Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Direito penal do inimigo e a realidade brasileira

        Em face da situação de desenfreada violência que assola o país, muitos têm desesperadamente buscado uma resposta no chamado “Direito Penal do Inimigo”, também conhecido como “Direito Penal de Terceira Velocidade”.
        A expressão “Direito Penal do Inimigo” foi utilizada pela primeira vez na década de oitenta pelo jurista alemão Günther Jakobs. No entanto, só a partir da década seguinte é que ocorreu o desenvolvimento teórico e filosófico do tema.
        Em 2001, com o ataque terrorista às torres gêmeas do Word Trade Center, em Nova York, o assunto ganhou mais destaque e força, sendo incorporado às mais diversas legislações, inclusive a brasileira.
Jakobs defendia sua tese que objetivava combater a macrocriminalidade, aquela desenvolvida por criminosos altamente danosos, o terrorismo e o crime organizado.
        Em 2003, Günther Jakobs defendeu um tratamento diferenciado para o delinquente-inimigo, devendo este perder a sua condição de cidadão. A proposta é dividir o direito penal em dois polos: o primeiro, direcionado ao cidadão, que é o delinquente comum, com direitos e garantias. O segundo, mais gravoso, destinado ao inimigo, que é aquele infrator reiterado e perigoso.
        A teoria do direito penal do inimigo vem se infiltrando cada vez mais na legislação penal e processual penal dos mais diversos países, inclusive na brasileira. Nos Estados Unidos, verificamos a prática do regime penal diferenciado com as prisões em Guantánamo.
        No Brasil, a influência do Direito Penal do Inimigo pode ser verificada em diversos crimes capitulados no Código Penal e em leis específicas e esparsas, tais como as leis de drogas, dos crimes ambientais, do abate de aeronaves, do crime organizado etc. No Código de Processo Penal, podemos citar como exemplo o Regime Penal Diferenciado (RDD), aplicado excepcionalmente na execução penal.
        A Constituição Federal de 1988 ao consagrar a dignidade da pessoa humana como fundamento do Estado Democrático de Direito, elegeu-a como paradigma. Portanto, qualquer norma dissonante com essa dignidade deve ser expurgada da ordem jurídica por flagrante inconstitucionalidade.

DJAHY LIMA
Enviado por DJAHY LIMA em 20/04/2018
Código do texto: T6314492
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
DJAHY LIMA
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 66 anos
88 textos (58457 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/07/18 23:14)
DJAHY LIMA