Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Museu pioneiro

 Uma iniciativa pioneira surgiu no Estado da Paraíba. Um movimento intitulado Movpaz, de uma ONG - Organização não governamental - internacional, em parceria com o Governo do Estado, vai instalar em João Pessoa o primeiro Museu da Paz do Brasil e do planeta. E já há contatos com Oscar Niemayer para elaboração do projeto arquitetônico.

      Entendimentos preliminares entre o governador Cássio Cunha Lima e o prefeito Cícero Lucena, de João Pessoa, prevêem a instalação do museu na Ponta do Seixas.

      A notícia foi publicada no jornal O Norte, edição de 24/08/2003, em matéria assinada pela jornalista Fátima Farias e pode ser acessada através do site http://www.paraiba.pb.gov.br/noticias/noticia.jsp?canal=36¬icia=1512.

      A ONG MOVPAZ criou o projeto Paz pela Paz e não à violência, e tem efetuado ações práticas em favor da paz, ganhando adesão de autoridades, artistas e músicos, principalmente na região nordeste do país, estando presente com outras iniciativas em diversos estados do Brasil; dentre suas 21 ações práticas, em favor da paz, está prevista a implantação do Museu da Paz.

      Isto leva a conhecer um verbo desconhecido e pouco usado no cotidiano. É o verbo PAZEAR, que, segundo os dicionários, significa estabelecer paz ou harmonia. Sua conjugação, no presente do indicativo, é a seguinte: eu pazeio, tua pazeias, ele pazeia, nós pazeamos, vós pazeais, eles pazeiam. E mais interessante é que dificilmente nós o conjugamos na fase escolar; nossos avós também não o fizeram e se o mantivermos esquecido, as gerações futuras também não o farão.

      Para criar uma cultura de paz, incentivar o cultivo da paz nos lares, nas escolas e em todas as iniciativas sócio-econômicas, sócio-culturais, sócio-políticas e religiosas no planeta, é preciso desde já ensinar crianças e adultos a conjugar, pois, o verbo pazear.

      É um bom momento para divulgarmos o desconhecido verbo, incentivando ações de paz no lar, no cotidiano da cidade, na vida pessoal de convivência. Afinal, é o antídoto das explosões diárias de violência em toda parte. Pois, se estivermos em paz, nas diversas circunstâncias, transmitiremos paz às demais pessoas, que se sentirão em paz e teremos um mundo de paz.

      Não é o que buscamos?

      Pois para iniciar a paz basta respeitarmos as opções e a liberdade de cada pessoa que conhecemos. Se esta cultura se espalhar, acabam as guerras, os conflitos, pois a violência vem exatamente do desrespeito à liberdade do outro...
Orson
Enviado por Orson em 14/08/2006
Código do texto: T216281
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Orson
Matão - São Paulo - Brasil, 56 anos
298 textos (94312 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 04:24)