Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda


22/11/17 16:11 - NLC Poesias
DIAS DE POESIA

Trago na alma tempestade 
Já enfrentei a fúria dos ventos, 
A força de chuvas, os raios intensos, 
Já me molhei de verdade

Mas  trago comigo a certeza
Que ao nascer de um novo dia
A minha alma sentirá a beleza
De ser sol, ser nuvem, ser poesia...

NLC Poesias - Além das Siglas
22/11/17 15:57 - Rubens Jardim

TRILHA

A calma dele
versus
a minha obsessão.
A cama dele,
versos
da minha sala.
A mania dele de consumir o amor
como comida do natal que ainda passeia na geladeira em março
contra
consumado
o meu desejo de chupar paixão feito miojo,
sem nem louça pro dia seguinte.
Ele é noir,
eu sou Klimt.
Um dia a gente se encontra
num meio fio da vida, na Vila.
Ele de havaianas,
eu de alto coque.
Ele diz qualquer coisa sobre escolhas,
eu faço um roque,
e, devagarinho, o crédito sobe.


(poema de MARIA GIULIA PINHEIRO, autora do livro Da Poeta ao Inevitável (Ed. Patuá/13) e dramaturga dos espetáculos “Mais um Hamlet”, “Alteridade” e “Bruta Flor do Querer”, em que também assina a direção. É membro-fundadora do grupo teatral Companhia e Fúria, em que atua, dirige e escreve. Maria Giulia Pinheiro está na 101ª postagem de AS MULHERES POETAS...Se quiser ler mais, clique no link http://www.rubensjardim.com/blog.php?idb=52289
22/11/17 14:32 - Deusa Pandora
Abismo


Estava à beira do abismo
Minha vida era escura
Fiquei desesperada
Não sabia se me jogava
Que dor dilacerante! ...
22/11/17 14:13 - ROBERTO BARROS XXI
ROBERTO BARROS XXI
E-livros11/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Frases11/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Artigos > Literatura10/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Cotidiano10/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Fábulas06/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Fábulas06/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Cartas20/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Cotidiano13/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Amor06/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Amor06/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Causos05/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Causos05/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Fábulas05/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Surreais04/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Causos04/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Mistério04/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Fábulas03/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Causos03/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Fábulas03/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Biografias02/10/17
Boa tarde!

Convido a todas e todos para visitarem e colaborarem o com o Jornal Online: Diário recôndito e Posia. Teremos logo colunistas escrevendo, poesias, entre outros que já se encontram no site. Não percam a oportunidade de deixarem recado no Livro de Visita.

Atenciosamente,
Ricardo Oliveira

http://www.reconditoepoesia.prosaeverso.net/


 
22/11/17 13:55 - Cássio Cisco B A
Meu deus dos pescadores, um livro de inspiração cristã, para quem curte uma historia cheio de símbolos e fantasia, não deixando de ser realista, mostrando a vida dura de pescadores e suas familias para viver. Uma historia que te agradara pelo amor e a maneira que a historia se desenrolará, muitos mistérios a desvendar, para se perguntar. O que deus quer de nós?
22/11/17 12:58 - Saulo Nascimento
II - Pacífica
Eis o ponto, não a questão. O discurso é o fato de que para toda pergunta se tem na verdade como resultado o ponto.
Este de início mediou brevemente entre o anseio e uma possível culpa, acabando por estabelecer uma resultante que subsequente ao fato, nada mais é que a consequência causal da questão.
A resposta advém não do consequente, ou para prévio resultado da questão, a bem da verdade, não sei de onde vêm as respostas ou a razão delas, mas sei que são sempre do ponto, uma pacífica.
22/11/17 11:32 - Mariluz
A vida é tão doce,que mesmo sendo derramado sobre ela,tanto fel,pelas mazelas humanas,ela continua suave,porque é regada pelo espírito santo de seu criador:O meu Deus,o seu Deus, o Deus de cada criatura,que é o mesmo DEUS DE TODOS.
22/11/17 11:02 - TORRE FORTE
O NOSSO PRESIDENTE DISSE QUE A ESTIMATIVA DE VIDA DOS BRASILEIROS NESSE PAÍS CORRUPTO É DE 140 ANOS  ANOS NO ENTANTO EU ACRESCENTO SE NÃO HOUVESSE  CORRUPÇÃO  SERIAMOS IMORTAIS.
Gersonoiteilustrada




 
22/11/17 10:44 - José Eustáquio Ribeiro
CEBOLAS
 




pessoas usam
suas roupas
e dentro delas
guardam veladas
suas várias camadas
camadas camadas
camadas
camadas
cama
d
a
s
cama
das de esquemas
camas e escamas...
escondidas incômodas
formas e modas
escamadas

pessoas são várias
e nunca ficam
pe
l
a
d
as
nem são
es/can/di/das
sem serem des
                          tru
                                   ídas
.
.
.
pessoas
não perdem
suas roupas
e nem sabem
de suas perdas
sem quedas
e sem
ser
e
m
con
denadas
ou danadas

pessoas
são como
cebolas
:
se tirarmos
suas camadas
ficam somente
seus nadas


Ver: http://www.recantodasletras.com.br/poesias/6177562 



 
22/11/17 10:03 - Tânia de Oliveira
Acesse esse link
http://www.taniadeoliveirataniamoreno.recantodasletras.com.br/visualizar.php?idt=5831094

O PORTAL


22/11/17 08:52 - Vitor Pereira Jr
Olá, pessoal!

