Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ser ou Não Ser



O drama do príncipe da Dinamarca, mais que o conflito familiar e a traição abjeta de um tio usurpador, adquire o contorno angustioso da inquietação humana diante de sua origem e destino. O espectro do pai assassinado, a ingênua mãe amparada pelo tio assassino e a loucura fingida de Hamlet nada mais são do que a moldura de um quadro mais complexo pintado com as sombrias tintas das dúvidas existenciais de todo ser humano.

Consta que Shakespeare teria extraído o mito de Hamlet de uma antiga lenda escandinava contada por Saxus Grammaticus, um dinamarquês do século XII. A peça foi registrada em 1602 e impressa em 1603. O rodar dos séculos, no entanto, não tornou o drama anacrônico; pelo contrário, é atual por conter questões não resolvidas no decorrer deste enorme tempo.

Ser ou não ser? Morrer, ou simplesmente dormir? Cessariam assim os pesares do coração? Que sonhos poderiam sobrevir após a morte? Por que deveria uma vida calamitosa prolongar-se por um tempo tão grande? Por que suportar os reveses da vida sendo tão fácil concluí-la com as próprias mãos? Seria a consciência que tornaria os homens covardes diante da possibilidade de interromper as contrariedades que se sucedem na experiência da vida?

A consciência humana não poderia tornar o ser humano covarde afastando-o das respostas; não seria então com ciência, com verdade, com conhecimento, seria uma outra coisa qualquer. O dilema, no entanto, persiste: ser ou não ser?

A prerrogativa de ser existe; somente o próprio indivíduo poderá realizá-la.

E como se chega a ser o que não se é? Como se chega a saber o que não se sabe? O que se quer saber? O que se quer chegar a ser?

Uns querem ser ricos, outros admirados. Uns querem ser doutores, intelectuais, reconhecidos. E todos começam não sendo nada. E quando chegam a realizar os sonhos mencionados – e são muito poucos os que o conseguem – percebem que aquilo era pouco, não era o que imaginavam.
 
Tudo fica parecendo um brinquedo velho, sem graça, imprestável; e volta-se ao ponto de partida. As reflexões básicas de Hamlet adquirem uma nova dimensão: o que eu quero ser? O que eu quero saber? O que preencheria o vazio que habita a minha alma?

Nesse momento, a reflexão sensata leva o indivíduo a voltar-se para si mesmo e encarar a sua realidade; não aquilo que se esforça por aparentar ser para os demais, mas aquilo que realmente é: um ser eventualmente ilustrado, mas pouco provido do conhecimento essencial, pois pouco conhece sobre si mesmo, sobre as causas de seus desacertos, de suas tristezas, de seus desentendimentos consigo e com os semelhantes. Descobre que lhe falta o conhecimento sobre sua pessoa, o conhecimento de si mesmo; que para ser o que não é deve conhecer-se para poder vislumbrar o que pretende ser. Desenha-se em sua mente um processo de superação cujo paradigma é ele mesmo e não os outros; que deve buscar ser melhor que ele próprio ao invés de ser superior aos demais; saber com que recursos conta e o que deve ser aperfeiçoado em sua estrutura psicológica e espiritual.

Ser ou não ser? Saber ou não saber? É possível que a reflexão profunda e sincera contenha em sua formulação a resposta.

Nagib Anderáos Neto
www.nagibanderaos.com.br
Nagib Anderáos Neto
Enviado por Nagib Anderáos Neto em 16/05/2006
Reeditado em 25/03/2013
Código do texto: T157270
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de Nagib Anderáos Neto www.nagibanderaos.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nagib Anderáos Neto
São Paulo - São Paulo - Brasil
366 textos (87991 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 22:33)
Nagib Anderáos Neto