Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Meu castigo

Porquanto estiver ainda em meu peito
Esse amor não finda, esse amor que é tanto
No etanto vai perecer comigo.
É esse o meu castigo.
Jamais tê-la, Jamais perdê-la.
E tê-la para sempre. A todo momento em meu coração.
Em meu pensamento.
Quando nas madrugadas, em noites mal dormidas.
A sombra de tua lembrança invade meu subconciente.
E pela noite a fora, a saudades vai diluindo em meu coração.
O veneno da tristeza, com um místico de solidão.
Bebo desse cálice, que flui pela minha alma;
A lembrança eterna desse amor.
Seu amor querida, chuvas de saudades suas.
Lembrança que vagueia por cada poro do meu corpo.
Corpo já cansado, Mente sofrida, ser angustiado.
E assim vou pela penumbra da noite até o amanhecer.
Quando nasce a aurora e o sono se esvai.
Pela janela de meu quarto o sol a penetra
E assim fico na angustia da doce lembrança.
Aguarndando uma nova noite, e tudo recomeçar.



 


Pescador solitario
Enviado por Pescador solitario em 01/09/2007
Reeditado em 20/05/2009
Código do texto: T633951

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (antoniocarlosmcr@bol.com.br). Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pescador solitario
São Paulo - São Paulo - Brasil, 64 anos
13 textos (1359 leituras)
21 áudios (1330 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 15:46)
Pescador solitario