Continuando a série de dicas rápidas de escrita, quero dividir com vocês um artigo sobre a missão do ESCRITOR.
Espero que gostem!
 
http://www.vitorpereirajr.prosaeverso.net/blog.php?idb=52266
 
Sejam bem-vindos para deixar seus comentários e sugestões.
Abraços e até a próxima!
 
Vitor Pereira Jr.

 
21/11/17 22:33 - fchagass
É COMO SE ESSA VIDA FOSSE BRINCADEIRA !!!
 
Uma das coisas que repetem é que natal é cores... Luzes... É preciso que crianças acreditem em papai Noel (ainda que os presentes sejam comprados pelo pai (o esposo da  mãe) – Se a vida é uma mentira, vamos viver como se no país das mil e umas noites...
 
 
Aliás, quando se insiste que é preciso crer em DEUS, poderão achar que estamos com fanatismo religioso... Apenas, poderei argumentar que para cada 10 pessoas com a vida transformada pelo SENHOR, desconheço uma  só pessoa que se  diga transformada por JESUS, indo pra assistir o drama da Paixão de Cristo (anualmente encenado lá em Fazenda Nova/PE, agora com patrocínio da Rede Globo)
 
 
Como diziam, quando fui criança: JAMAIS HAVERÁ ANO NOVO SE CONTINUARMOS OMETENDO OS MESMOS  ERROS DO ANO VELHO!!! 
 
NOSSO TRISTE, POBRE E PODRE BRASIL, VAI DE MAL A PIOR...
 
COMO A CANTIGA DA PERUA: É UMA SÓ: DE PIOR A PIOR, NOSSO BRASIL NÃO TERÁ ANO NOVO, PORQUE SEMPRE COMETE OS MESMOS ERROS DO ANO ANTERIOR, SOMADOS AOS ERROS DO SÉCULO ANTERIOR...
 
FOI DESCOBERTO NUMA MENTIRA E COLONIZADO EM  MENTIRAS MIL, QUANDO MATARAM NATIVOS INDEFESOS, ESTUPARAM  ÍNDIAS E CONTRABANDEARAM PEDRAS PRECIOSAS PRA ENRIQUECIMENTO DO PRIMEIRO MUNDO COM AS BÊNÇÃOS DA RELIGIÃO OFICIAL QUE ACHANDO POUCO EM CONJUNTO COM  A COROA COLOCOU COMO HERÓIS COLONIZADORES NOM GRATOS... NÃO ESTARIA MENTINDO PORQUE TOO COMO BASE A HISTÓRIA COMUM AOS LIVROS ESINADOS NAS ESCOLAS...
21/11/17 22:17 - Talisom Wagner
A chuva que escorre,
leva para longe a ideia que foge
a lágrima que corre
ao amor que socorre
que lhe torna forte
ou o amor que se abstém
que foi negado a alguém
a chuva leva embora também...


Uma bela poética boa noite.
Mais poesia no meu perfilwink
21/11/17 21:47 - JUNIOR CAMPOS
21/11/17 20:07 - Iliely
Ei-los que se atrevem

de novo

abrindo caminho a nova ditadura



21/11/17 19:04 - Leonardo Ulhoa
21/11/17 17:36 - Duncan McAndrews

A Florista Triste

As sete e quarenta ela já estava dentro de sua loja, abrira as cortinas e as persianas, porém a placa de fechado ainda imperava pendurada com a presilha de sucção no vidro da porta. Depois de regar as plantas e as flores que necessitam do liquido da vida ela estava finalmente pronta para encarar mais um dia de monotonia e tédio, pois raramente alguém adentrava sua loja para comprar flores de verdade, ainda mais agora que a maioria optava pelas artificiais que nunca precisam de atenção, carinho, água, adubo ou certos cuidados especiais como poda, mudança de local, luz especial, etc. Pontualmente às oito da manhã ela virava a placa pendurada para “ABERTO” com o escrito “BEM-VINDO” abaixo.
 
Rosa, Estrelícia, Calla Lily-mais conhecida como copo de leite, Magnólia, Orquídea e Dália, Crisântemo e Pluméria, Lírio e Cravo, Violeta, Tulipa, Girassol e Margarida eram algumas das flores que enfeitavam sua modesta loja, além de Samambaia, Nepenthes Rajah, Mimosa, Vênus Carnívora, Desmodium Gyrans-a planta dançante, Sabugueiro, Cebola das Pradarias e Alfeneiro da China, Aster Azul e Aster Duchess Amarelo, Buchinho e diversos tipos de bonsais.
 
