Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Operário,trabalho e trabalhador,por um "Corpo decente",entre outras coisas.




05/05/2006 20h15
Trabalho,Trabalhador,Operário:divagando em torno de um tema(I)/Clevane
Carmen querida:muitíssimo grata por essa atenção especial.Brotou-me,o texto,de um fôlego,qual se fosse missão.e na verdade,o é.
Relendo-o,agora pela manhã,vejo minhas "clevanices" de digitação.
Corrijo,então ,em azul.Desculpe.
Na parte 2,quero colocar outros poetas falando de trabalho,pois resolvi fazer um e-book.Em especial,nesta segunda parte,trovas.
As que tiver-de humor,filosóficas ou líricas,no tema.poderia repassar-me?Sei que os trovadores são generosos,não reclamam qdo os colamos,com a devida autoria,para serem lidos.Eu,pessoalmente,sempre digo;o que mais quer o poeta é ser ouvido,lido...
Bjs,bom final de semana.
Que bom vc ter gostado!
Clevane
N:lamentavelmente.o texto,ao ser repassado,perde a configuração.de qq forma,irei ao meu blog corrigir lá e então,estará como soi ser,um texto em prosa.
Também pedirei à paola caumo para colocar em meu site "Clevane de asas",que ela fez,para repassar,pois já formatada,o texto não se desconfigura,não se "des/figura".

carmen pio escreveu:
Queridos Irmãos Trovadores

Recebi hoje pela manhã esta maravilha, escrita pela Clevane, que lhes passo
para reflexão e apreciação, pois é digna de ser realmente apreciado.
Parabéns à Clevane e a todos nós por tê-la participando do Movimento
Trovadoresco.
Beijos a todos e bom final de semana!
Carmen Pio

-----------------------------------------------------------------------------------------------

Considerações sobre trabalho, trabalhadores, "Operário em CONSTRUÇÃO",
Poesias...(I)

Clevane Pessoa Lopes

O editor Douglas Lara envia, no seu boletim virtual "Últimas
Notícias/Acontece em Sorocaba”, o link abaixo,sobre Direito do Trabalho, pois há poucos dias celebramos trabalhador e trabalho, operário e obra, criador e criatura... Dessas relações espiraladas, intrinsecamente ligadas, interdependentes, nasce o cidadão que faz. E do qual dependemos. E que não podemos esquecer. E que somos também, de uma forma ou de outra. Em nosso País, já não existem os milionários de família, a viver de rendas. Bem que eu queria viver de rendas para ter mais tempo, pintar, escrever... Os tempos .todavia,são outros.
são outros.
Eis o link:

"As origens do Direito do Trabalho
No último dia 1º comemorou-se o Dia do Trabalho, tornando-se oportunas
algumas considerações acerca da origem do trabalho.
http://www.jcsol.com.br/2006/05/05/05A204.php"


