Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Comia o Americano...

E parecia a coisa mais natural. Em plena Praça Sete, o coração de Beagá, pelo menos naqueles meados dos anos setenta em que, chegando já moído ao fim da jornada, eu cometia essa ação tão ansiada...

E à vista de todo mundo, sem o menor pudor. Afinal, embora ainda aluno, era mais professor. E vinha de longe, de Contagem, mas ainda cheio de esperança e de coragem. Ou voragem?

E daquele mágico momento, que performava (pois é já importamos essa palavra, agora verbalizada), confesso até que nel mezzo del camin - agora sim, citando Dante - o antegozava. E ninguém, já me vendo em cena, reprovava quando, quiçá, não invejava.

Nosso ponto de encontro era o Ted's. O Ted's da Praça Sete, sempre depois das onze e acho que nunca após meia noite. Eu tinha um ônibus para pegar, pois do fusquinha já me havia desfeito.

E eu não variava, não tergiversava, enquanto no banquinho junto ao balcão me assentava. E era um Zezim, conterrâneo de Pitangui, que solícito me atendia. Sabia bem o que eu comia.

E o Americano colocava-se quase no topo da escala dos sanduíches, em preço e apreço. Fiel, leitor, crê, eu ainda nem sabia o que era um croc-monsieur...
Paulo Miranda
Enviado por Paulo Miranda em 07/12/2017
Código do texto: T6192272
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Miranda
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
17647 textos (305376 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/17 21:41)
Paulo Miranda