Aquela manhã havia sido igual a todas as outras, nenhuma pessoa entrou em sua loja nem mesmo para perguntar se ela estava bem ou para jogar conversa fora, mas tudo mudaria depois do almoço. Ao menos era o que a esperança lhe dizia mentalmente. O relógio bateu uma da tarde e nada...

CONTINUA....
21/11/17 17:14 - Zuleika dos Reis




          Amanhã, 22 de novembro, farias 60 anos



        Pois é, Lu. E o vinho guardado por meses e meses à espera da recuperação da tua saúde e da saúde de todas as coisas da tua vida, o vinho italiano que tomaríamos juntos, eis-me aqui  a saboreá-lo sozinha, não em saudação ao teu aniversário, como desejaria; em saudação à tua  presença em uma Eternidade que exista, em saudação à tua eternidade, amigo meu. Tin Tin.

        Lembro de ti chegando, entrando na sala, abraçando-me com aquele abraço tão fundo e terno. Teu olhar, Lu... teu sorriso iluminando a sala toda.
        Aqui também os talheres, as canecas, os  copos, as taças te reconheciam pelo toque. E as paredes admiravam a maestria de teus gestos e de teu sotaque a cantar os tangos da vida.. os mais dramáticos... Fazíamos dueto e éramos bons nisso. Poderias ter sido um grande ator. Quando eu te dizia isso respondias que todo vendedor tem que ser um pouco ator e tu, corretor de imóveis, sabias bem o que dizias.
        Às vezes ficávamos em silêncio, do qual também entendias muito, afinal, não eras também o Ministro do Silêncio da Corte de Gorobixaba?
          E meu próprio silêncio se impõe neste agora. Ave, amigo meu. Ave.







Selfie em 22 de novembro de 2015 brindando, mesmo, ao teu aniversário.







 
21/11/17 15:19 - A Sayyadina
Olá!
Sejam muito bem vindos ao meu espaço mágico!
Tudo pode acontecer quando abrirem a porta para a imaginação...
Mundo encantado e cheio de vida!
Conheçam o texto original:

Bruxedos de Ella
e se encantem!
Espero por vocês, vrummm...
Voar, voar, voar...
;)
21/11/17 13:50 - Calada Eu
                    Image result for communication breakdown

'Communication Breakdown' 
http://www.recantodasletras.com.br/cronicas/6178231

Parece coisa de Led Zepplin, mas não é.  
Acredite.
 wink
 
21/11/17 12:20 - Rubens Jardim

ERA UMA VEZ

E no final descobriu-se que o príncipe era um sapo
Coacha e resmunga durante o dia
Ronca feito porco à noite
E a princesa, coitada,
Rola na cama pensando na sua vida de conto de fadas
Pobre princesa!
Tivesse sabido antes,
E teria ficado com o dragão...


(poema de TATIANA ALVES, poeta carioca, contista e ensaísta. Participou de diversos concursos literários, tendo obtido vários prêmios. É colaboradora da Revista Samizdat e do site Escritoras Suicidas, já tendo escrito para os sites Anjos de Prata, Cronópios e Germina Literatura. É filiada à APPERJ, à Academia Cachoeirense de Letras . Possui quinze livros publicados. É Doutora em Letras e leciona Língua Portuguesa e Literatura no CEFET / RJ.Tatiana Alves está na 101ª postagem de AS MULHERES POETAS...Se quiser ler mais, clique no link http://www.rubensjardim.com/blog.php?idb=52289
21/11/17 10:19 - TORRE FORTE
SE VOCÊ OLHA PARA TRAS É PORQUE ESTA SEGUINDO  UM CARANGUEJO E JAMAIS SEGUIRAS CRISTO QUE ESTAS A SUA  FENTE.
Gersonoiteilustrada
21/11/17 09:49 - Espirito Santo
                               O que "É" Deus...

clique no nome (Espirito Santo) acima citado / clique em (TEXTOS) / clique no (TOPICO) / Leia / Medite e deixe seu comentário ! Paz e Bem !
21/11/17 00:39 - Leandrowski
"Ao buscarmos incessantemente aprovação, inevitavelmente e tão somente nos tornamos provação alheia"

Leandrowski
LHR Thoughts ™
20/11/17 23:15 - Arigó
Boa Noite, recantistas!

