Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MEU POETA

MEU POETA

Nascido no município de Betim, Fernando Lima, autor do livro "Subjetividade", oferece ao leitor um ideário temático cotidiano em que o poeta participa da cidade onde vive, seus sofrimentos, suas inquietudes e, ainda, das pessoas à sua volta.
"Anoitecer em Betim" é o poema- preâmbulo a revelar a paisagem, traduzindo a essência da vida no coração do lar: "Nem tão só me sinto assim,/ Quando a lua clara no céu/ Faz um "lumiar" pra eu ver/ Minha terra acender,/ No anoitecer em Betim".
"Purificar os pensamentos!". Nesse segmento o poeta evidencia os prazeres contrapondo a guerra. Ocorre, transparência da harmonia interior do autor, no poema em "O sonho da Terra".
Custódio José de Oliveira, Presidente da Academia Betinense de Letras já disse, muito bem, no prefácio:

"Subjetividade, a meu ver, é uma fotografia em versos do próprio mundo interior de Fernando. Cada poesia representa verdadeiro retrato do "subjectum", do "introspectum", do "eu" do poeta."

Acrescente-se que Fernando permite ao leitor entrar na intimidade das suas frustrações, ao dizer: "Revelo o ser inanimado./ Tragado por caos interior,/ sufoco meu grito poético!".
A crítica social abarca vários títulos da obra. Em "Liberdade ainda que tardia", por exemplo, preocupa-se o autor com o país, utilizando jogo de palavras, indagando sobre duas personalidades que defenderam, em Minas, a liberdade.
O consumismo imposto pela sociedade industrial, cada vez mais dominada, é contestado em "Sono Urbano", em que se retrata "o povo sonâmbulo", sendo dominado pela "Alienação;/ Manipulação;/ Exploração".
Há exemplo de sentimento pessoal e de respeito a mulher, em "Mulher Mitológica", e "Olhos Negros". Este, inclusive, vêm acompanhado de intertextualidade ao descrever o corpo de Iracema, que remete à obra de José de Alencar.
Mas o poeta vai mais longe, revelando a "Sereia de Mineiro", mostrando se galanteador, conforme escreveu "Morena que vem de Vitória/ Musa que vem pelo Mar".
Entre os versos, eis que surge evidentes sinais do homem de fé.
SUBJETIVIDADE, de Fernando Lima, comprova que a poesia revela o sentimento do homem, às vezes compensando a angústia e às vezes bastando a alegria para as coisas mudarem.
"Meu poeta", como venho modestamente chamando-o, começa a destacar-se  no meio literário. Parafraseando-o, "agora podemos vê-los", refiro-me àqueles poemas prometidos antes desta publicação.

ADRIANO SILVA RIBEIRO - Acadêmico do 7º período de Letras / PUC-Betim - Setembro/2000
Adriano Ribeiro
Enviado por Adriano Ribeiro em 02/03/2006
Código do texto: T117805
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Adriano Ribeiro
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
22 textos (38864 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 10:09)
Adriano Ribeiro