Eu, Clevane, penso que advogados, legisladores, policiais e quaisquer
pessoas que possam estar com o Outro, defendê-lo das exorbitantes,
precárias, duvidosas, inter-relações empregador/empregado (poucos são os justos, nesse campo: maquiam as arbitrariedades com benefícios, massagens, prêmios, clubes, pontuações...).
Onde andará a genuína preocupação (pré-ocupação)?
Os advogados, os juízes, os legisladores, os políticos devem ter sempre em mente os Direitos Humanos: do empregado; do empregador, também. Já é mais que hora de cessarem os abusos. Os donos dos poderes, também.
Nas relações acadêmicas, entre corpo docente e discente, no meio político, no meio social, no meio de trabalho principalmente, é preciso formar o "CORPO DECENTE". Isso perpassa pelo respeito, consideração, reconhecimento das interdependências. Chega de ludibriar o trabalhador. De assinar carteira e pagar outra quantia, sempre a menor, pois o outro aceita para comer. Para
vestir-se.Viver. Chega de contratar menores quando a Lei o proíbe: quando é que os estudos de um jovem serão importantes para esse País?Estudos mais formação,não apenas diploma,principalmente.Educação plena,quando será importante de verdade? Todavia, o conceito mais ouvido por mim, que atendi em Posto de Saúde Pública, no antigo INAMPS e depois no Hospital Júlia Kubtscheck (em Belo Horizonte,MG, onde coordenei a Casa da Criança e do Adolescente), dos pais, era: - "meu filho precisa trabalhar para aprender a ser gente...para ajudar em casa...para não ficar na rua"..."para não usar drogas"..."não ser vagabundo..."Poucos pais pobres, pensam no estudo como um bem realmente necessário.
Estuda-se para crescer socialmente, para ganhar mais dinheiro. Não se considera o Saber como algo que ninguém pode roubar...E assim, trabalham as crianças. As crianças carvoeiras. As crianças malabaristas nos sinais (não se iludam: não estão brincando). Não estão ali para irritar ou distrair você: estão trabalhando, operários lúdicos, que precisam levar para casa as parcas moedas ganhas...Tenho a foto de uma criança usada, pelo peso leve,
para subir em mastros altos de barcos e amarrar velas ou algo similar. Lá,
das alturas, o vento cortando-lhes o rosto e o sol amorenando e
crestando-lhes as carinhas precocemente enrugadas, o sal ardendo nos olhos, o coraçãozinho a bater qual a de passarinhos que não podem fugir, eles vêem um horizonte que não terão, largo demais para ser verdade... Falo de um costume de S.Luiz,Maranhão,passado por banal,não fôra o olhar espantado do fotógrafo,paulista,ali morando.Sensível,ele fez o foto-álbum com o qual presentearam o Papa João Paulo II quando aqui esteve.A foto é deslimbrado:lá nasalturas, a criança fazendo a amarração.
A poetisa Hila Godinho, na revista Estalo número quatro, escreveu sobre o chamado "Menino do Couro":ciranças , que antigamente desciam amarrados, nas estreitas minas verticais:

"Menino do Couro”
Posso ouvir seu choro pequeno
no silêncio total desse cofre,
um século e mais depois.

Menino de couro
posso sentir seu medo
no ar quente desse buraco
que agora enche de calafrios
minha alma.

Menino do couro,
posso notar seu pavor de descer acorrentado
e só e não subir de volta ao ar
acompanhado de seu peso em ouro.

Menino do couro
posso imaginar o açoite,
sentir o cheiro do sangue e a dor da ferida,
da justiça senhora e da humilhação,
da cabeça da criança violentada e sem defesa.

E só agora,
a partir de agora
posso lhe dar meu colo, tardio de mãe,
minha voz solitária,
e essa lágrima quente
enterrada há mais de um século
no aperto inexplicável
desse coração
de cor vermelha.

(Hila Godinho - Belo Horizonte/MG - hilagodinho@ig.com.br)

Essa fala, brotada de meu imo, de minha experiência com comunidades carentes, desperta o meu lado poeta. E imediatamente, vêm-me à cabeça dois
grandes poemas: "Construção", que Chico escreveu( e aí é perfeita a relação
entre criador e criatura), e canta "Operário em Construção”, de Vinicius. Não posso furtar-me a transcrevê-las. Se não puder ler tudo, copie e leia em vários momentos. Saboreie. Introjete. Decore. Repasse. Imprescindíveis!


Em "Construção", Chico Buarque faz a inovação de terminar cada um dos versos de ritmo marcante, com um proparoxítono, e mais, repete a estrofe toda, trocando entre si, esses vocábulos, qual as cores de um cubo mágico. E mais estrofe três vezes, número cabalístico e poderoso. Tudo para que a mensagem principal do contexto, aponte vertiginosa para a destinação do homem trabalhador, num trabalho maravilhoso do qual poucos se dão conta. Aconteça
o que acontecer na ação verbal implícita nos adjetivos e substantivos
proparoxítonos, o homem sempre morrerá. Como se fosse isso ou aquilo, embora, age. Mas morrerá qual um objeto que atrapalha. O conceito de destino, destinação, fado, sina, fica a gritar, rasgante. Parecesse ele tímido ou bêbado, príncipe ou pássaro, máquina ou mágico, terá de cumprir essa particular e também generalizada signa. Lúgubre. Vida sinóptica, que não logrará avatares, estares, descansares. Sem proteção, o operário morre.
No entanto, se espera, em Direitos Humanos, de forma redundante, que seus direitos de pessoa sejam lídimos...