Disponho para leitura e eventuais comentários, críticas também são benvindas, alguns textos a algum tempo guardados na prateleira de minha Escrivaninha. Espero, sinceramente, que gostem!
>Título: Muito antes do Além
Comentário: Se o limite do Universo é incognoscível, o que existe entre o Céu e a Terra, decerto, foge à nossa compreensão, como bem dizia o Bardo Inglês. Existe mesmo a reencarnação?
Acesso: http://www.recantodasletras.com.br/contosinsolitos/3882354
>Título: E você? Faria o quê?
Comentário: A vendeta e/ou vingança, é justiça ou reparação de danos? Qual a sua opinião?
Acesso: http://www.recantodasletras.com.br/contoscotidianos/3656328
>Título: O Tapir e a Boiuna
Comentário: A luta pela sobrevivência. O embate entre dois titãs da fauna amazônica
Acesso: http://www.recantodasletras.com.br/contoscotidianos/3624220
>Título: O Curupira
Comentário: O retalho do cotidiano de um encantado. O lendário guardião das florestas amazônicas.
Acesso: http://www.recantodasletras.com.br/contosdefantasia/3368243
>Título: Apesar de Tudo... Eram amigos!
Comentário: A improvável parceria entre dois sobreviventes das ruas.
Acesso: http://www.recantodasletras.com.br/contoscotidianos/3538358

Abraços,
Arigó.
 
20/11/17 22:46 - Donizetti Reis
ANJO NEGRO

Quando nasci anjo negro
Esses que ficam na porta
Pois não podem entrar, pensei:
- Aqui não pica-pau!!!
Comigo será diferente - entrei sem ser visto.
Quando notaram-me  já um anjo crescido - muitos disseram:
- Olha que anjo atrevido!!!

Donizetti Reis
Campos Gerais - 25.02.2011

#consciência negra



 
20/11/17 22:06 - fchagass
EM BUSCA DE UM DIA PELA CONSCIÊNCIA LIMPA ...

TEMOS UM DIA PELA CONSCIÊNCIA NEGRA, QUANDO SE HOMENAGEA A LUTA PELA LIBERDADE DE UMA RAÇA QUE EM MUITO SOFREU POR CAUSA DE FALTA DE LIBERDADE...
 
AGORA, SERÁ NECESSÁRIO CONTINUAR LUTANDO CONTRA A CONSCIÊNCIA SUJA QUE TEM TIRADO A LIBERDADE DE MUITA GENTE EM NOSSA NAÇÃO – CAUSA DESCONFORTO PESSOAS DE CONSCIÊNCIA SUJA FALANDO SOBRE COMBATE À CORRUPÇÃO...
 
A CONSCIÊNCIA SUJA TIRA A LIBERDADE DE CIDADÃOS SEM DINHEIRO... CIDADÃOS HONESTOS E  ÍNTEGROS, SÃO OBRIGADOS A OUVIREM FALAR SOBRE MALAS E CAIXAS DE DINHEIRO, ALÉM DE DINHEIRO NA MEIA OU NA CUECA DE PESSOAS DE CONSCIÊNCIA SUJA, DESDE OS PALÁCIOS DE BRASÍLIA ÀS MANSÕES E PREFEITURAS DO NORDESTE CONTAMINADAS POR CONSCIÊNCIAS SUJAS QUE AINDA PROMETEM EM PALANQUES UMA VIDA MELHOR PRA PESSOAS QUE NÃO SABEM SE HAVERÁ NEM MESMO ÁGUA E PÃO PRA ABAFAR OS RONCOS DE UM ESTÔMAGO VAZIO, ENQUANTO ELES (DE CONSCIÊNCIA SUJA) CONTINUARÃO COM O BOLSO CHEIO DE DINHEIRO OU CONTAS NOS PARAÍSOS FISCAIS NAS ESQUINAS  DA VIDA....
20/11/17 21:30 - Talisom Wagner
Segunda, semana começando (eu acho que ela nunca termina, mas tudo bem),
por que não ler alguns poemas?
 -Poemas? Você disse, poemas?
Talvez aqui você encontre algo que gosto. Se já leu até aqui, por que não ir no meu perfil ler mais um pouco?
20/11/17 18:55 - JUNIOR CAMPOS
20/11/17 16:47 - Luis Melo
...
Hoje, nem é para admirar,
já tanto de mim embarca
nessa mágoa tresloucada
que se quer fazer ao largo
com o meu velame
e um poema... ao vento.
...
Do poema "Vai doer"
Luis Melo
 
20/11/17 16:25 - Vitor Pereira Jr
Meu mais novo e delicioso conto erótico no Recanto,
 

Meu alguém se chamava Michele
http://www.recantodasletras.com.br/contoseroticos/5924586
 
Para ler meus outros contos eróticos:
 

O pedido de Kellen
http://www.recantodasletras.com.br/contoseroticos/525913
 

Relatos de Timóteo
http://www.recantodasletras.com.br/contoseroticos/135432
 
Boas leituras!
 
Vitor Pereira Jr

 
20/11/17 15:28 - Emerson de souza
                                        SOLIDÂO

 Solidão. Uns a evitam, outros a desejam. Não a vejo com menosprezo. Se pensar no sol como exemplo maior de sua expressão, é a sua distância que me mantém vivo. Tem momentos que necessito ficar só. Busco energia para só depois atrair os outros para perto de mim. Se bem que  assim diferencio-me da estrela maior porque, no final, quero todos comigo; no final, não quero ficar só.
20/11/17 15:10 - cristiano siqueira
A estranha que veio de longe
 
Aqui em meu mundo
Vejo tudo distorcido,
E a figura dela caminha,
Como uma garota culta...
 
