Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Estado de Caos

Vivemos nessa tal democracia onde o exercício da autoridade na prática da disciplina e ordem, foi confundida e se confunde com autoritarismo, inclusive com a imprensa que detonou as atitudes de homens capacitados de ontem contra a guerrilha e violência urbana, como o então, o "autoritário" Secretário da Segurança Pública, o Sr. Erasmo Dias e os de hoje, como o Coronel Ubiratan (na minha opinião, o lugar desse bravo soldado é na cadeira da SSP e não onde o colocaram, no banco dos réus).
Agora, essa mesma imprensa está relatando com o sangue de nossos bravos soldados, os fatos dessa ditadura dos bandidos que nasceu nesse nosso mal planejado e conduzido estado de liberalidade tão defendido por essa nossa imprensa comercial.
Antes, qualquer fato deteriorante era atribuído como manobra do PSDB para inviabilizar as pretensões do PT chegar ao poder e apesar de estarmos vivendo a realidade do dia-a-dia, ainda há pessoas que vivem no mundo das fantasias e das ilusões, contribuindo com suas "cabeças pensantes" na manutenção desse estado deteriorante do oportunista continuísmo, achando que tudo o que se passa agora, são manobras do PT para inviabilizar as pretensões do Alckmin.
Lamentável...
Nesse país não há eleitores e sim fanáticos simpatizantes e torcedores de homens partidários.
Esse processo de deterioração do Estado em toda a sua estrutura iniciou-se com essa tal democracia em que vivemos. Com as vitórias do PMDB nas eleições em quase todo o Brasil. Com Quércia e Fleury (esse, o único feito merecedor de aplausos, foi a sua ordem de que a Tropa de Choque da Policia invadisse o Carandiru) no Estado de São Paulo e depois, com O PSDB de Covas e Alckmin que ocupou o governo. Esse mesmo Alckmin que fez e contribui com a milionária campanha contra o desarmamento, esse mesmo Alckmin, gerente das autoridades que afastaram dois policiais que tiveram a ousadia de denunciar em uma emissora de rádio, a falta de coletes balístico e o revezamento do uso desse equipamento de proteção que eram obrigados a fazer; com o mesmo PSDB que ocupou a Presidência da República durante oito anos e o PT que chegaram ao Poder recentemente.
Soma-se a essa deterioração o Congresso Nacional que durante esse período fizeram as leis que facilitam a vida dos bandidos. O Povo precisa com urgência da reforma da legislação (o código penal com algumas adaptações data de 1940) com leis severas que estejam de acordo com a vontade popular. A população clama por um Estado punitivo, com leis mais duras, punitivas e mais severas como: a prisão perpetua nos moldes da Alemanha ou então, a pena de morte como há nos Estados Unidos (será que a democracia brasileira é mais avançada do que nos Estados Unidos, onde essa pena é aplicada?).
Tempos duros exigem leis mais severas e aqui no Brasil os juizes ficam de mãos atadas diante das leis de execução penal que permite visitas intimas, saídas temporárias, cumprimento de 1/6 da pena que possibilitando o regime semi-aberto que nada mais é do que rua e no excesso de prazo, passados 81 dias o réu aguardando julgamento é colocado na rua, na Alemanha o réu pode ficar preso por quatro anos e nos Estados Unidos, por oito anos. Aqui, o Congresso não se movimenta para promulgar leis de acordo com a vontade da população.
Nesse processo deteriorante, a Igreja Católica sempre se colocou a favor dos bandidos e considerou os criminosos como vítimas da sociedade. Algumas ONGs prestam serviços de assistência médica, odontológica e de nutrição alimentícia aos bandidos criminosos. E o povo que através dos impostos paga tudo, permanece em estado de miséria e nossos aposentados, depois de toda uma vida de trabalho, agonizam em filas previdenciárias e são duramente agredidos com declarações das autoridades que acham que as filas são problemas de cultura do brasileiro, que gosta de amanhecer em filas.
Soma-se mais ainda, os condutores de nossa política-econômica que concentra renda e multiplica a miséria e a corrupção envolvendo a banda podre de nossas polícias onde, o Ministério Público e o sistema judiciário com seus efetivos abarrotados de serviço, não se responsabiliza ninguém pela entrada de celulares e armas nos presídios, que possibilitam a coordenação sistemática e simultânea do comando criminosos em todo o Estado (os advogados e religiosos, defensores dos bandidos não passam por revistas ao entrar nos presídios). Podemos enumerar outras variadas causas e acrescentar nelas as 900 faculdades de direitos que abrigam professores sem qualificações e sem títulos de Doutores, que formam uma parte considerada de bacharéis que pegam qualquer causa e alguns desses, chegam a exercer funções no Ministério Público, aproveitando nas falhas das leis e da justiça para se auto-promoverem.
Durante a semana, várias delegacias da capital e do interior alertaram as autoridades ao que podia acontecer. Nossas autoridades subestimaram os planos dos bandidos, achando que nada de grave acorreria até o dia das Mães. Manteve o "indulto" soltando treze mil presos e nada planejaram para a defesa das corporações policiais dessa tragédia anunciada, inclusive, covardemente expondo seus bravos homens para serem alvo fácil dos bandidos (na sexta-feira, depois da jornada de trabalho, os policiais voltaram para casa sem nada saber e sem nenhuma proteção).
Todas as ações que estão acontecendo de natureza desse terror, que a população revoltada está presenciando, é um claro atestado de incompetência plena das autoridades. As forças policiais são refém da falta de autoridade de um governo incompetente que se coloca a mercê dos direitos dos "manos" que afasta das ruas o policial envolvido em duas ocorrências de enfrentamento e combate ao crime com balas contra os bandidos e, impede a policia de dar respostas a altura quando um sujeito que se diz líder dessa quadrilha organizada, foi capaz, sentado em frente do competente diretor do DEIC, de pronunciar o seguinte: "eu posso entrar na sua delegacia e matar o seu policial, você não pode entrar na penitenciaria para me matar". É a proliferação das comissões dos defensores dos direitos humanos contra a policia entregue a própria sorte. Como reagir diante dessas agressões se a legitima defesa está amparada na própria lei?
Prendemos nossa respiração diante do espanto ao perceber que as ruas de São Paulo não são mais do povo. Logo, o comando do crime organizado decidirá as ordens na paralisação dessas ações de terror e as autoridades da desorganizada Segurança Pública comemorará a falsa impressão que conseguiram controlar a situação e daqui alguns dias tudo caíra no esquecimento e teremos que agüentar a "tortura" das atenções a copa do mundo de futebol. Quando menos se perceber, essas forças criminosas, predadores da sociedade, voltarão com a mesma ou até um maior poderio ofensivo.
Esse é o retrato que nos mostra uma certa noção do limite da visão e até aonde aprendemos a enxergar.
Olhar, ouvir, conhecer e reagir...
Se não somos surdos e nem cegos, tendo ouvido e enxergando será preciso que falemos, cada um do seu jeito, do jeito que pode ou consegue para bradar nessa clareza que estamos chegando a perfeição da ruína e decadência.
Plínio Sgarbi
Enviado por Plínio Sgarbi em 16/05/2006
Reeditado em 16/05/2006
Código do texto: T156970
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Plínio Sgarbi
Jaú - São Paulo - Brasil, 54 anos
241 textos (218046 leituras)
21 áudios (3298 audições)
5 e-livros (510 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 04:33)
Plínio Sgarbi