Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

QUANDO VAI PARAR A SANGRIA?


*Nadir Silveira Dias


Os juros nacionais foram reduzidos para cinco por cento ao ano (5%) na última reunião do Copom. Ao ano, por ano, num prazo de doze meses. No cartão de crédito de todos os brasileiros, no entanto, a taxa é de quinze, vírgula quarenta por cento ao mês (15,40%) ou quatrocentos e setenta e um, vírgula vinte e seis por cento ao ano (471,26%), conforme consta nas faturas desses mesmos cartões.

Alguém que não viva no Brasil e não sofra os efeitos desse realismo fantástico brasileiro certamente não acreditaria no que está lendo. E é exatamente isso que precisa acabar no Brasil ou isso acabará acabando com o Brasil. Ah! Mas como, dirão astutos ou incautos?

É muito simples. Basta que qualquer leitor aponte que atividade, em qualquer setor da economia, primário, secundário ou terciário, que renda lucro capaz de pagar um spread, ou essa diferença entre o que qualquer banco paga pelo seu dinheiro e o quanto ele cobra de nós quando ele empresta o nosso próprio dinheiro para outros de nós.

Sim, porque todos sabem ou devem saber que os bancos emprestam apenas dez por cento (10%) de capital próprio, do banco, pois os outros noventa por cento (90%) é dinheiro de correntistas, poupadores, investidores e tais. Ou, em outras palavras, pessoas que põem nos bancos o seu dinheiro e são remuneradas conforme os juros definidos pelo Copom, e menos ainda caso os recursos sejam de depósito compulsório, como é o caso do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço.

Isso, a meu ver, não é democracia. Bem ao contrário, é tirania. Sim, tirania com fundamento legal chancelada pelo dito Estado Soberano de Direito, que, de Direito não é, menos ainda Estado de Justiça, e que é, sim, um Estado Legal que permite essa perpetração de crimes contra a economia popular, contra o direito do consumidor de produtos financeiros que, aliás, se ampliaram exponencialmente a partir do momento que a lei permitiu que os bancos cobrassem por serviços.

Por serviços, mas que serviços, se o serviço da empresa de banco é exatamente esse que pratica para obter lucros com o dinheiro alheio? E diga-se, não de passagem, pois isso é muito antigo e precisa mudar. Com taxas covardes, escorchantes nas duas pontas do processo: Paga absolutamente muito menos e cobra mais, absolutamente muito mais.

Basta cotejar a taxa a auferir de qualquer dinheiro depositado, cinco por cento ao ano, mais ínfimas migalhas, com o que é pago em todas as demais operações de empréstimo em que bancos cobram pelo que emprestaram, perto de quinhentos por cento ao ano (500%), em quase todas as modalidades.

Caso isso não seja tirania, por favor, alguém diga o que é, justificadamente.

Essa sangria precisa acabar ou essa sangria vai acabar acabando com todos os brasileiros, acabando com o Brasil!


01.11.2019 – 22h06


* Jurista, Escritor e Jornalista

Nadir Silveira Dias
Enviado por Nadir Silveira Dias em 04/11/2019
Código do texto: T6787063
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nadir Silveira Dias
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
1081 textos (161676 leituras)
2 áudios (62 audições)
4 e-livros (387 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/11/19 13:24)
Nadir Silveira Dias