Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AS 12 PORTAS DE JERUSALÉM

AS 12 PORTAS DE JERUSALÉM

ESTUDO BÍBLICO: Continuamente reconstruída sobre as suas próprias ruínas,
Jerusalém permanece como a cidade eterna do mundo...
 
Texto Bíblico: Is.26:1,2

INTRODUÇÃO

“Do hebraico dal, délet, sa’ar e do grego thyra e pyfê, pylõn, a palavra porta significa uma abertura que permite a entrada e a saída das pessoas de uma casa, um edifício, ou de uma cidade. Portas falam de decisões, vontade, escolha”.
Segundo a Bíblia, as portas comumente utilizadas naqueles dias eram de bronze (Sl 107.15,16), de ferro (At 12.10), e de madeira (Ne 3.6). As portas da cidade eram os lugares de maior afluência do povo, para conversas, passatempos, ou negócios (Pv 31.23; Jó 29.7; Am 5.10-12), processos judiciais (Dt 17.5) e leitura da Lei de Deus (Ne 8.1-3).
Como não havia praças nas antigas cidades da Palestina, o povo se concentrava junto às portas, que começaram, desde então, a ser sinônimo de lugar público, assim como as ágoras da Grécia, ou o Fórum Romano. Na ocasião das guerras, a guarnição de defesa era redobrada junto às portas; pois quando se conquistavam as portas era sinal de que a cidade fora subjugada!

I – JERUSALÉM

A mais famosa cidade do mundo, a sua história retrocede aos dias de Abraão quando do seu encontro com Melquisedeque, sacerdote de Salém, ocasião em que o patriarca lhe deu os dízimos dos despojos da guerra contra os monarcas caldeus (Gn 14.1-20).

A antiga Salém de Melquisedeque foi escolhida desde o limiar da história para ser nela realizada a redenção.

Para os judeus era ela a cidade do grande rei (Sl 48.2), a cidade santa (Js 52.1). O Salmo 122 nos dá idéia do que significa Jerusalém para as “tribos do Senhor”. No cativeiro babilônico os judeus assumiram um compromisso moral com Deus de nunca se esquecerem de Jerusalém (Sl 137.5,6).

 

 II – AS PORTAS DE SIÃO (Ap 21.10-12)

Continuamente reconstruída sobre as suas próprias ruínas, Jerusalém permanece hoje como a cidade eterna do mundo, e comparada à nova Jerusalém, que marcará a consumação dos séculos!
Os muros e a forma que Jerusalém tem hoje são da época dos turcos otomanos. O sultão Suleiman II, o magnífico, em 1542 construiu os muros que ainda hoje cercam a cidade velha.

Das doze portas do período bíblico, hoje existem apenas oito, porém com outros nomes:
 
1 – Porta Nova
2 – Porta de Damasco
3 – Porta de Herodes
4 – Porta de Santo Estevão

5 – Porta Dourada
6 – Porta de Sião
7 – Porta dos Mouros
8 – Porta de Jafa
 
A Bíblia Sagrada, quando trata a respeito da reconstrução dos muros de Jerusalém, no Antigo Testamento no livro de Neemias, menciona as doze portas da cidade com os seus primitivos nomes:
 
1 – Porta do Gado
2 – Porta do Peixe (Porta de Damasco)
3 – Porta Velha (Porta de Jafa)
4 – Porta do Vale
5 – Porta do Monturo
6 – Porta da Fonte
7 – Porta do Cárcere
8 – Porta das Águas
9 – Porta dos Cavalos
10 – Porta Oriental
11 – Porta de Mifcade (da Atribuição)
12 – Porta de Efraim
 

O que temos em mente, neste estudo, é comentar sobre os símbolos das portas de Jerusalém dos dias distantes de Neemias.

III – NOMES, SÍMBOLOS E PROPÓSITOS ESPIRITUAIS

1) A Porta do Gado (Ne 3.1)
“E levantou-se Eliasibe, o sumo sacerdote, com os seus irmãos, os sacerdotes e edificaram a porta do gado, a qual a consagraram...”.

A porta do gado simbolizava consagração, mais tarde recebeu o nome de porta das ovelhas. Ficava nas proximidades do Templo; e do tanque de Betesda.
Sob o ponto de vista espiritual era a porta mais importante, pois de nenhuma outra a Bíblia diz que foi consagrada, somente esta!
É a porta de encontro com o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo! (Jo 10.7,9).
2) A Porta dos Peixes (Ne 3.3)

“E a porta do peixe edificaram os filhos de Senaa, a qual emadeiraram, e levantaram as suas portas com as suas fechaduras e os seus ferrolhos”.

É a porta dos pescadores, porta da dedicação profética; fala-nos de crescimento, reprodução.

Lembra-nos dos pescadores do mar da Galiléia chamados por Deus para serem seus discípulos, tornando-se então, pescadores de homens (Mt 4.18-22).

