Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto



A Chalana

 

Ó Chalana silenciosa

Lá do Rio Paraguai,

Vai levando alguém chorosa

Ainda escuto seus ais.

 

Ó morena pantaneira

Dos lábios doces de mel

Me lembro da vez primeira

Que me levaste ao céu.

 

Com teu carinho e ternura

Conquistou meu coração

Hoje vivo a desventura

Da tristeza e solidão.   


Hull de La Fuente 

***
 

Recebi a interação do querido poeta Jacó Filho, que aqui publico.


Mesmo sem ter o porte,
Das antigas caravelas
A chalana teve sorte
Hoje é astro de novela.


(Uma alusão à novela "Pantanal", em reprise, no canal SBT).

Jacó Filho

***

 

Querido Vinicius. obrigada por sua presença aqui, você é sempre benvindo. 


"Na curva do Paraguai
armei meu posto de espera
só pra ver quem lá vai
passando que nem quimera."
 
Vinicius Lena

***


Minha querida poetisa maior, Celina Figueiredo, deixou aqui sua participação, que publico com amor.



Chalana segue ligeira
Levando sonhos e amores
Olhando as flores da beira
Para curar suas dores.

Celina Figueiredo

***

Minha amada poetisa e mestra, Helena Luna, cujo talento me deixa de queixo caído, embarcou também na doce chalana, leiam sua trova:



Nem sei se é feia ou bonita, 
essa chalana cantada, 
Mas meu coração se agita, 
ao pressentir-lhe a chegada.
 
HLuna

 
 



Obrigada por sua presença nesta viagem de chalana, poeta Silvanio. Abraços,



 
Bonitas eu sei que as chalanas são
Navegam pelos rios desbravam as águas
Mostram novos horizontes iluminados
As chalanas pelas águas calmas vão!

Silvanio Alves

***


A querida poetisa e contista Sonia Maria embarcou na chalana e segue viagem:


 
Eita chalana bonita 
Que desperta a emoção 
Na velha e na pequetita
Faz bater o coração!!

Sonia Maria Cidreira de Farias

***


Minha amada mana, Milla Pereira, embarcou cantando uma linda guarânia de sua autoria, vejam:



 
Lá vai minha saudade
No barquinho, vai!
Saindo da cidade
Levando os meus ais!

Ai,amor, meu bem querer
Não me deixe mais assim
Leva junto com você
O que restará de mim!

Sentindo a dor no peito
A distancia de nós dois
Eu sei... nao tem mais jeito
Essa paixão que se foi!

Mas pra sempre lembrarei
Dos teus beijos, meu amor
E comigo levarei
A saudade e a dor! 

Milla Pereira


Meu compadre Airam pegou a chalana lá no porto de Itanhem e vai viajar pelo Rio Paraguay.



 
Chalana do pantaná
Qui vai cortando as água,
Dentro ta quem num sôbi amá
Dexano pra mim só as mágua.

Airam Ribeiro
 
Hull de La Fuente
Enviado por Hull de La Fuente em 20/09/2008
Reeditado em 22/09/2008
Código do texto: T1188646
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre a autora
Hull de La Fuente
Brasília - Distrito Federal - Brasil
2889 textos (527521 leituras)
2 e-livros (205 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/05/21 01:11)
Hull de La Fuente