Eu aqui preso na minha humanidade
Olhe para ela, e veja o quando ela é superior.
 
Nem sempre foi assim
Eu podia mostrar que era bom rapaz,
Mas os tempos mudaram
Minha risada não é ouvida.
 
Meu mundo ficou para traz
E eu não sei caminhar,
De longe ela vem...
 
Alem do sol,
Alem de minha imaginação,
Minha vida quadrada,
Começa a mudar com ela...
 
Uma grande guerra
Levou tudo de nós,
E a raça dela veio de muito longe...
 
Eu que estava cavando minha sepultura,
Parei para vê la
Sou um ogro,
Com muitos sentimentos
E pouca expressão...
 
E ela veio, era pura e inocente.
Olhou-me e veio falar comigo,
Ela disse: não tenha medo.
 
Ela era linda,
Com roupas que nunca sonhei,
Estava ali, pronta para me levar...
 
Em seu abraço caí
Era tão confortável que me esqueci de minha vida,
Mais algumas bebidas
E ela estava ali, como sempre deveria estar,
Pronta para me levar...
 
Seu cheiro me dava alegria,
Seu cabelo era tão lindo,
No escuro eu e ela nos pegamos...
 
Minha vida ali mudou
Ela olhou em minha cara,
E viu minha vida,
A boca dela se movia lentamente...
 
Eu a quis,
Não vou mentir,
Ela respirava o mesmo ar que eu
E as grandes montanhas ela escalou comigo...
 
Tudo parece muito bom,
Mas eu tenho algo ruim
É um ser que vive dentro de mim...
 
Ele só que destruição e morte,
Tento brigar com ele, mas não consigo...
 
Na loucura da noite
Ouvindo musica sozinho,
Ele bate na porta...
 
Ele conhece minha cara,
Desespero-me e chamo-a,
Eu a chamo em silencio
Que me tire dessa vida...
 
Tão de longe ela veio
Para me mostrar algo,
Estou aqui para ver...
 
Ela é incrível,
Vejo agora que estou sozinho
Pois ela está sendo superior
Não ira querer me salvar...
 
Eis meu engano
Ela me puxa pelo braço,
Grito de pavor...
 
Arrasta-me para seu tempo
Onde vejo a verdade...
 
Aprendo com ela
Não posso mostrar que gosto dela...
 
Que missão doida
Ela é humana, uma garota de 27 anos,
Muito inteligente.
 
Eu sou de outro nível
Uma guerra com meu mundo,
Mas ela pode ajudar.
 
Eu sou um ogro
Só sei matar e destruir
Ela é reservada e inteligente,
Ela me olha e eu olho ela...
 
O mundo esta perto do fim
E ela sabe onde atacar,
Então vamos.
 
Ela viu meu rosto
Espero que não se esqueça,
Pois sou um cão de guerra...
 
Que nada na vida deu certo
A não ser matar inimigos,
Ela tem curso superior
Tem respeito...
 
A coisa avança sem parar
Vejo famílias em desespero
Pessoas morrendo...
 
Parece que não tivemos tempo para terceira guerra
Tudo se acaba,
Aqui a violência domina
Meu treinamento de tiro
É só isso que sei fazer,
Matar e destruir.
 
Mas quero ficar com ela
E estou bêbado escrevendo isso,
Quero que ela me leve.
 
Cristiano de Siqueira 17/11/17
17.09.2013 – 08h30min –
Coca cola é como internet, quanto mais sabemos que faz mal, mais consumimos.
20/11/17 12:21 - ROBERTO BARROS XXI
ROBERTO BARROS XXI
E-livros11/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Frases11/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Artigos > Literatura10/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Cotidiano10/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Fábulas06/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Fábulas06/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Cartas20/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Cotidiano13/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Amor06/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Amor06/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Causos05/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Causos05/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Fábulas05/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Surreais04/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Causos04/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Mistério04/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Fábulas03/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Causos03/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Fábulas03/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Biografias02/10/17

 
20/11/17 11:40 - f j siqueira
Marcelo havia perdido as contas das vezes a que fora submetido a todo esse constrangimento, e só não abandonou a vida miserável que levava porque não podia deixar Bruna sozinha, desamparada sob as garras daqueles dois verdugos; ele não seria covarde como Juliana, sua irmã mais velha, que desaparecera de casa, há quase seis meses, deixando-os para trás, mesmo sabendo o que os aguardava...

Sim. Marcelo sabia que a depravação moral de seus pais cedo ou tarde recairia sobre a pobre Bruna, assim como recaíra sobre ele quando completou seus onze anos de vida, a mesma idade com que sua irmãzinha estava agora, e fora obrigado a começar a presenciar, durante alguns meses, Juliana ser vilipendiada de todas as formas antes de ser convocado a se juntar a ela para partilhar a cama de seus genitores...