CONSTRUÇÃO - CHICO BUARQUE

Amou daquela vez como se fosse a última
Beijou sua mulher como se fosse a última
E cada filho seu como se fosse o único
E atravessou a rua com seu passo tímido
Subiu a construção como se fosse máquina
Ergueu no patamar quatro paredes sólidas
Tijolo com tijolo num desenho mágico
Seus olhos embotados de cimento e lágrima
Sentou pra descansar como se fosse sábado
Comeu feijão com arroz como se fosse um príncipe Bebeu e soluçou como se fosse um náufrago
Dançou e gargalhou como se ouvisse música
E tropeçou no céu como se fosse um bêbado
E flutuou no ar como se fosse um pássaro
E se acabou no chão feito um pacote flácido
Agonizou no meio do passeio público
Morreu na contramão atrapalhando o tráfego

Amou daquela vez como se fosse o último
Beijou sua mulher como se fosse a única
E cada filho seu como se fosse o pródigo
E atravessou a rua com seu passo bêbado
Subiu a construção como se fosse sólido
Ergueu no patamar quatro paredes mágicas
Tijolo com tijolo num desenho lógico
Seus olhos embotados de cimento e tráfego
Sentou pra descansar como se fosse um príncipe
Comeu feijão com arroz como se fosse o máximo
Bebeu e soluçou como se fosse máquina
Dançou e gargalhou como se fosse o próximo
E tropeçou no céu como se ouvisse música
E flutuou no ar como se fosse sábado
E se acabou no chão feito um pacote tímido
Agonizou no meio do passeio náufrago
Morreu na contramão atrapalhando o público

Amou daquela vez como se fosse máquina
Beijou sua mulher como se fosse lógico
Ergueu no patamar quatro paredes flácidas
Sentou pra descansar como se fosse um pássaro
E flutuou no ar como se fosse um príncipe
E se acabou no chão feito um pacote bêbado
Morreu na contramão atrapalhando o sábado.

------------------------
-----------------------------------------------


E agora, esse poema-espanto de Vinicius de Moraes, que todas as pessoas deveriam ler para se lembrar de que, não fossem os obreiros, o que poderíamos ter? Apenas o também fazer, para viver, renovar, inventar...
Quando se diz, popularmente, que fulano "é um Cristo", muito mais que a figura, afigura-se um ser capaz de ser tentado e ainda assim, permanecer na sua força pessoal, movido por motivações internas inalcançáveis para os donos do poder. Mas que são, estes, bem capazes de usurpar direitos, enganar, aproveitar-se da necessidade do outro. No ritmo da menos valia, cruz a que o prega a diferença social, o operário tem a grande motivação de
todas as pessoas: a fome deve ser "matada". Morta, nos filhos e em si, na companheira que ao lado dorme, sentir-se-á cumpridor de sua sina humilde, simplificada ao extremo: quer pão, não pode comer tijolo, nem cimento. Esses elementos são seus objetos de trabalho, são os sub-objetivos do patrão: a construção maior. Enquanto isso, o homem se argamassa: "operário em construção"...


OPERÁRIO EM CONSTRUÇÃO -VINICIUS DE MORAES

Era ele que erguia casas
Onde antes só havia chão.
Como um pássaro sem asas
Ele subia com as asas
Que lhe brotavam da mão.
Mas tudo desconhecia
De sua grande missão:
Não sabia por exemplo
Que a casa de um homem é um templo
Um templo sem religião
Como tampouco sabia
Que a casa que ele fazia
Sendo sua liberdade
Era a sua escravidão.



