Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ALBRECHT DÜRER

     Pelos idos do Século XV, em uma minúscula vila perto de Nuremberg, viveu uma família com dezoito crianças. Dezoito!
Para manter comida sobre a mesa para toda esta multidão, o pai, um ourives de profissão, trabalhava 18 horas diárias em seu comércio e algum outro servicinho que encontrasse na vizinhança.
     Apesar da condição aparentemente impossível, duas crianças mais velhas tinham um sonho. Ambos queriam perseguir seu talento para a Arte, mas sabiam perfeitamente que seu pai nunca teria condição financeira para mandar qualquer um a Nuremberg, estudar na Academia.
     Depois de muitas discussões durante a noite, os dois meninos decidiram fazer um pacto. Lançaram uma moeda. O perdedor iria trabalhar nas minas e, com seu salário, bancaria o irmão, enquanto estivesse na Academia.
     Então quando o irmão ganhador terminasse os estudos, após quatro anos, bancaria o outro irmão na Academia, com a venda de sua arte ou, se necessário, trabalhando nas minas.
     Lançaram essa moeda numa manhã de domingo.
     Albrecht Durer ganhou o lance e foi para Nuremberg.
     Albert foi trabalhar nas perigosas minas e, pelos quatro anos seguidos, financiou seu irmão, cujo trabalho na Academia foi um sucesso imediato.
     A arte de Albrecht superava, em muito, a maioria de seus professores, e tão logo se formou, já ganhava consideráveis comissões por seus trabalhos.
     Quando o artista voltou à sua vila, a família fez uma festa em seu gramado, para comemorar o retorno triunfante de Albrecht. Após uma refeição farta e memorável, com músicas e risos, Albrecht levantou-se de sua posição na cabeceira da mesa para propor um
brinde a seu amado irmão, Albert, pelos anos de sacrifício que tinha permitido a Albrecht, realizar seu sonho.
Suas palavras foram: ---E agora, Albert, meu irmão adorado,, agora é sua vez. Agora você pode ir a Nuremberg perseguir o seu sonho, e eu cuidarei de você.
     Todas as cabeças giraram em ansiosa expectativa para a extremidade oposta da mesa onde Albert se sentou. Lágrimas umedeceram  sua´pálida face. Finalmente, Albert se levantou, limpou as teimosas lágrimas e,  pousando um olhar por toda a volta da mesa e disse: -- Não, meu irmão! Eu não posso ir a Nuremberg. É muito tarde para mim. Veja o que quatro anos nas minas fizeram com as minhas mãos!  Os ossos de cada dedo foram despedaçados pelo menos uma vez, e ultimamente tenho sofrido de artrite. Com minha mão direita mal consigo segurar um copo para retornar seu brinde, muito menos conseguiria traçar linhas delicadas no papel e na tela, com pena ou pincel. Não, meu irmão, para mim é muito tarde!
     
Mais de 400 anos se passaram
Agora centenas de obras de Albrecht Durer estão expostas pelos grandes museus do mundo. E, provavelmente, lhe é familiar, tanto quanto para a maioria de pessoas, apenas um  trabalho de Albrecht  Durer e talvez, você tenha uma reprodução em sua casa ou no escritório.
     Um dia, por respeitável admiração a Albert , por tudo que tinha sacrificado, Albrecht detalhadamente desenhou as maltratadas mãos de seu irmão com as palmas juntase os finos dedos voltados para o céu. Chamou essa obra " Mãos em Oração" e o mundo inteiro abriu seus corações para esta grande obra prima.
     
Na próxima vez que você estiver à frente de uma cópia dessa criação tocante, dê-lhe um segundo olhar. Deixe-a ser o seu lembrete, que você precisa de alguém e que ninguém, ninguém mesmo, consegue se realizar sozinho,
     Lembre-se de agradecer sinceramente a todos aqueles que lhe ajudaram a chegar onde você está!

Este artigo foi-nos enviado por France Gracette

Victoria Magna
Enviado por Victoria Magna em 14/02/2006
Reeditado em 17/02/2006
Código do texto: T111852
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Victoria Magna
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
329 textos (130061 leituras)
1 e-livros (99 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 02:16)
Victoria Magna