Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Lampião, o grande mito

Objetivando entender a figura ímpar de Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, necessário se torna enquadrá-lo dentro do Sistema Político vigente na época, a República Velha, que atribuía grande poder político aos coronéis, surgindo daí o termo, Coronelismo. Os coronéis eram pessoas de grande poder aquisitivo, geralmente, comerciantes e grandes fazendeiros, que tinham grande influência política juntos às oligarquias. A função primordial desses coronéis era manipular os votos dos eleitores nos vários municípios do país. Agindo assim, ganhavam prestígio junto às autoridades políticas, conseguindo obter delas, todos os tipos de favores. Dentro desse quadro social, torna-se até compreensível o surgimento de figuras, como, o oligarca; o capanga; o cangaceiro, dentre outros.

Embora vivendo nessa fase conturbada da vida política nacional, Lampião era descendente de família honesta, trabalhadora e de caráter ilibado. Era filho de José Ferreira da Silva e de Maria Lopes. Seu primo, o advogado, Antonio Ferreira Magalhães, que o conheceu em vida, nos conta que:“Lampião era uma figura máscula e fascinante. Tinha personalidade e o magnetismo de um verdadeiro chefe. No contato pessoal, era um homem simples e amável, dedicado a todos da sua família. Ele se tornou um “fora-da-lei”por força das circunstâncias. O seu pai, que era um homem bom e pacato, sofreu perseguições sem conta, por questões políticas, e teve de mudar com toda a família várias vezes, abandonando suas terras, o que, para um sertanejo, é o pior castigo. Por fim tendo ido viver em outro Estado, Alagoas, nem mesmo assim pôde ficar em paz. Foi assassinado pela Polícia. A mãe de Lampião morrera poucos dias antes, também em conseqüência da perseguição que lhes era movida. Diante disso, Virgulino tornou-se Lampião.”

São muitos os depoimentos de pessoas daquela época, muitos dos quais ainda vivos, afirmaram que Lampião não era o que se dizia dele, era sim, um justiceiro. Tem-se aqui ainda um depoimento, que serve para refutar alguns de seus biógrafos que teimam em qualificá-lo de assassino desalmado, é o do historiador, Luís Lorena, que referindo-se ao Lampião, disse: “Foi bom tropeiro, bom menino na roça, bom amigo, bom filho, um sujeito correto. Não foi um cangaceiro, um bandido, por sua livre e espontânea escolha, mas, sim, por circunstâncias alheias à sua vontade.”

Sendo assim, considera-se que Lampião foi então injustiçado duas vezes. A primeira quando querem torná-lo um carniceiro desalmado. A segunda, quando após sua morte(28/07/1938), que até hoje suscita controvérsias, se foi morto à tiros ou por envenenamento, colocaram sua cabeça, a de Maria Bonita e as de alguns membros de sua organização expostas no Museu Nina Rodrigues em Salvador Bahia, durante grande espaço de tempo(três décadas), só as enterrando no dia 6 de fevereiro ano de 1.969, no cemitério da Quinta dos Lázaros em Salvador.


Amarú Inti Levoselo
Enviado por Amarú Inti Levoselo em 29/07/2006
Reeditado em 29/07/2006
Código do texto: T204630

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Amarú Inti Levoselo
Goiânia - Goiás - Brasil, 74 anos
91 textos (14605 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 05:33)
Amarú Inti Levoselo