Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

        A PALAVRA É PRATA
                        O SILÊNCIO É OURO




Palavras certas em horas erradas, palavras erradas em hora certas e o pior de tudo palavras erradas em hora erradas. Quem nunca sentiu vontade de tomar uma determinada atitude, até de agredir alguém após ouvir alguém largar aquela perola, que deixa até os amigos envergonhados?


O que dizer nestas horas? Tem certos momentos em que o silêncio de reprovação vale mais do que mil palavras. Juras de arrependimento às vezes minimizam, mas jamais justificam tais atitudes. Resume-se isto em um dito popular “se conselho fosse bom não se dava, vendia-se”.


Conhecidos há cerca de 6.000 anos, estes metais nobres são citados em diversas culturas como elementos do deus Sol e da deusa Lua, associados às forças Yin e Yang na antiga China, feminino e masculino.

Reis e sacerdotes usaram muitos objetos de ouro,  não só pelo valor monetário, mas também por acreditarem que dele emanava uma força extraordinária, uma energia vigorosa vinda do sol, isso podia torná-los mais fortes e corajosos, mais sábios. Por isto surgiu o costume de usar adornos de ouro, pois acreditavam que estes objetos os protegiam contra magia negra.

Nas culturas antigas, o ouro era reservado apenas à produção de objetos sagrados, proibido seu uso como peça de adorno.

A prata também foi considerada protetora. Atribuía-se às balas de prata, o poder de matar feiticeiras e lobisomens. Conta-se que sacerdotes teriam enterrado estátuas de prata nas fronteiras do Império Romano para afastar os bárbaros.Quando estas estátuas foram removidas da terra, o Império foi dominado pelos Godos, Hunos e Trácios.
 
O ouro puro é livre de oxidação;  já a prata pura pode se alterar na presença do gás sulfídrico, formando sulfeto de prata. A liga de prata se oxida facilmente, pois esta misturada a outro metal, resulta em cobre.

Talvez esses sejam alguns dos motivos pelos quais tenha surgido o famoso e antigo ditado. "A palavra é de prata e o silêncio é de ouro”.

Somos efetivamente donos de nossos destinos e comandamos nossas vidas. Temos que administrar da melhor maneira nossos atos e ações.

O destempero de nossas palavras tem nos causado inúmeros problemas espirituais. Uma palavra depois de proferida , possui um efeito devastador.Tenhamos cuidado com o que dizemos. Jesus nos alertou:  o que contamina o homem não é o que entra pela boca, mas o que sai dela .”Porque a boca fala do que esta cheio o coração”.(Lc 6:45)

Um homem de poucas palavras dificilmente será leviano nas suas conversas, pois sempre as medirá. Os que muito falam tendem a realizar pouco.Se observarmos atentamente , verificaremos que em todo grupo social , sociedade ou mesmo nas reuniões, os que falam mais, são os que menos fazem. Até o simbolismo de termos dois ouvidos e uma boca , nos leva a pensar que devemos ouvir mais e falar menos.


Deus é infinitamente silencioso e quanto mais o homem se aproxima de Deus, mais silencioso ele se torna. O ruído é dos homens o silêncio é de Deus. Jesus era amante do silêncio, gostava de lugares quietos e ermos onde sempre se refugiava para fazer suas preces e meditações.


A palavra é de prata. O silêncio é de ouro. Nestas duas afirmações está contida a sabedoria de milênios da evolução humana. Faça dela seu lema de vida.

Montesquieu dizia que: “Aquele que fala irrefletidamente assemelha-se ao caçador, que dispara sem apontar”. O silêncio é sempre belo e o homem que cala, é mais belo que o homem que fala.
   
Aprendi com o silêncio a ouvir os sons interiores da minha alma.
A calar-me nas discussões e assim evitar tragédias e desafetos. Aprendi com o silêncio a respeitar a opinião dos outros, por mais contrária que fosse a minha. Aprendi com o silêncio a aceitar alguns fatos que eu provoquei e ser humilde deixando o orgulho gritar lá fora. Aprendi com o silêncio a reparar nas coisas mais simples,valorizar o que é belo, ouvir o que faz algum sentido, evitar reclamações vazias e sem sentido. Aprendi com o silêncio, que a solidão não é o pior castigo, existem companhias bem piores...
 Aprendi com o silêncio que a vida é boa, que nós só precisamos olhar para o lado certo, ouvir a música certa, ler o livro certo, que pode ser qualquer livro, desde que o leia até o fim. Aprendi com o silêncio que tudo tem um ciclo, como as marés que insistem em ir e voltar, como os pássaros que migram e voltam ao mesmo lugar.
Como a terra que faz a volta completando sua tarefa. Aprendi com o silêncio a respeitar a minha vida, valorizar o dia.
 
 
 
Ruy Silva Barbosa
Enviado por Ruy Silva Barbosa em 05/04/2010
Reeditado em 05/04/2010
Código do texto: T2178027
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ruy Silva Barbosa
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 70 anos
177 textos (121551 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/11/14 06:46)
Ruy Silva Barbosa



Rádio Poética