Definitivamente era preciso voltar para casa antes que fosse tarde demais.

http://www.recantodasletras.com.br/contosdesuspense/6177084
20/11/17 11:11 - Sirlanio Jorge Dias Gomes
Dia da consciência negra deveria deixar de existir.
20/11/17 11:03 - José Eustáquio Ribeiro
TEMPO DE TEMPESTADE
 



o tempo está fechado
!
ainda assim
mantenho
a porta aberta
para que o vento
me dê do mundo
algum recado



Ver: http://www.recantodasletras.com.br/poesias/6177075
 



 
20/11/17 10:42 - Marcio Tadeu
A consciência negra de Mandela!

Era uma vez um negro... este permaneceu certo tempo preso por defender os direitos civis e políticos de sua nação, mas também por defender uma ideia de igualdade, sem dominação, nem branca e nem negra.
Este negro tem nome, sobrenome e vcs sabem quem é, mas apenas alguns conhecem a história e por isso podem se inspirar; Nelson Mandela.
Existem alguns negros, que por aqui passaram e sequer conheceram está história inspiradora e libertadora.
Mesmo que não tenhamos a mesma disposição de Mandela e tão pouco a pretensão de deixar um legado próximo àquele, conhecer tal história nos inspira liberdade. Ele foi liberto de uma cadeia, fria, sombria e cruel, mas alguns negros permanecem presos em uma cadeia de ideias até hoje.
Você, eu ou qualquer ser humano preso nessa cadeia de ideias que tenta nos limitar ou privar de certos acessos, oportunidades e desafios, imposta pela sociedade, às vezes subliminarmente, não podemos nos render. E se for necessário motivação, que tal Mandela!
E senão sua história, ele nos deixa como sugestão um poema de Willian Ernest Henley chamado: Invictus.

http:/www.poesiaspoemaseversos.com.br/invictus/

Willian talvez não se importe em ficar em segundo plano nessa exposição, mas vale ressaltar a precisão de suas palavras!
É meu irmão, leia Invictus e liberte-se desta prisão imposta pelos outros... Saia daí de dentro de você mesmo; para viver em liberdade. E se não deixar tal legado, viverá como igual!
Atualmente eu nem concordo com tudo que o poema diz, hoje Deus é o Senhor da minha alma; E somente a Deus eu glorifico;
Mas ele me inspira até hoje.
Consciência: o ser humano, tomado como ser pensante ou espiritual; alma, espírito, mente. Não necessariamente negra, mas consciência!

Marcio Tadeu
20/11/17 10:20 - João Adolfo Guerreiro
20/11/17 10:15 - Saulo Nascimento
I - Caso Hoje
Você já percebeu que ao acordar temos uma súbita tendência a repetição. A bem da verdade poucos diriam tratar-se de uma abordagem superficial baseada numa visão minimalista do hoje, outros porém que isso tampouco faz sentido.
há manhãs em que é só fadiga de uma noite péssima, àquelas que são as questões, os problemas, os motivos, outras em que resolvemos recordar e existe ainda umas que não se tem certeza.
Há quem tenha uma razão para tudo, eu confuso não reconheço tal desperdício, quando certo sou ainda mais enfático, não há que se negar, sem dúvida é uma repetição.
20/11/17 09:53 - MARIADAFLORPOESIA

FELIZ SEMANA E FERIADO PARA TODOS VOCÊS!
CAFÉ QUENTE


 
20/11/17 09:08 - Maxwell Oliveira
Acredite que vai dar certo, Acreditar motiva a nunca desistir.
20/11/17 00:01 - Lilith Vega
}¤{ Rosa trepadeira }¤{
 