3) A Porta Velha (Ne 3.6)
“E a porta velha, repararam-na, Jeoiada, filho de Paséia; e Mesulão, filho de Besodéias; estes a emadeiraram, e levantaram as suas portas com as suas fechaduras e os seus ferrolhos”.
A porta velha simbolizava a tradição e a história falada dos hebreus, o tesouro antigo, acerca das gerações de sua origem.
No sentido espiritual, de modo figurado, indica-nos hoje, a necessidade do desapego e libertação do passado (2ªCo 5.17).
4) A Porta do Vale (Ne 2.14)
“E de noite saí pela porta do vale, para a banda da fonte do dragão, e para a porta do monturo, e contemplei os muros de Jerusalém”.
5) A Porta do Monturo (Ne 3.13)
“A porta do vale reparou-a Hanum e os moradores de Zanda; estes a edificaram, e lhes levantaram as portas com as suas fechaduras e os seus ferrolhos. E a porta do monturo, reparou-a Malquias, filho de Recabe, maioral do distrito de Bete-Haquerém...”.
A porta do vale era por onde passavam os esgotos, as águas que se projetavam no vale do Cedrom (Tg 4.8).
6) A Porta da Fonte (Ne 3.15)
“E a porta da fonte reparou-a Salum, filho de Col-Hozé, maioral do distrito de Mizpa...”.
A porta da fonte simbolizava a bênção divina constante a brotar na nascente. Essa porta ficava ao sul de Jerusalém perto da fonte de Siloé, onde o cego de nascença foi curado por Jesus! (Jo 9.10,11).

Espiritualmente simbolizava a realidade dos milagres dos evangelhos profetizados por Isaías (Is 61.1 – Lc 4.18,19) e realizados por Jesus; poder este delegado para a igreja para a dispensação da graça (Lc 10.19).
7) A Porta do Pátio do Cárcere (Ne 3.25)
“Palal, filho de Uzai, reparou defronte da esquina e a torre que sai da casa real superior, que está junto ao pátio da prisão”.
Neste pátio o profeta Jeremias esteve preso (Jr 32.2). Espiritualmente simboliza “as cadeias” ou “prisões” que imobiliza o pecador, ou até mesmo o crente que se descuida da vigilância (Jo 8.32,36). As prisões podem ser quebradas pelo pode de Deus (At 16.26).
8) A Porta das Águas (Ne 3.26)
“Ora os netinins habitavam em Ofel, até defronte da porta das águas, para o oriente, e até a torre alta”.
Esta porta proporcionava suprimento de água para a cidade.
Espiritualmente, esta porta simboliza as águas da Palavra de Deus e do Espírito Santo que devem regar continuamente o arraial dos santos, a igreja do Senhor (Sl 63.1).
9) A Porta dos Cavalos (Ne 3.28)
“Desde a porta dos cavalos repararam os sacerdotes, cada um defronte da sua casa”.
Naqueles dias, os cavalos eram peças essenciais nas guerras, sem os quais os carros não poderiam andar. Os cavalos simbolizavam as guerras, as batalhas, as lutas, enfim, as conquistas dos povos!
Espiritualmente, traz-nos à lembrança o imensurável amor de Deus que deu o seu unigênito Filho para levar sobre si as nossas cargas de pecado, de doenças, de possessões (Jo 3.16 e Is 53.4).
10) A Porta Oriental (Ne 3.29)
“...E depois dele reparou Semaías, filho de Secanias, guarda da porta oriental”.
Acredita-se que esta é a porta pela qual Jesus entrou em Jerusalém, e que hoje se encontra lacrada! Espera-se que o Messias entre por ela em sua segunda vinda.
Ez 44.2 – “E disse-me o Senhor: Esta porta estará fechada, não se abrirá; ninguém entrará por ela, porque o Senhor Deus de Israel entrou por ela; por isso estará fechada”.
Na simbologia espiritual esta porta representa a volta de Jesus; o eminente arrebatamento dos salvos! Esta porta deve estar aberta na vida da igreja, cuja oração deve ser: Ap 22.20 – “Aquele que testifica estas coisas diz: certamente cedo venho. Amém. Ora vem, Senhor Jesus”. Ver ainda 1ªTs 5.23.

 

11) A Porta de Mifcade [Atribuição] (Ne 3.31)
“Depois dele reparou Malquias, filho dum ourives, até à casa dos netinins e mercadores, defronte da porta de Mifcade, e até a câmara do canto”.
A porta da atribuição, no aspecto espiritual, nos fala da “comissão divina” da definição de atribuições ao seu povo!
A grande comissão do Senhor Jesus para seus discípulos nós encontramos nos Evangelhos (Mt 28.18-20).
12) A Porta de Efraim (Ne 8.16)
“Saiu, pois, o povo, e de tudo trouxeram, e fizeram para si cabanas, cada um no seu terraço, e nos seus pátios, e nos átrios da casa de Deus, e na praça da porta das águas, e na praça da porta de Efraim”.
Efraim significa “fruto dobrado”.
Porção dobrada da herança era um direito de primogenitura (Hb 12.12).

CONCLUSÃO
Como se vê, apesar de quase desconhecidos pela maioria daqueles que possuem um exemplar da Bíblia, o livro de Deus registra esses nomes focalizados; nomes esquecidos, mas nomes históricos, reais, simbólicos, mas ricos em tradição.

As doze portas monumentais da Jerusalém celestial, da nova Jerusalém, não têm um significado de defesa, já que a paz é absoluta e as portas permanecerão sempre abertas, pois sua finalidade é exaltar a magnificência da imagem da cidade eterna!
Pastor José Valente
Enviado por Pastor José Valente em 01/01/2009
Código do texto: T1362791

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pastor José Valente
Magé - Rio de Janeiro - Brasil, 59 anos
4 textos (68749 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/12/14 23:22)
Pastor José Valente



Rádio Poética