Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A velhice


Opinavam no Jardim das Rosas três idosos e sábios argumentistas. Um que a “velhice é uma forma simpática da vida nos dizer que estamos a caminhar para o fim”; o outro  “quando morre um velho arde uma biblioteca” e o outro   “o homem só é velho quando as lamentações começam a tomar o lugar dos sonhos”.
Toda esta sabedoria vinda de quem vinha, emocionou-me e fez com que frases como estas  me permitissem perceber e saber a estranha lógica das coisas e dos acontecimentos para depois as transformar em crónicas. Talvez sejam estas situações e estes dizeres que fazem de mim um permanente utilizador deste espaço de lazer.
É no Jardim das Rosas que me inspiro para escrever esta coluna de bem ( ou mal) dizer, como nele: ouço, escuto e  vejo aquilo que só os idosos sabem contemplar para depois poder transmitir. Só tenho pena de não poder apanhar no ar as palavras ditas que se perdem no Vento.
 È neste Jardim que às vezes a minha alma se entristece ou se transfigura, para de seguida, sentir a  tão desejada inspiração. Nunca compreendi tal razão, mas penso que é, por causa do espaço e de tudo que o rodeia;   dos aromas  das flores que lá estão; do cheiro da terra que brota para o ar;  do chilrear dos passarinhos que nas suas manhas de sobrevivência nos dizem que vemos o que é estranho mas não reparamos no que é normal; de ouvir as rãs e os grilos  a falarem entre si mas que nunca compreendemos.
Agora mais do que nunca, talvez por as folhas começarem  a cair ou por a bola de fogo estar tão longe , sinto-me  aconchegado junto  de quem tanto sabe  pelos anos passados e pela experiência adquirida, fazendo com que possa ver as coisas como nunca as tinha visto ou ouvido.
Nada então, como sentir a terra, tão de si pisada;  ouvir as vozes de  quem tanto sabe - por tantos anos já sentir no corpo - mesmo que alguns sejam como aquelas árvores que quando são fortes não partem, só abanam.
Não que eu seja idoso – longe de tal - mas no vaguear  desta zona verde e nas margens do  rio,  seduz-me a presença e a companhia de quem tudo sabe mas  pouco diz. O suficiente para às vezes quando estou sentado  nos bancos do Jardim das Rosas pensar que  no horizonte o Céu  toca na zona alta da cidade. Pura ilusão!
É nesta procura de inspiração que   a nostalgia me invade para me sufocar numa aflição que às vezes  não me deixa dizer o que sinto. Razão, talvez, desta crónica ser mais filosófica que as passadas ou  futuras.
Nesta bela terra mágica e  encantada do Jardim das Rosas calcanhada que está por passarem  mil pés, sinto-me como uma folha no Vento e como o Vento, o tudo retornará ao que foi, mesmo que as mutações me impeçam de tal. Afinal a idade dos sonhos nunca acaba. Não fossemos nós incertos na natureza mesmo quando a escrita tem razões que o próprio escriba desconhece.
Aqui, também sei às vezes, por intermédio dos idosos, do que aconteceu ou do que vai acontecer, ouvindo o que dizem ou do que lêem nas estrelas, porque ler nas estrelas, só os sábios e conhecedores sabem.  Razão tinha o idoso que disse “quando morre um velho arde uma biblioteca”.

António Centeio
Enviado por António Centeio em 17/09/2006
Código do texto: T242288
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
António Centeio
Portugal, 65 anos
14 textos (279 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 11:35)
António Centeio