Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A MUDANÇA DE GOVERNO



A mudança de governo é sempre dolorosa. Os dirigentes apegam-se ao cargo e ao poder transitórios; acomodam-se ao fascínio da posição, agarrando-se a ela como o náufrago ao salva-vidas. Assim é como a política passou a ser a arte de chegar ao poder e permanecer nele indefinidamente, privilegiando parentes e amigos. A ambição, que tristemente norteia a vida da maior parte das pessoas, está sempre a apontar para a riqueza e o poder.

Observando quem assume o poder, o espetáculo não é menos risível. O que chega julga-se muito melhor que os que o precederam. Sua “personalidade” interrompe os projetos que vinham caminhando para iniciar uma nova fase com outros planos que sua brilhante inteligência formulará.

Nos dois casos, a raiz da questão é a mesma: a pessoa é governada pela personalidade,a máscara interior que quer sempre diminuir os outros para, num mundo de anões, vir projetada a sua figura.

A solução da questão resume-se na necessidade da mudança do governo interior e pessoal. Será necessário destronar o tirano das aparências e do engano, o ser pessoal, vaidoso e desumano que cada um carrega dentro de si. Ele deve ser substituído pelo espiritual e humano que jaz adormecido no interior de cada um. É uma questão de disposição e desprendimento, caso a máscara não haja aderido definitivamente à epiderme psicológica.

A “personalidade” é o fruto do cultivo das aparências do ser humano, tanto no aspecto material como no intelectual; a somatória dos dotes com os quais pretende apresentar-se às outras pessoas - geralmente com um indisfarçável intuito de diminuí-las - alçando-se a uma fictícia estatura pessoal inflada pela vaidade e pela ambição.

Esta máscara - com a qual se pretende atravessar a vida aparentando ser o que não se é - deve ser arrancada, ainda que dolorosamente, para ascender aos caminhos do aperfeiçoamento individual.

A personalidade, com seus brilhos e debilidades, deve ser substituída pela individualidade; pelo cultivo de qualidades pessoais interiores. A tarefa não é simples; requer valentia e desprendimento; morte e renascimento. Esta é a maior das artes que possa um ser humano realizar: a criação de um novo ser surgindo das cinzas do velho homem pessoal, vaidoso e egoísta, qual pássaro mitológico e imortal.

A personalidade é uma frágil bengala com a qual se pretende atravessar a vida fingindo uma suficiência que o observador mais perspicaz identifica como falsa; a máscara da dissimulação e das aparências, da falsa humildade e da mansidão, que revela muitas vezes a fera escondida sob as vestes de um cordeiro.

A lógica deste mito é perfeitamente compreensível nos seres para os quais nada existe além da realidade do mundo físico. No entanto, para os que sentem a necessidade de transcender esse limitado estado de compreensão, essa visão limitada do entendimento, o mito passa a deixar de ter sentido, dando lugar à aspiração de substituir a personalidade pela individualidade, pelo cultivo das qualidades superiores do ser humano.

A renovação com continuidade, no que a Natureza é pródiga em exemplos, deverá ter para o ser humano a possibilidade de realização consciente, pelo conhecimento e domínio de cada passo dado naquela direção.

Nagib Anderáos Neto
www.nagibanderaos.com.br
Nagib Anderáos Neto
Enviado por Nagib Anderáos Neto em 29/03/2006
Reeditado em 22/04/2013
Código do texto: T130644
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de Nagib Anderáos Neto www.anderaos-nagib.blogspot.com).
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nagib Anderáos Neto
São Paulo - São Paulo - Brasil
366 textos (87991 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 20:31)
Nagib Anderáos Neto