De fato como podia
Um operário em construção
Compreender porque um tijolo
Valia mais do que um pão?
Tijolos ele empilhava
Com pá, cimento e esquadria
Quanto ao pão, ele comia
Mas fosse comer tijolo!
E assim o operário ia
Com suor e com cimento
Erguendo uma casa aqui
Adiante um apartamento.



Além uma igreja, à frente
Um quartel e uma prisão:
Prisão de que sofreria
não fosse eventualmente
Um operário em construção
Mas ele desconhecia
Esse fato extraordinário:
Que o operário faz a coisa
E a coisa faz o operário.
De forma que, certo dia
À mesa, ao cortar o pão
O operário foi tomado
De uma súbita emoção
Ao constatar assombrado
Que tudo naquela mesa
- Garrafa, prato, facão
Era ele quem fazia
Ele, um humilde operário
Um operário em construção.
Olhou em torno: a gamela
Banco, enxerga, caldeirão
Vidro, parede, janela
Casa, cidade, nação!
Tudo, tudo o que existia
Era ele quem os fazia
Ele, um humilde operário
Um operário que sabia
Exercer a profissão.



Ah, homens de pensamentos
Não sabeis nunca o quanto
Aquele humilde operário
Soube naquele momento
Naquela casa vazia
Que ele mesmo levantara
Um mundo novo nascia
De que sequer suspeitava.
O operário emocionado
Olhou sua própria mão
Sua rude mão de operário
De operário em construção.
E olhando bem para ela
Teve um segundo a impressão
De que não havia no mundo
Coisa que fosse mais bela.



Foi dentro desta compreensão
Desse instante solitário
Que, tal sua construção
Cresceu também o operário
Cresceu em alto e profundo
Em largo e no coração.
E como tudo que cresce
Ele não cresceu em vão
Pois além do que sabia
- Exercer a profissão -
O operário adquiriu
Uma nova dimensão:
A dimensão da poesia.



E um fato novo se viu
Que a todos admirava:
O que o operário dizia
Outro operário escutava
E foi assim que o operário
Do edifício em construção
Que sempre dizia \"sim\"
Começou a dizer \"não\"
E aprendeu a notar as coisas
A que não dava atenção
Notou que sua marmita
Era o prato do patrão
Que sua cerveja preta
Era o uísque do patrão
Que seu macacão de zuarte
Era o terno do patrão
Que o casebre onde morava
Era a mansão do patrão
Que seus dois pés andarilhos
Eram as rodas do patrão
Que a dureza do seu dia
Era a noite do patrão
Que sua imensa fadiga
Era a amiga do patrão.



E o operário disse: Não!
E o operário se fez forte
Na sua resolução.



Como era de se esperar
As bocas da delação
Começaram a dizer coisas
Aos ouvidos do patrão
Mas o patrão não queria
Nenhuma preocupação.
- \"Convençam-no\" do contrário
Disse ele sobre o operário
E ao dizer isto sorria.



Dia seguinte o operário
Ao sair da construção
Viu-se súbito cercado
Dos homens da delação
E sofreu por destinado
Sua primeira agressão
Teve seu rosto cuspido
Teve seu braço quebrado
Mas quando foi perguntado
O operário disse: não!



Em vão sofrera o operário
Sua primeira agressão
Muitas outras seguiram
Muitas outras seguirão.
Porém, por imprescindível
Ao edifício em construção
Seu trabalho prosseguia
E todo seu sofrimento
Misturava-se ao cimento
Da construção que crescia.



Sentindo que a violência
Não dobraria o operário
Um dia tentou o patrão
Dobrá-lo de modo contrário
De sorte que foi levado
Ao alto da construção
E num momento de tempo
Mostrou-lhe toda região
E apontando-a ao operário
Fez-lhe esta declaração:
- Dar-te-ei todo este poder
E a sua satisfação
Porque a mim me foi entregue
E dou-a a quem quiser.
Dou-te tempo de lazer
Dou-te tempo de mulher
Portanto, tudo que vês
Será teu se me adorares
E, ainda mais, se abandonares
O que te faz dizer não.



