Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Prisioneiros&encarcerados

A natureza humana é complexa. Gera indivíduos com diferentes personalidades e dota-os de um irrestrito direito de plena liberdade. Em contra-partida, para a própria perpetuação da espécie, lhes impõe a necessidade de viver em grupos. Como são detalhadamente diferentes entre si, surgem às dificuldades.

Ainda crianças são levadas a se dedicarem às pretensões paternas  induzindo-se por opções que, aos olhos dos progenitores, são corretas. São talhadas a seguirem por caminhos, às vezes, opostos ao seu puro desejo aniquilando dons de valores incalculáveis para o seu bem estar. Quando adultos, obrigam-se a curvarem perante acordos, pessoas, agremiações que nem sempre correspondem àqueles ideais que, desde a mais tenra idade, arraigaram em seus subconscientes. Os líderes que detêm o poder nem sempre os agradam; os compromissos são cansativos. Sonhavam com fatos vultosos e se vêem forçados a defenderem idéias com as quais não comungam; é como bater em pontas de facas o tempo todo;  nada lhes dá prazer e isso, além de perturbar o seu comportamento, afeta as relações com a família, com os amigos e desperta o rancor e o ódio antes reprimidos. Nas vãs tentativas de progresso, há a necessidade da omissão e do silêncio. Surgem as reações tensas e os desequilíbrios emocionais gerando as disputas, a violência, o medo e a insegurança. Dos tantos dissabores que enfrentam, tudo perde o encanto e, quando despertam, vêem-se traídos, mal casados, humilhados e seus melhores sonhos transformados em pesadelos. Estando rodeados por pessoas que tanto falam e nada dizem; pelas falsas amizades que atrapalham; são tomados pelos antigos dons que, na infância, coloriam as suas fantasias. O sentimento de derrota é inevitável. Nessa hora não há discurso ou promessa que os iludam. Tudo acabou; é tarde demais para voltar. Só lhes restam uma fuga - mesmo que ilusória - onde o álcool e as drogas servem de consolo para quem caminha na mais densa multidão e na mais completa solidão.

 Sentindo-se acuados, apegam-se à violência na cega tentativa de reaver seu mundo utópico e de se proteger do caos silencioso que a comunidade lhes impõe.

A sociedade, por sua vez, dentro dos legados de cada povo e alheia às vontades e ambições dos indivíduos em queda; julga, condena e os responsabiliza pela degradação em que vivem. Esquece, no entanto, que tais elementos são vítimas de um complexo sistema  que nunca lhes deu trégua; hoje se encontram marginalizados, presos por uma muralha invisível que os impede de gozarem da cidadania e, por isso, entregam-se à devassidão por não suportarem mais pagar o preço imposto pela sua liberdade.

Se pudessem falar, certamente diriam o que os corrompeu. Se pudessem voltar, seguiriam por outros caminhos; mas é impossível. Os tempos são outros. Aqueles que, mesmo inconscientes, impediram que tais pessoas, hoje enfraquecidas, seguissem seus intentos; sequer os aceitam em seu meio. Preferem vê-los afastados, enjaulados, longe dos olhos para se sentirem menos cúmplices.

Vivemos num período em que muito se refletiu sobre renovação (Quaresma).Tempo em que vieram à tona os melhores sentimentos em relação ao próximo. Época em que se povoa o espírito de demônios, inunda a alma de remorso e cai por terra em sinal de arrependimento. É também o momento de se reunir em torno de uma mesa e pôr tudo "a pratos limpos"; travar um diálogo franco, romper com todos os laços mórbidos que nos prendem, reaver os planos, reaproveitar o que for apreciável, remendar se for necessário, jogar fora tudo o que é estorvo e seguir em frente. O ser humano não pode ser condenado pela vida farta ou miserável em que vive, nem importa como chegou, onde se encontra e qual a sua origem. Deve, outrossim, espelhar-se no passado e partir em busca do que resta de suas aspirações pessoais. As grandes mudanças estão no interior de cada um e não nos mitos que a civilização cria porque, passados os dias de remorso, tudo volta ao normal. A sociedade, com suas inquietações, caminha presa pelas desigualdades que o silêncio consegue deter. Entre muros e "grades", homens são encarcerados por terem sidos ousados na busca de seus objetivos. Entre muros e "gradis", homens pacíficos olham incrédulos para os rumos que o mundo se encaminha, armando-se até os dentes contra seu pior inimigo: a própria raça. Lá fora, os dias e as noites são os mesmos... E os homens, também!

A Notícia.março de 1997.
Ciro do Valle
Enviado por Ciro do Valle em 13/04/2006
Código do texto: T138305
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ciro do Valle
Salesópolis - São Paulo - Brasil
99 textos (5150 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 13:39)
Ciro do Valle