Rosas florescem
E um lindo véu tecem
Sobre o muro
images?q=tbn:ANd9GcQ3RBAHj7ZhJlD19CeIHEq
19/11/17 23:01 - Leonardo Ulhoa
19/11/17 22:22 - gonçalvesdarocha
19/11/17 20:41 - Alexandre Ivanovski
244x206
O elefante e o sonho
Hoje sonhei que meu dente molar esquerdo doía muito e eu havia ido ao dentista. Chegando lá, encontrava outros cinco pacientes à espera na pequena saleta do consultório dentário. Todos tinham aparência bastante comum, se não fosse por um rapaz dentre eles muito magro que, a princípio, como meu dente doía muito, não prestei a devida atenção. 
De fato, no consultório do meu sonho havia um aquário com duas lagostas pronto para prender minha atenção. Também, para me distrair, grudada na parede atrás do balcão onde se sentava a secretária, que se vestia em um vestido branco vivo, havia um televisor sintonizado no canal das novelas da tarde. 
Minha dor era insuportável, mas como era uma emergência e não havia consulta agendada eu sabia que teria que esperar por um encaixe entre consultas. Não sei dizer em que momento no intervalo entre uma mirada na televisão e outra nas lagostas meus olhos cravaram na carne do homem muito magro que aguardava, como eu, atendimento.
Ele sentava-se na mesma fileira de cadeiras que eu, quase ao meu lado, ficando entre nós uma alemãzinha de olhos azuis que poderiam saltar de suas órbitas a qualquer momento. Eu vi o homem, então, de relance. No princípio ele era estranho por conta de sua extrema magreza. Não havia visto sua face. 
Como tudo em um sonho estranho só pode ser estranho, a secretária soltou uma gargalhada infernal, anunciando a entrada de Fräulein Strudell no consultório três. Ainda pensei: como por diabos poderia existir uma mulher com o sobrenome de comida? Strudell é um tipo de massa folheada! Mas eu sabia que sonhava.
Quando a alemãzinha já se havia levantado de meu lado e entrado para o atendimento, tentei ser simpático com o moço magricela, agora que não havia nada entre nós dois e podíamo-nos olhar face a face. Eu então abafei um grito, para não cometer uma grande indelicadeza: o rosto do homem pedia piedade para quem o visse.
Ele, talvez já muito acostumado com isso, adiantou-se oferecendo sua mão, quebrando qualquer mal-estar entre nós. E nós nos apresentamos: ele, “Hermógenes, encantado”. Eu, “Marcílio, muito prazer”. Por alguns segundos, não surgia qualquer palavra para quebrar nosso silêncio. Até que o jovem homem desfigurado rompeu com nossa mudez.
“Não te sintas mal, não é a primeira vez que alguém se espanta com minha aparência”. Disse ele. Eu tentei argumentar, mas minha voz simplesmente não saía de minha boca. E ele continuou, como um verdadeiro filósofo orador, “Isso que você vê foi obra de meu pai, muitos anos atrás”. E arrematou, “de fato, vem de quando eu era ainda criança”.
Eu já não prestava mais atenção em nada. Mesmo meu dente, que latejava, já não representava a maior preocupação para mim naquele consultório. Eu estava ávido por entender a fisionomia facial do meu novo amigo. Notei que ele não era pessoa de dar muitas voltas para dizer o que era necessário, então o deixei livre para que falasse.

A deformidade de Hermógenes era coisa de circo, como uma mulher barbada. Mas não era engraçado como a mulher do circo, ele era de fato perturbador. Da altura abaixo de seus olhos, seu nariz pendia junto com a face sobre a boca. De fato, de seu nariz restava apenas a lembrança de algo que deveria haver e não havia.
Uma analogia, talvez leviana, seria dizer que Hermógenes tinha cara de pênis. O nariz que pendia mole sobre a boca, e o par de bochechas protuberantes, faziam alusão ao órgão genital masculino. Eu enchi-me de curiosidade para saber a razão de sua deformidade severa, mas por não conseguir pronunciar nada fiz de mim todo ouvidos.
E Hermógenes continuou, “Já passei por situações que um ser humano não acredita possíveis”. E continuou, “Não faz muito tempo a filha de um rico comerciante teve um desfalecimento ao ver-me pela primeira vez. Contornado o incidente, e tendo seu pai me enchido de desculpas, ofereceram um emprego num pequeno e lucrativo negócio”.
“Tinha certeza de que o comerciante desejava tirar vantagem de minha diferença e sair-se bem para os de sua classe, como homem generoso que desejava ser. Aceitar uma aberração como eu, para lidar com seu comércio, era certamente ação de um homem de bom coração. Mas, como tudo que é feito sem verdade, seus planos falharam”.
“Em um mês de trabalho perdeu mais fregueses que pôde conquistar em um ano e, por esse motivo, o comerciante pediu a sua filha para presentear-me com uma modesta quantia de dinheiro e dispensar-me de meus préstimos. Como andava necessitando ir ao dentista, tomei o dinheiro de suas lindas mãos e despedi-me. E aqui estou hoje”.
Eu disse, “Mas...” Recuperava minha voz, “e como foi que teu pai um dia teria sido o protagonista de tamanho crime, desfigurando-o ainda criança”? Heródoto me respondeu, “Meu pai era um agricultor e um filósofo. Ele achatou-me o nariz com o cabo de um machado, mas não foi um ato de ódio, como algo feito por pura maldade”. 
“O bom filósofo que era pensava em minha longevidade. Havia perdido todos os irmãos muito cedo – vítimas de suas paixões – como lembrava-me meu pai. Por cautela, para que não me perdesse um dia no caminho da vida como fizeram meus tios, fez meu pai o trabalho em minha face de forma a que eu parecesse sempre humilde para os outros”.
“A minha face mutilada, de nariz esmagado, garante a humildade frente as pessoas. De fato, nunca passei frio ou fome vagando por esse mundo vasto, pois sempre encontrei uma alma piedosa que me oferecesse alimento ou um teto para descanso. Por isso, jamais odiei meu pai, embora nunca tenha tido oportunidade de agradecer pelo serviço”.
“Seu pai teve a chance de vê-lo quando moço, já homem de calças”? Perguntei. “Meu pai morreu no ano em que completei dezoito anos. Eu ainda não havia saído de casa e nada conhecia do mundo afora. Na noite em que deixou a mim, minha mãe e minhas duas irmãs, abraçou-me afetuosamente dizendo que um dia eu lhe compreenderia”. 