Disse e fitou o operário
Que olhava e refletia.
Mas o que via o operário
O patrão nunca veria
O operário via casas
E dentro das estruturas
Via coisas, objetos
Produtos, manufaturas.
Via tudo que fazia
O lucro do seu patrão
E em cada coisa que via
Misteriosamente havia
A marca da sua mão.
E o operário disse: não!



- Loucura! - gritou o patrão
Não vês o que te dou eu?
- Mentira! - disse o operário
Não pode me dar o é meu.



E um grande silêncio fez-se
Dentro do seu coração
Um silêncio de martírios
Um silêncio de prisão.
Um silêncio povoado
De pedidos de perdão
Um silêncio apavorado
Com o medo em solidão
Um silêncio de torturas
E gritos de maldição
Um silêncio de fraturas
A se arrastarem no chão
E o operário ouviu a voz
De todos seus irmãos
Os seus irmãos que morreram
Por outros que viverão
Um esperança sincera
Cresceu no seu coração
E dentro da tarde mansa
Agigantou-se a razão
De um pobre e esquecido
Razão que fizera
Em operário construído
O operário em construção.

-------------------------------------

-------------------------------------


O conceito de "operário" é de tal forma amplo, que predispõe-se, de per si, a numerosas discussões: um artista é um operário? Ele que sua, nos ensaios,que se prepara, estuda, forma-se, é operário? O vocábulo vem do Latim "operariu". As definições de dicionários especificam: "Artífice; aquele que trabalha em uma arte ou ofício". Poeta é operário da beleza. Ator, artista plástico, dançarino, pintor, artesão... A prostituta não é a famosa "operária do amor"? Não do Amor, mas do sexo. Por isso, rotuladas de mariposas, operárias da noite. Mas também trabalham nas noites longas, os enfermeiros, os médicos, os porteiros, os vigilantes, os DJs, os radialistas...Os funcionários das farmácias de plantão...

Somos todos operários. Operamos, operacionamos. Criamos. O grande Criador, o primeiro Operário. Até o ócio, pode ser criativo, para os que lidam com o imaginário, com a inspiração...
Somos todos operários.
Ou não? Por que não?...

(Clevane, em Belo Horizonte/MG/Br, às 22:04h, de 05/05/06, véspera do
aniversário de meu pai, Lourival Pessoa da Silva, que completa 87 anos de
idade... Ele, um trabalhador da honestidade, seu legado maior á família.)



De "Tina",recebo,com absoluta emoção:

"Clevane:já havia falado de vc,que deu palestra para um grupo de terceira idade para o qual minha mãe,D.Enestina,pertence.
Uma de minhas amigas,Ana Maria,sempre me repassa seus textos.Sou professora e cheguei a ensair conhecer você,quando voltasse a dar palestras.
Sou professora da oitava série e,com sua permissão,vou usar longamente esse texto fantástico,para estudos-e vou entregar uma cópia aos demais colegas,para fazer o mesmo.Ele dá margem a muitos desdobramentos.Há muitas questões embutidas.
Você é professora também?
Como você é sábia e fala de maneira direta,clara.
Obrigada por esse escrito,que li em plena madrugada de hoje(...)"

Christina A.

Não posso evitar umcontentamento enorme em ter sido compreendida.
Publicado por clevane pessoa de araújo em 05/05/2006 às 20h15
Seja o primeiro a comentar este texto
Indique esta leitura para amigos
 
Copyright© 2005 by ClevanePessoa. Todos os direitos reservados.Criado e hospedado por Recanto das LetrasPágina atualizada em 06.05.06 11:40
clevane pessoa de araújo lopes
Enviado por clevane pessoa de araújo lopes em 06/05/2006
Código do texto: T151282

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autor e o link para o site "www.sitedoautor.net(Clevane pessoa de araújo lopes;(www.clevanepessoa.net/blog.php)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
clevane pessoa de araújo lopes
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 69 anos
555 textos (176711 leituras)
21 e-livros (13423 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 04:18)
clevane pessoa de araújo lopes