CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

Sobre o ato de escrever


Considerando-se que os únicos mestres para um bom escritor são outros escritores – devemos ler para escrever igual ou para escrever diferente?

Não é uma pergunta original. Estou imitando Manet que afirmava dever o artista conhecer a arte de seus predecessores para buscar um caminho totalmente diferente.

Mas será que existe ainda um caminho original para se criar dentro da literatura ou tudo já foi feito nos restando apenas encontrar o próprio caminho sem se importar que ele seja original ou não?

Não são questões fáceis de resolver. É evidente que cada um de nós, os que escrevemos, gostaríamos de ser completamente originais. Não é tarefa fácil, mas é possível. E eu fico enlouquecida quando encontro um escritor que apresenta essas características.

Manet se recusava a ensinar, mas deu alguns conselhos. Um deles foi: não faça nada que você já viu nas obras dos outros. Eu não seria tão radical. Acho que se pode partir de algo já feito e transformá-lo em algo ainda não feito. Chamaria isso de inspiração, aquela iluminação que acontece quando você vê uma coisa tão boa, mas tão boa mesmo que o inspira a fazer algo melhor, mas com o seu ponto de vista, o ponto que é só seu e de mais ninguém.

Grosso modo, diria sim, que é possível ensinar técnicas de redação. Conheço uma mestra em fazer isso e ela é uma de nossas colaboradoras aqui do Recanto.* Mas técnicas são ensinadas através do que já foi estabelecido pelos bons autores. Ao mesmo tempo acredito que um verdadeiro escritor não é feito só de técnicas pré-estabelecidas. Ele estabelece técnicas. Porque ater-se a regras pode dar origem a obras muito boas, mas exige muito de quem escreve, ao passo que, aquele que encontra o próprio caminho e faz as próprias regras acaba conhecendo-o tão bem que anda por ele até de olhos fechados, sem nenhuma preocupação. Vai de um lado ao outro sem pestanejar, deslizando como se estivesse de patins em uma pista de gelo. E o leitor o acompanha extasiado.

Esse tipo de escritor, porém é raro, aparece de vez em quando, mas aparece. Nesse site mesmo encontramos alguns exemplos de escritores fora de série que estão perdidos por aqui longe do mercado editorial. O mais seguro, porém ainda é escrever sem inventar muito – estabelecer o próprio caminho sem se preocupar em ser original porque não há nada pior do que aquele pseudo artista, seja ele de que área for, que se especializa em inventar coisas que ninguém entende ou só um grupinho diz entender e cria argumentos mirabolantes para explicá-lo. 
  

Penso que a arte tem mais de uma função. Qualquer arte, inclusive a da escrita. Uma delas, talvez a principal, é a satisfação do artista. Mas a satisfação do artista nunca é completa se ele não tem um público, por menor que seja.  O artista precisa do aplauso, por mais esnobe que seja e diga que não liga pra isso. Todos ligam, uns mais, outros menos. Outra das funções da arte é a de transformar, se não o mundo, pelo menos aquele que toma contato com a obra. Autores de um só leitor também podem colaborar com essa transformação, mesmo que não seja evolutiva, seja apenas prazerosa. Não existe nada melhor no mundo para o palhaço do que o riso de uma criança. E não existe nada de mais transcendente na vida do que uma criança feliz. Proporcionar momentos de reflexão e satisfação para uma única pessoa já terá valido a pena para o artista.

Gosto de pensar sobre essa atividade, a de escrever, que para mim é lúdica, me diverte mais do que qualquer outra. Penso até que atualmente ela tem sido até mais importante do que a de ler, que sempre foi o meu maior prazer. Talvez porque, além de lúdica ela está apresentando elementos de sacralidade promovendo a ligação de minha alma com meu espírito e por sua vez, deste com o Universo. E esse é o caminho para completude, aspiração de todos nós, embora na maioria das vezes, inconsciente.
 
Lavras, 16 de março de 2010

* Maria Neusa
Maria Olimpia Alves de Melo
Enviado por Maria Olimpia Alves de Melo em 16/03/2010
Reeditado em 16/03/2010
Código do texto: T2142541

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para http://marilim.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre a autora
Maria Olimpia Alves de Melo
Lavras - Minas Gerais - Brasil
1107 textos (301346 leituras)
1 e-livros (250 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/09/14 13:43)