“Em casa, sempre fui tratado com normalidade. Enquanto vivi com meus parentes, não conheci o estranhamento do mundo. Confesso que, ao olhar-me no espelho, não possuía então nenhum sentimento de curiosidade sobre meu rosto. Um ou outro primo ria-se de mim, apontava para minha face deformada, mas de fato eu nada compreendia”.
“No ano em que fiz vinte anos, um inverno inclemente levou para a terra minha mãe e minhas duas irmãs de pneumonia. Sofri muito com a perda das duas. Meu tio mais velho chamou-me a si e, calmamente, explicou-me que aquele era o momento de minha partida. Era chegada a hora de juntar minhas coisas e ganhar o mundo”.
“No dia seguinte à conversa com meu tio fiz um bornal juntando algumas peças de roupa e dois envelopes com dinheiro da venda da casa de meus pais. Fui informado que na cidade grande encontraria ajuda de um velho conhecido da família, que me pagaria bem pelo trabalho na cozinha de seu restaurante”.
“Minha compleição física muito franzina e meus poucos estudos não permitiam que conseguisse trabalho melhor. E isso, sem mencionar minha deformidade, a minha carta de apresentação. Fui embora de casa em uma manhã fria, sem olhar para trás para não chorar de saudades. Isso faz hoje onze anos. Eu tenho trinta e um anos”.
Um pequeno periquito que pousara nas mãos da secretária calou o relato de Hermógenes. A secretária beijava o bico do passarinho enquanto lhe acariciava a cabeça com o dedo indicador; e soltava as gargalhadas terríveis. Pensando bem, a mulher tinha cara de orgasmo. Era lívido seu semblante e o caso com o periquito era quente. 
“Pois então”, disse-lhe eu, “Estou encantado em conhecê-lo e saber de sua história”. O passarinho então voou da mão da moça e sobrevoou o lugar; mas retornou para a mão de sua dona e ela ofereceu a ele novamente mil carícias. Foi aí que alguma coisa me lembrou da dor de dente insuportável que eu sentia. Mas eu ainda sonhava.
Com força, deixando de lado a dor, inclinei-me para Hermógenes suplicando para que falasse mais de sua história. Já compreendia como veio ao mundo, a deformidade que como favor lhe fora feita, o dinheiro que recebera do comerciante para tratar dos dentes, mas não o que planejava fazer de ali por diante. Hermógenes era um elefante.
Mas, assim que o homem se preparava para falar, a secretária soltou outra gargalhada e anunciou a entrada do Sr. Hermógenes no consultório um. Ele passou por mim com calma e ofereceu-me sua mão pela última vez. Apertei-a. Depois que entrou, procurei em vão pelos outros três pacientes da sala de espera. Mas parece que me equivocara.
Sozinho com a secretária, as lagostas e o periquito que se lançava em mais um voo, senti-me só. E senti meu corpo ser tomado de assalto novamente pela dor de dentes, acordando em minha cama logo em seguida. Corri para o telefone para marcar consulta e lembrei-me de Hermógenes. Ele existiria?
Texto de Alexandre Ivanovski. 110x101
Visite minha página:
www.recantodasletras.com.br/autor_textos.php?id=64408 
19/11/17 20:17 - Zuleika dos Reis


                  AO DIA DA
         CONSCIÊNCIA NEGRA

 
                    (Texto escrito em 20 de novembro de 2009.)
 

Nota.
Está, também, em gravação no Áudio.
Quem quiser ouvi-lo... 



 
        Negra é a mulher que tem sido minha irmã,
que nos ermos do meu mundo há anos me vem guiando
os passos feitos de hesitação.


        Negra é a pele que me vai por dentro,
        herança dos meus ancestrais.


       Negra sou eu dos blues que me invadem,
com todas as suas línguas feitas de saudade e de desterro.


        Negras são certas saudades: sofrimento, volúpia.

        Negra é a negra noite,
quando se sonham os sonhos mais profundos.


        Negra sou eu
quando deixo que se acordem em mim todas as áfricas.


        Negro de belezas é o silêncio dos amantes plenos uns dos outros; que o Pai os proteja, a todos, de todos os males, amém.

        Negra África, berço do mundo.

Felizes dos que se alegram,
dos que se orgulham pelo negro,
pela negra que todos carregamos por fora, por dentro;
negritude que nos amplia,
que nos ensina, que nos ultrapassa,
que fere os nossos limites,
para que possamos prosseguir.



                       
 
Fran, uma das minhas mais queridas amigas;
Fran, minha bem-amada irmã.

 
(foto de 2008, no lançamento do meu livro "Flores do Outono").



                                              

       O bem-amado Mandela.







 


Esta página é atualizada a cada 5 minutos
Última atualização em 22/11/17 16:16