 
Lunar (Clonix)
Efervescente
raios
lunares se dissipam
no ocaso.
 
Como
um Alka-Seltzer.

Andréa Motta
Posted by jardimdepoesia at maio 8, 2004 12:02 PM
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨


No Grupo Poetrix existem dois exercícios de Intertextualidade, chamados Cirandas e Clonix. Nas Cirandas, os autores enviam poetrix acerca de determinado tema previamente estabelecido. Os clonix são poetrix feitos a partir de um outro, já existente, de um outro autor, sempre havendo referência ao mesmo.
Um clonix, nunca pode vir desacompanhado do poetrix que o originou. Não precisa nem explicar o motivo. É só ler o belo exemplo da Eliana e Lilian e, como diz no Segundo Manifesto Poetrix: "Vamos privilegiar a inteligência do leitor! Que ele morda, mastigue, engula e faça a digestão. Que se vire!
"MÃE
a teu colo sempre volto
quando a tristeza me mima
(Eliana Mora)
MÃE
a teu colo sempre volto
quando há tristeza menina
(Lílian Maial)

http://www.casadobruxo.com.br/textos/plagio.htm
http://poetrix.vilabol.uol.com.br/dasflores.htm
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.phtml?cod=16421&cat=Artigos&vinda=S

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
   O plágio tem ganhado vários nomes que tentam disfarçar sua tipificação penal. Além dos já citados acima, temos o tal "clonix", que, como o nome sugere, é uma cópia de alguma outra obra literária.

http://www.poetisarevoltada.hpg.ig.com.br/diga_nao_ao_plagio.htm

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Toda vanguarda será retaguarda: se não podemos ser eternos, sejamos pós-modernos; se não somos pós-doutores, sejamos pós-autores. Todas as ideologias estão mortas, todos os sujeitos fora de lugar.
Viva o Minimalismo e vamos flanar! O poetrixta desfolha a bandeira: descerrar é melhor que dissertar.
Nada se cria, tudo se copia, concluíram Bakhtin e Chacrinha. Então, vamos hiper, intra e intertextualizar, sejamos dialéticos, digitais e dialógicos. Queremos a inter/ação, queremos o simulacro, a paródia, o pastiche, o duplix, o triplix, o multiplix, o grafitrix, o clonix, o concretrix! Viva a ciberpoesia!
Fazer poetrix não é fatiar uma frase em três partes. Viva a insubordinação gramatical, a desobediência civil! Abaixo as orações coordenadas e subordinadas!
Fora do título não há salvação.
Não mais que trinta sílabas para dizer o máximo.
E viva o canibal! Viva o caeté que comeu sardinha e viva o Cabral!
Vamos privilegiar a inteligência do leitor! Que ele morda, mastigue, engula e faça a digestão. Que se vire! Abaixo os derramamentos da poesia fast-food! Dizer muito, falando pouco. Concisão e coerência. Exploremos os significados polissêmicos das frases, a riqueza semântica das palavras, valorizemos as metáforas.
Queremos o salto
o susto
a semântica
a leveza
a rapidez
a exatidão
a visibilidade
a multiplicidade
a consistência
Queremos o Século XXI! Vamos acordar o Novo Milênio!
O poetrix é um projétil que se aloja na alma. O poetrix é um vírus em nossa memória discursiva. É a suprasíntese.
Viva Bakhtin, Kristeva
http://www.palavreiros.org/poetrix/poetrix.html
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Denise Severgnini
Enviado por Denise Severgnini em 25/12/2005
Código do texto: T90446


Comentários

Sobre a autora
Denise Severgnini
Novo Hamburgo - Rio Grande do Sul - Brasil, 62 anos
11345 textos (955064 leituras)
16 áudios (8943 audições)
311 e-livros (34611 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/04/21 12:21)
Denise Severgnini